O QUE ANDEI LENDO: X-MEN de Jonatham Hickman

A Editora Panini Comics compilou nas quatro primeiras edições da nova revista de “linha” X-men as minisséries “Dinastia X” e “Potências de X”. A rigor, essas duas minisséries estabelecem o novo status quo dos heróis e vilões mutantes, e demais Homo Superiors, dentro do Universo Marvel, agora vivendo na Ilha Nação de Krakoa sob a liderança do Professor Xavier e do Magneto. Dinastia X aborda os desdobramentos no presente, enquanto Potências de X procura mostrar como os mutantes chegaram até aquele momento em duas linhas temporais, uma dez anos no passado e outra no presente, e as consequências da nova nação para o mundo em duas linhas temporais futuras, cem anos à frente e mil anos adiante!

Como roteirista, gosto sempre de pensar que os gibis precisam ser voltados primeiramente para atrair novos leitores e, depois, para os colecionadores. Afinal, são de novos leitores que precisamos para garantir a longevidade das revistas. Assim, esta nova fase é ideal para quem caiu de paraquedas no universo mutante. No entanto, é notório que Jonatham Hickman fez a lição de casa, quando percebemos em seu enredo conceitos criados por Stan Lee e Jack Kirby, Roy Thomas e Neal Adams e, principalmente, Chris Claremont e John Byrne, Dave Cockrum e John Romita Jr, e até Scott Lobdell e Fabian Nicieza, vejam só!

Com uma narrativa não-linear, Hickman “esquece” tudo o que foi mostrado anteriormente em termos cronológicos e joga o leitor logo de cara no novo status quo. Isso é ótimo! Porque demonstra uma certa preocupação com o novo leitor ao estabelecer uma forma de escrever similar à que encontramos nos desenhos animados, por exemplo. Quando uma série animada é encerrada e outra iniciada, os produtores não ficam se preocupando em “explicar” o que veio antes. Simplesmente criam algo novo para uma nova audiência!

Por outro lado, essa narrativa não-linear pode causar certa confusão para leitores mais apressados, já que as explicações são dadas em doses homeopáticas, principalmente nos inúmeros infográficos espalhados pelas páginas, recurso encontrado por Hickman para não perder tempo com tramas expositivas demais! Por isso, tenha paciência e leia também os infográficos na sequência em que são apresentados. Isso é importante para a compreensão do enredo como um todo!

Falando agora da trama geral, ela não apresenta nada de novo e nem tampouco é genial como muitas pessoas têm alardeado aos quatro ventos. O ponto é que as histórias dos X-men estão tão ruins há tanto tempo, com uma “qualidade” nivelada tão por baixo, que qualquer roteiro mais consistente já é motivo para ser taxado de “genial”. Claro que isso não tira o mérito do Hickman! Como eu disse, o roteirista fez a lição de casa e bebeu direto da fonte clássica dos X-men. Ele se apropriou de conceitos já estabelecidos e está apresentando aos novos leitores de uma forma moderna e repaginada. A meu ver, essa é a maneira certa de atrair novos leitores, já que os personagens têm décadas de conceitos interessantes para serem reapresentados.

Assim, vemos na obra do Hickman uma inspiração principalmente em “Dias de um Futuro Esquecido”, com a diferença de que, nesse contexto, quem “volta” para o passado para tentar evitar um futuro trágico para os mutantes não é a Kitty Pryde, mas a geneticista Moira MacTaggert, com uma sacada bacana que lembra muito os filmes “Feitiço do Tempo” e “No Limite do Amanhã”. Porém, os leitores veteranos podem tender a perder o seu tempo tentando “encaixar” as várias vidas de Moira dentro da “cronologia canônica”. Quer um conselho? Esqueça isso e curta a jornada! Simples assim!

Pra finalizar, reitero que esse arco inicial é uma introdução ao novo status quo, de modo que a trama é bastante focada no trio Professor Xavier, Magneto e Moira, deixando um pouco de lado explicações mais aprofundadas para os demais personagens, o que deve ser desenvolvido nas próximas edições, quando a Panini começará a publicar as revistas de linha. Fica a torcida de que os enredos continuem nessa pegada de construir um universo próprio, sem se preocupar em encaixar os seus eventos na cronologia passada. Vai por mim, é isso que está estragando os gibis de heróis há tempos. Toda vez que algo foi feito um pouco deslocado dessa cronologia rígida – vide Surpreendentes X-men do Joss Whedom – resultou em histórias mais divertidas e consistentes. Como exemplo do contrário, basta lembrar da fase do Brian Michael Bendis que, apesar de diálogos relativamente bem escritos, é bastante confusa e picotada por estar inteiramente intricada na cronologia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s