VI NO CINEMA: Ghostbusters Mais Além

Primeiro de tudo, quero elogiar a tradução do título que diz duas coisas em uma só! Ao mesmo tempo em que mostra que um legado está sendo deixado para seguir em frente, indo mais longe, “mais além”, também diz que teremos mais elementos do “além vida”, mais fantasmas, mais assombrações, mais ectoplasmas…

Maaaas… enquanto no primeiro quesito, o do legado, o filme se mostra excelente, no segundo, o “núcleo” dos fantasmas, já não é tão interessante! Inclusive é o ponto fraco do filme, principalmente no terceiro ato!

Dois terços do filme são pautados pela apresentação dos novos personagens, da cidade e dos mistérios que cercam o tal avô recluso “planta-lama”, mesmo que todos já saibamos de quais mistérios estamos falando! Aqui, o filme é impecável! Somos fisgados pelo carisma de todos os personagens, com destaque para a dupla Phoebe e Podcast! Dá vontade de ficar eternamente vendo a vida de todos, até o relacionamento atrapalhado entre o professor e a mãe!

No entanto, como é um filme de “caça fantasmas”, em algum momento precisa aparecer fantasmas para serem caçados! E até que demora muito! Mas quando aparece, dá aquela nostalgia pura e adrenalina divertida ver as crianças caçando pela cidade em um Ecto 01 todo enferrujado, mas mandando ver nas manobras! Pena que não tocou a musiquinha!

Já se aproximando do fim, é que vem o problema! A ameaça principal, tão alardeadamente colocada como arauto do fim do mundo, não passa a sensação de ser essa cocada toda! E o problema é justamente porque não há interação com a cidade! Se o filme tivesse mostrado um pouco desse tal apocalipse, com os moradores da cidade reagindo aos fantasmas, já seria suficiente! O que tem, é apenas uma piadinha na lanchonete! E só! Dessa forma, coisas que não incomodavam antes, como o Podcast de repente se tornar um expert em caça fantasmas e explicar tudo a todo momento, passa a incomodar!

Mesmo assim, todos os realizadores conseguiram entregar um filme muito divertido, com a cara da Sessão da Tarde, no sentido mais positivo da palavra, fazendo com que a gente saia do cinema já com saudade e querendo ver novamente aquela molecada caçando fantasmas mundo afora! E a homenagem no final faz qualquer um descer uma lágrima! Muito emocionante!

VI NO CINEMA: Eternos

Ando um pouco cansado dos filmes de super-heróis em geral. Talvez, por isso, a minha experiência com Eternos não tenha sido tão proveitosa quanto poderia ter sido. Ou talvez, justamente por isso, é que eu tenha enxergado certos aspectos que não veria caso ainda tivesse aquela empolgação e desprendimento de outrora!

Longe de mim querer que a adaptação em película seja igual ao que está no papel. Mas Eternos, por si só, deveria ser um espetáculo visual, a chance da Marvel de despirocar de vez nos conceitos cósmicos Kirbyanos, não apenas no que diz respeito ao que o Rei escreveu, mas também, e principalmente, ao que ele desenhou! Muitos dirão: “Ah, é porque isso ainda será mostrado nos próximos filmes!” Então… todo filme vigente da Marvel será mostrado nos próximos filmes! Entende o meu cansaço?

Ao escolher Chloé Zhao para dirigir o filme, a Marvel optou justamente pelo caminho contrário, preferindo o intimista ao grandioso! Talvez para distanciar-se de Guardiões da Galáxia, Guerra Infinita e Ultimato, quem sabe! Eternos tenta focar nos personagens e seus conflitos, ao invés de explorar a fundo os aspectos cósmicos! O espetáculo visual ainda está lá, nas belas cenas gravadas in loco, potencializadas por efeitos gráficos competentes! Mas isso, por si só, não sustenta a história!

Tem uma máxima na produção de roteiros que diz o seguinte: “Mostre, não fale”! A todo momento, os personagens estão descrevendo para o público quão grandiosos são os conceitos cósmicos, como se sentem, como se comportam, qual a sua relação uns com os outros e com o planeta Terra… Mas se isso não é mostrado, fica difícil ter alguma empatia! O pior é “perceber” claramente as intenções do roteiro de apresentar um por um dos personagens! Veja… é claro que o roteiro tem que apresentar os novos personagens! E, como roteirista, vou te dizer como é difícil fazer isso sem parecer “didático” e/ou “expositivo”! São raras as obras que fazem isso de forma orgânica, levando a trama adiante, sem que o público perceba as apresentações.

Aqui, a desculpa da separação da equipe e a desculpa para a reunião, parecem exatamente isso… apenas desculpas para o público conhecer aqueles heróis! Principalmente pelo péssimo aproveitamento dos antagonistas Deviantes, relegados a feras genéricas que não representam a menor ameaça para os poderosos Eternos e que, por isso, fica difícil de engolir que sejam o motivo para a reunião da equipe, séculos depois! Sem contar a “carta na manga” que tiram do nada, ao mostrar um Deviante absorvendo os poderes dos Eternos no tempo presente! Durante milênios, nunca fizeram isso! Agora, como é conveniente para o roteiro, do nada uma das feras começa a fazer isso! A desculpa? Os Deviantes “evoluem”, os Eternos, não! Mas os Deviantes “evoluídos” são também relegados a combates desnecessários, sem vida, sem empolgação! Vide o embate da Angelina Jolie no final, que só serve como easter egg de um relacionamento mostrado nos quadrinhos! Lembrei dos “Soldados Hidler”, dos Changeman, que convenientemente aparecem, levam uma “sofa” dos heróis e depois somem!

A impressão que Eternos passa, é que os heróis ficam o tempo todo correndo atrás do próprio rabo, com dilemas vazios verbalizados o tempo todo (e não mostrados) e antagonistas fracos! As cenas do “passado” parecem falsas, de tão plásticas! Focaram tanto no minimalismo, que “minimalizaram” demais! Pior mesmo são as “reviravoltas”! Não tinha outra forma mais criativa dos personagens descobrirem o real plano dos Celestiais, que não uma desculpa (mais uma) para a Sersi “conversar” com o Arishem e ele próprio contar tudo? De novo uma exposição didática? E sério mesmo que precisava de mais um “Super-homem” do mal?

No frigir dos ovos, Eternos apresenta uma enxurrada de conceitos cósmicos, amarra toda a cronologia da Marvel nos cinemas, mas como o faz de forma expositiva, não consegue passar a grandiosidade do que se propõe. Parece uma cartilha, não um filme! O único momento em que senti de verdade essa grandiosidade, foi com o “quase” despertar do Celestial da Terra. Mas, assim que me senti apequenado e amedrontado diante de algo tão grandioso, a ameaça logo “Sersi”! Foi mal pelo trocadilho infame!

O filme saiu da “formula Marvel” como muitos alardeiam? Mais ou menos… mais ou menos! Ainda estão lá os vilões sub-aproveitados e as reviravoltas rasas! Só que em “embalagem” mais autoral! Mas o pior mesmo são as cenas pós-créditos que, de novo, gritam na nossa cara: O MELHOR É SEMPRE O QUE ESTÁ POR VIR, NÃO O QUE ESTÁ AQUI AGORA! Pra mim, o que era o ponto positivo da Marvel (o universo integrado), começa a se mostrar um estorvo! Irei ao cinema ver os próximos? É provável! Escreverei aqui reclamando? Também!

VI NO CINEMA: Shang-Chi e a Lenda dos Dez Anéis

Não sei dizer se sou eu que estou cansando ou se os filmes estão ficando cansativos, mas “Shang-Chi e a Lenda dos Dez Anéis” é a prova cabal de que a Marvel precisa urgentemente começar a se mexer para apresentar ideias novas! Desde “Vingadores: Ultimato”, a única produção que realmente apresentou algo de novidade, foi a série “WandaVision”! De lá pra cá, foi tudo mais do mesmo, embora tenha sido empolgante ver o Capitão “Sam Wilson” América e um pouco divertido de assistir as peripécias de Loki. Mas os vícios que a própria Marvel criou nos cinemas estão todos lá!

A impressão que tenho, é que a Marvel está vivendo um círculo vicioso de “fanservices” e “cenas pós-créditos”. Algumas vezes, tudo ao mesmo tempo, como na fatídica luta livre do Abominável contra o Wong! É um fanservice que não contribui em nada para a trama e, pior, tira o expectador da história principal ao ficar imaginando o próximo filme em que se dará a continuidade explicação por trás daquela luta! Percebeu o que eu quis dizer? Esse é um mal que acomete todas as produções! Você não assiste ao filme vigente! Está sempre pensando no próximo!

Pra piorar, Shang-Chi tem uns furos de roteiros de dar dó no início do filme, como os tais pingentes que, se o pai dele tivesse usado um pouquinho de inteligência, perceberia que não precisava deles, já que tinha a solução no seu próprio calabouço; e o tal cartão postal, que serviu para juntar os irmão Shang-Chi e Xialing para… Para que mesmo? Já que o pai não precisava dos dois…

Fora que é difícil de imaginar um herói fazer frente a um artista marcial de mil anos, tendo treinado apenas dos 07 aos 14 anos! Não quero ser o chato do “no gibi não é assim”, mas sendo o chato, no gibi o Shang-Chi treinou a vida inteira! E só se rebela contra o pai quando adulto. Ou seja, é completamente plausível aceitar as suas habilidades impressionantes. Não é o caso do filme! Esse seria um detalhe que passaria batido, não fossem os problemas que relatei acima! E não vou nem falar da garota que treina arco e flecha por cinco minutos… No final, fica a impressão de que a Marvel mirou em “Kung Fu Panda” e em “Como Treinar o Seu Dragão”, mas não acertou nem em metade do carisma desses filmes, dando a sensação de algo requentado, ao invés de um filme feito em homenagem ao estilo Chinês! Se tivesse chamado a garota do arco e flecha dos cinco minutos pra atirar, talvez tivesse acertado o coração! Ah, e de “Lenda dos Dez Anéis” também não tem nada! Mas não se preocupe… tem uma cena pós-créditos que promete responder de onde vieram os anéis em um próximo filme!

WHAT IF…? Exercício de criatividade ou nada se cria, tudo se copia!

A série de gibis intitulada “What If…?” ou “O que aconteceria se…”, como ficou conhecida no Brasil, sempre foi um exercício de criatividade dos autores da Casa das Ideias. No entanto, nostalgias à parte, quase sempre esse “exercício” gerou histórias de medianas para fracas, com argumentistas e desenhistas novatos sendo “testados”! Quando moleque, eu costumava até brincar dizendo que sempre resultava em uma catástrofe no final, coisa que não se via no Universo Marvel “regular”. As melhores edições, são aquelas produzidas pelos autores dos títulos “normais”, como John Byrne (E se o Quarteto Fantástico não tivesse poderes?) e Frank Miller (E se a Elektra não tivesse morrido?), por exemplo!

Mesmo assim, é inegável que algumas das ideias testadas nesse título foram incorporadas posteriormente nos gibis regulares. Abaixo, listo alguns exemplos bem curiosos!

“E se o Hulk tivesse o cérebro de Bruce Banner?” Publicada na edição 02, a ideia foi incorporada por Bill Mantlo e Sal Buscema na fase pré-Guerras Secretas e pré-Saga da Encruzilhada!

“E se outras pessoas também tivessem sido mordidas pela aranha radioativa?” Os candidatos foram o Coronel John Jameson, Flash Tompson e Betty Brant. Anos depois, veríamos o Miles Morales e a Gwen Stacy como novos aracnídeos!

“E se o mundo descobrisse que o Demolidor é cego?” Tá, essa ideia é até meio óbvia e quicou no universo regular durante anos! Mas foi somente na longa fase escrita pelo Brian Michael Bendis que esse perrengue pegou de vez o Matt Murdock. Aliás, repercutiu até depois da saída do Bendis, nas fases do Brubaker e do Mark Waid!

“E se a Jane Foster tivesse erguido o martelo do Thor?” Acabou com a sua infância ver a Jane Foster, uma mulher, como a nova Thor, nerd careca de mais de quarenta anos? Pois saiba que, além de bem-vinda, essa ideia incorporada por Jason Aaron não foi nada nova!

“E se o Rick Jones tivesse se tornado o Hulk?” Logo após a saída do John Byrne do título do gigante ver… quer dizer… cinza, isso realmente aconteceu! O Hulk havia sido separado do corpo do Bruce Banner, mas o dois estavam morrendo e precisavam ser “juntados” o quanto antes! Acontece que o Rick Jones acidentalmente caiu no tanque de reintegração e, dali, saiu um Hulk Banner Cinza e um Hulk Jones Verde!

“E se o Conan viesse para os dias atuais?” Mais um da série “ain, acabou com a minha infância” para alguns nerds bocós! Assim que o Conan voltou para a Marvel, após um período na Dark Horse, a Casa das Ideias lançou o título “Vingadores Selvagens” com o Conan fazendo parte da equipe nos dias atuais, como uma espécie de despedida do Mike Deodato, que queria desenhar os “porradeiros” em seu último trabalho! Ah, como curiosidade, tivemos também um “E se” do “E se”, quando saiu o famigerado “E se o Conan tivesse ficado preso no século vinte?”.

“E se a Fênix não tivesse morrido?” Hoje em dia é arroz de festa a Jean Grey ressuscitar! Mas a sua primeira volta, digamos assim, se deu na estreia do grupo X-Factor, que contava com todos os X-men originais e não podia ficar sem a sua “Garota Marvel”!

“E se o Clone do Aranha não tivesse morrido?” Preciso dizer mais alguma coisa? Saga do… cof! cof!… Clone!!

Por fim, fica aquela dica marota: se você for contratado para trabalhar como roteirista da Marvel e não tiver ideia nenhuma do que fazer, sempre vale a pena dar aquela vasculhada no “lixo” de “What If…?”! Vai que cola?

VI NO CINEMA: O Esquadrão Suicida

O Esquadrão Suicida não tem nada de mais! Mas tem James Gunn no comando, o que já é a melhor coisa que o filme poderia ter! O diretor pega um punhado de vilões de décima quinta categoria do universo DC, se inspira na melhor fase da equipe nos quadrinhos (aquela produzida por John Ostrander e Luke Mcdonnell) e entrega o filme mais divertido e porradeiro da DC dos últimos tempos!

Assim como nas HQs de Ostrander/Mcdonnell, aqui o enredo acertadamente não perde tempo com os “comos” e “por quês”, e muito menos em entrelaçar com outros filmes (passados ou futuros), e já parte pra ação da missão do dia em um país chamado Corto Maltese, como em uma segunda-feira normal para os comandados da (ótima) Amanda Waller! A meu ver, este é o principal ponto positivo da trama! Como é bom voltar a assistir a um filme de super-heróis fechadinho, sem ter que se preocupar com o que veio antes ou virá depois! O expectador pode, enfim, voltar a se concentrar apenas na história vigente!

Outro ponto positivo é a forma como James Gunn trabalha os personagens e faz nos importar com cada um deles, mesmo os mais insignificantes! E olha que tem bastante, viu? A Arlequina nunca esteve tão bem, linda, maravilhosa, poderosa e sexy, sem apelar em momento algum para a hipersexualização ou a sensualização gratuita (em momento algum tem enquadramentos constrangedores sobre a moça)! Outro personagem que se destaca, é o Pacificador, unanimemente transformado naquele escroto que adoramos odiar! Ao final do filme, fiquei com uma pontinha de esperança de ver uma “Liguinha” nos cinemas, com um embate entre Pacificador e Guy Gardner (com direção de James Gunn, claro!). Outros que chamam a atenção, são a Caça-Ratos II e o Tubarão Rei, o “coração” da equipe! Por fim, o Sanguinário e o Homem das Bolinhas também dão o seu show! E que show!

O aparentemente simples roteiro do filme ainda consegue nos pregar algumas peças! Por isso, espere o inesperado em relação à sobrevivência dos personagens! Afinal, este é verdadeiramente o Esquadrão Suicida! Ah, destaco também a criatividade de algumas idas e vindas temporais nos acontecimentos e os “subtítulos” no decorrer da história, como se fosse uma minissérie em quadrinhos dividida em capítulos!

Por falar em quadrinhos, quer vilão mais “gibi” do que o Starro? Apesar da superexposição nos diversos trailers, a aparição de Starro ainda consegue causar espanto! Eu mesmo preferi assistir a somente um trailer, para manter as surpresas e potencializar as surpresas. E funcionou! James Gunn consegue até mesmo dar “humanidade” a uma estrela-do-mar alienígena, vejam só!

No frigir dos ovos, em meio ao mais do mesmo nos filmes de “supers”, O Esquadrão Suicida traz um certo frescor, mesmo tendo um enredo deveras clichê! Mas como é bem trabalhado por uma mente muito criativa, diverte e nos faz pedir por mais! E fica aqui a minha torcida para um novo filme da Liga da Justiça (Internacional), mas dessa vez com Besouro Azul, Gladiador Dourado, Gui Gardner, Shazam, Fogo, Gelo, Canário Negro, Senhor Milagre, Oberon e… Ajax e Batman! Pena que estragaram o Max Lord em Mulher-Maravilha 1984! Mas como os filmes da DC agora não se “amarram”, fica a torcida!

VI NO CINEMA: Viúva Negra

É notório que este filme saiu atrasado! Não apenas por causa da pandemia, mas também porque a Scarlett Johansson já merecia faz tempo o seu filme solo! Por outro lado, esse duplo atraso beneficiou a experiência cinematográfica, pelo menos para mim! Como é um filme “deslocado” da ordem cronológica de lançamentos da Marvel (veio depois de Ultimato, mas a história passa-se após Guerra Civil), consegui assistir como um filme fechado, sem me importar muito com o que veio antes, nem com o que virá depois! Com isso, a história ganhou muito em emoção e empolgação! Mais até do que Capitã Marvel, que teve lançamento similar, passando-se antes na linha cronológica narrativa, mas tendo sido lançado depois!

É chover no molhado falar como a Scarlett é ótima como Viúva Negra! É uma daquelas atrizes (e atores) que entraram pro roll dos que “nasceram para esse personagem”! Outro grande brilho do filme, é a Florence Pugh, que entrega uma carismática (e fodona, e cínica, e danada!) Yelena Belova, que nos deixa com um gostinho de “quero mais”, mostrando que a passagem de bastão entre Viúvas Negras está em boas mãos. A Marvel, nesse quesito, não ficou viúva da personagem (ba-dum-tissss), muito embora fiquemos com uma pontinha de lágrima nos olhos de saudade da Scarlett!

Outro ponto bacana é o Guardião Vermelho do David Harbour! Não pela sua relevância na trama (tire-o da equação e a história segue normalmente), mas pela sua veia cômica e sentimental de paizão (a la “Senhor Incrível”), que nos faz rir e querer chorar ao mesmo tempo! Inclusive, algumas piadinhas em torno dele me fez querer ver mais desse lado “Russo” da Marvel (Ursa Maior e Dínamo Escarlate… a equipe “Super-soldados Russos”, quem sabe?).

Como pontos negativos, destaco a Rachel Weisz, não por ela, mas pelo enredo, que a construiu como uma personagem que nem fede, nem cheira! Aliás, padecem desse mal os vilões, o Grande Chefão da Sala Vermelha (cujo nome eu esqueci!), que é muito burro para quem manipulou tantas garotas/mulheres ao longo das décadas; e o Treinador, que à priori aparece arrasando, mas depois protagoniza uma reviravolta a la “Mandarim de Homem de Ferro 3” que chega a dar dó de tamanho desperdício de personagem em prol de uma reviravolta “impactante” (com muitas aspas em impactante!). Não por acaso, a parte mais fraca do filme é a sua resolução, justamente o ponto em que precisaria de antagonistas fortes para segurar o tranco, tanto intelectual, quanto fisicamente!

Por fim, entre mortos e feridos, esse filme solo da nossa querida Viúva Negra faz jus à personagem, com momentos sentimentais e cenas de ação de tirar o fôlego! É um bom epílogo e despedida digna para a Scarlett Johansson! Certamente assistirei novamente… tão logo esteja disponível “de grátis” no Disney+!

ELIZA, A ELFA LOUCA MERCENÁRIA SEM CORAÇÃO!

Mais ou menos por volta de 2011-2012, em uma das várias turmas do Curso de Mangá que ministrei no Senac Ceará, aproveitei as aulas para criar uma personagem como forma de demonstração aos alunos. A ideia era participar do mesmo processo criativo a que a turma estava passando no decorrer do curso. Além de ter sido um recurso didático muito divertido e proveitoso, essa brincadeira rendeu-me a Eliza! Na ocasião, a exemplo dos alunos, criei uma pequena história de quatro páginas para a personagem. Com ordem de leitura oriental e tudo! Pena que só consegui arte-finalizar a primeira página, já que eu tinha que orientar os projetos dos meus queridos alunos! Dá só uma olhada como ficou:

Sobre a personagem, Eliza é uma implacável caçadora de recompensas com a má fama de ser a “elfa louca mercenária sem coração”, apelido provavelmente adquirido pelo seu mau humor e ferocidade com que cumpre suas demandas. Eliza é extremamente ambiciosa e não se preocupa com nada além de obter suas recompensas.

Passado mais algum tempo, me apaixonei tanto pela personagem, que resolvi expandir a antiga história de quatro páginas em um conto intitulado “As Ruínas de Angoera”. No conto, Eliza empreende uma caçada a um criminoso orc, quando se depara com um ladrão galanteador humano, de nome Julio, que aparenta estar com o mesmo objetivo. Depois de uma acirrada disputa para ver quem captura o orc, no qual Eliza sagra-se bem-sucedida, o humano lança uma proposta tão tentadora quanto perigosa à ambiciosa elfa: partir à procura de um valioso tesouro guardado por uma terrível criatura sobrenatural conhecida pela alcunha de Angoera.

Em 2013 resolvi transformar esse conto em Mangá, dessa vez com ordem de leitura ocidental! Mas acabei deixando de lado por conta de outros afazeres profissionais. Cheguei a desenhar algumas páginas e arte-finalizar outras poucas. O resultado você confere abaixo:

Agora em 2021, tenho a imensa alegria de anunciar que o mangá “As Ruínas de Angoera” vai finalmente sair do papel! Ou melhor, vai entrar no papel, já que vou retomar os desenhos! E vou recomeçar tudo do zero, já que não desenho mais do mesmo jeito que em 2013! Será na ordem de leitura ocidental! Para não correr o risco de morrer na praia, dessa vez vou desenhar aos poucos, apenas uma página por semana, para não conflitar com o meu trabalho na Mauricio de Sousa Produções. E você vai poder conferir tudo isso, semana a semana, aqui mesmo, a partir de abril!

50 GIBIS QUE MARCARAM A MINHA VIDA – PARTE 2

Continuando com a lista de gibis que “marcaram a minha vida”, vamos para mais dez edições. Procurei puxar pela memória, evitando ao máximo recorrer à internet. Por isso, não repare caso os dados estejam errados ou imprecisos. Os gibis não aparecem em ordem cronológica de publicação, apenas seguem uma ordem (mais ou menos) cronológica em que chegaram às minhas mãos. Dito isso, vamos mergulhar na nostalgia mais uma vez!

11 – SUPERAMIGOS 13

Esta provavelmente foi a primeira Superamigos que peguei! Marcou pela capa icônica e pela Liga da Justiça do George Pérez. Não lembro se já conhecia o traço do Pérez, mas lembro que fiquei muito impactado com a riqueza de detalhes. Outra hq que me marcou, foi a do Batman, que trazia o Cara de Barro II (acho!) com uma armadura que achei sensacional!

12 – HOMEM-ARANHA 44

O primeiro gibi “Homem-Aranha” que li foi este! Na lista passada, citei a primeira “A Teia do Aranha”! Lembro com carinho dessa edição, porque foi aqui que conheci a Gata Negra e, de cara, já adorei! Que me perdoem os fãs da Gwen Stacy e da Mary Jane, mas, pra mim, o melhor casal é Peter Parker e Felícia Hardy! Outro fato que marcou, foi a estreia do Quarteto Fantástico do John Byrne! Eu já conhecia o quarteto do mestre que saiu no Grandes Heróis Marvel 12! Mas aqui, o traço não tinha o peso da arte-final do Joe Sinnott e o desenho do Byrne estava no auge! Fora que a história é sensacional, com o quarteto enfrentando criaturas elementais criadas pelo Diablo!

13 – HOMEM-ARANHA 114

E mais cabeça de teia na lista! Este gibi foi um presente de Natal! O primeiro gibi de super-herói (e do aranha) que comprei em uma banca! Como não acompanhava nada mensal por falta de grana, eu não fazia ideia do que estava acontecendo com os personagens! Assim, foi um choque quando vi essa capa e o traço do Todd McFarlane! Adorei tudo! Como tudo o que eu pegava, de uma maneira ou de outra, acabava influenciando nos meus desenhos, passei a emular o McFarlane no meu personagem “principal” (que antes sofria influência do Jaspion!).

14 – SUPERAVENTURAS MARVEL 02

Não sei exatamente se essa foi a primeira SAM que tive, mas com certeza foi a primeira vez que li o Demolidor do Frank Miller, mesmo que aqui ele só estivesse desenhando! E quer melhor primeira vez, do que em uma história em que o homem sem medo enfrenta logo de cara o meu personagem preferido, o Incrível Hulk? Nem preciso dizer que reli diversas vezes! Foi aqui também que li pela primeira vez a sensacional “A filha do gigante de gelo” protagonizada pelo Conan! Infelizmente não tenho mais esse exemplar! Mas um dia eu recupero!

15 – GRANDES HERÓIS MARVEL 07

Também não sei precisar se este foi o meu primeiro GHM e nem se foi o meu primeiro contato com os “Xis-men”, mas a minha mente tratou de catalogar esse momento como o início de tudo! E como gostei dessa história! Não fazia ideia de que havia um porrilhão de capítulos que antecediam esse momento. E, pra ser franco, nem me preocupava com isso! Só devorei os três capítulos derradeiros da Fênix e pronto!

16 – O INCRÍVEL HULK 61

Por falar em personagem preferido, olha aí o Hulk mais uma vez na lista! Como já mencionei, “naquele tempo” a molecada não acompanhava mensalmente os gibis. Ia lendo o que pegava. Era raro estar atualizado com os acontecimentos! Então era comum pegar o “bonde andando”! E não foi diferente com essa edição! Imagine um pivete acostumado ao Hulk verde “esmaga homenzinhos” que se transforma quando o Bruce Banner fica com raiva! Agora imagine esse pivete pegar um gibi em que o Hulk está bestial, animalesco, mudo, sem falar, apenas rosnar, vivendo aventuras em mundos fantásticos ao lado de criaturas mágicas e, ainda por cima, com uma capa sensacional do Mike Mignola! Ah, e com uma arte do Sal Buscema (de quem sempre fui fã) diferente, cheia de hachuras, com arte-final do Gerry Talaoc! Adorei tudo isso! Foi o meu primeiro contato com a Saga da Encruzilhada! Para você ver que mudanças no status quo dos personagens sempre existiram e a gente adorava. Mas hoje em dia a galera chia por qualquer mudancinha como se o mundo fosse acabar!

17 – CRISE NAS INFINITAS TERRAS 02

Por falar em “pegar o bonde andando”, este foi o meu primeiro contato com a grande saga da DC! Claro que eu não conhecia nem 10% dos personagens “pintados de roxo” que apareciam nas páginas desse gibi! E, claro, que eu não me importava nem um pouco com isso! Lembro que eu lia em voz alta junto com um amigo como se estivéssemos assistindo a um filme! E a cena derradeira da Supergirl? Que momento! Ah, depois desse gibi, passei a emular os layouts do Pérez em meus gibis de folha de caderno! Tudo influenciava os meus desenhos!

18 – RAÇA DAS TREVAS 01

Por falar em “influência”, já mencionei que eu era fã de filmes de terror quando adolescente! Cheguei até a fazer vários gibis de folha de caderno para o filme Sexta-Feira 13! Aliás, era difícil achar um moleque que não gostasse de filmes de terror. O mesmo amigo que lia comigo a “Crise 02”, foi quem arrumou emprestada a minissérie Raça das Trevas! E, claro, lemos em voz alta como se fosse um filme! E que filme! Depois disso, claro que passei a fazer gibis baseados em Raça das Trevas!

19 – O INCRÍVEL HULK 113

Chegando ao final dessa lista, não poderia faltar mais… Hulk! Este foi o meu primeiro contato com o Hulk Cinza! Como assim… o Hulk está cinza? Detestei? Claro que não! E como assim o Hulk está falando direito? Adorei! E como assim o Hulk está de… terno? E procurando encrenca com motoqueiros em Las Vegas? Cadê a Encruzilhada? Não sei dizer o que acontecia naquela época, mas eu me empolgava com tudo! Então, nem preciso dizer que gostei bastante do Senhor Tira-Teima! Esta passou a ser a minha edição favorita dessa fase do gigante ver… ops… cinza como leão de chácara! Depois eu viria a conhecer o Hulk Cinza do McFarlane, mas isso é assunto para outra lista!

20 – GRAPHIC MARVEL 01

Para finalizar, vamos de mais Hulk! Naquela época (isso já está ficando repetitivo, eu sei!), praticamente só existiam os formatinhos de papel jornal e cores chapadas! Mesmo as edições de “luxo” eram difíceis de cair nas mãos da molecada pelo alto preço (e você achando que tudo era comprado com troco de pão, né?). Só víamos essas revistas mais elaboradas nos anúncios de quarta-capa dos formatinhos! Foi nesse contexto que tive contato com a série Graphic Marvel! E logo com a primeira edição! Preciso dizer que pirei no encontro do meu personagem favorito com o Coisa? E com esse desenho fabuloso do Berni Wrightson e cores de explodir o cérebro! Morri de rir em todas as vezes que li essa história criada pelo Jim Starlin! Tenho falas decoradas até hoje! Muito bom mesmo!

E, assim, chegamos ao fim da segunda parte.

Leia também a PARTE UM!

Imagens extraídas do Guia dos Quadrinhos!

O QUE ANDEI LENDO: ESCREVENDO PARA QUADRINHOS de Brian Michael Bendis

O livro do Brian Michael Bendis, publicado por estas paragens pela Editora Martins Fontes, não tem a pretensão de reinventar a roda e muito menos de redescobrir a pólvora no quesito produção de roteiros para quadrinhos. À priori, o aspecto básico e “mais do mesmo” do conteúdo pode ser um pouco frustrante para o roteirista já inserido no mercado que comprou o livro esperando descobrir os “segredos sobre como escrever igual ao Bendis”! Por outro lado, o livro é ideal para quem está iniciando, justamente por focar nos quesitos mais básicos!

Bendis prefere seguir uma narrativa de bate-papo franco sobre a sua experiência e o seu processo criativo, ao invés de produzir um manual técnico. A meu ver, ele acertou em cheio nessa abordagem!

Um roteiro é formado por, pelo menos, dois pilares: a forma e o conteúdo! A forma abrange a maneira como o roteiro será escrito! No caso dos quadrinhos, pode ser através de um argumento prévio (também conhecido como “método Marvel”) ou em formato de script (chamado no livro de “roteiro completo”). Bendis dá ótimos exemplos sobre os dois formatos. Inclusive, deixa claro que, no caso dos quadrinhos, não existe uma forma “certa”, como no cinema e na TV. Cada roteirista tem a sua forma de escrever ou irá desenvolver a partir de uma base. Bendis também deixa claro que o propósito do seu livro não é ensinar a como escrever como ele! A ideia é que cada um desenvolva a sua voz própria, já que, se uma editora quiser contratar alguém que escreva igual ao Bendis, terá o próprio autor à disposição, ao invés de uma cópia! É nesse ponto que o conteúdo faz a diferença!

Manuais técnicos sobre como escrever roteiros, você encontra aos montes pelo mercado! Mas é no conteúdo que essa parte técnica se destacará… ou não! Não adianta nada o roteirista devorar inúmeros livros técnicos, se não souber como preencher os seus roteiros! Bendis deixa isso bem claro! É preciso ter uma bagagem para escrever! O Bendis só escreve como Bendis por conta da bagagem que tem! É a sua experiência de vida, leitura, vivência e pesquisa que constrói o conteúdo dos roteiros! O roteirista precisa ler muito para poder escrever muito! De preferência todos os dias, mesmo que ainda não tenha tanta bagagem! Não é à toa que existe aquele ditado “a prática leva à perfeição”! Com roteiro – e desenho – não é diferente!

Outro ponto positivo do livro são as entrevistas com vários profissionais do mercado. Desenhistas, outros roteiristas e editores que falam sobre as suas experiências, dão os seus pontos de vista sobre como lidar com os roteiros, quais as dificuldades, quais as virtudes, o que se espera de um roteirista (iniciante ou veterano) e por aí vai! Esse conteúdo é riquíssimo e abre os olhos para questões que provavelmente muita gente nunca havia parado para pensar, como o fato de que os roteiros são escritos para os desenhistas, não para o público! Como bônus, tem uma entrevista com a esposa e administradora do Bendis que revela muito da parte chata do negócio, que é tratar a sua produção como uma empresa!

Escrevendo para Quadrinhos pode não ser um livro técnico sobre roteiros e nem se destacar em meio a tantos outros livros sobre o tema! Mas a imensa galeria de profissionais de quadrinhos que o livro traz, revelando pontos importantes sobre o mercado, já compensa tê-lo na prateleira da estante para consulta constante. E como o próprio Bendis fala, foi preciso convidar um monte de gente para que o livro pudesse sequer estar ao lado do Will Eisner e Scott McCloud na estante! Ele está certo!

O QUE ANDEI LENDO: BOX AQUAMAN

A Panini aproveitou para “surfar na onda” do lançamento do filme do Aquaman e colocou à venda no final de 2018 um box contendo toda a trajetória do Rei da Atlântida sob a batuta de Geoff Johns nos famigerados “Novos 52”! A caixa contém, em ordem de leitura, os encadernados “Liga da Justiça: Origem”; “Aquaman: As profundezas”; “Aquaman: Os Outros”; “Liga da Justiça: O trono da Atlântida” e “Aquaman: A morte de um Rei”! Todos em capa cartonada. Os desenhos ficaram por conta de Jim Lee, Ivan Reis e Paul Pelletier, além de outros convidados.

O que posso dizer, logo de cara, é que o Geoff Johns passa a impressão de ter dupla personalidade! Na Liga da Justiça, seu texto é truncado, fragmentado, enfadonho e cheio de clichês absurdos, como na parte em que o Batman e o Lanterna Verde decidem ir até Metropólis para confrontar o Superman apenas por ele ser um alienígena (como os parademônios)! E, claro, chegando lá, o Superman também acabou de enfrentar (coincidentemente) os asseclas do Darkseid e vai pra cima do homem morcego e do Hal Jordan! Já no Aquaman, seu texto é redondinho, cheio de boas sacadas, aventuresco e agradável de se ler! Dá vontade de devorar as páginas e ver até onde o Arthur Curry vai parar!

A diferença entre os dois títulos também é sentida na arte. Na Liga da Justiça, o traço do Jim Lee é até bonito, mas parece corrido e desproporcional. Não ajuda muito os novos designs dos uniformes, cheios de firulas que não servem para nada, apenas para dar dor de cabeça aos desenhistas dos títulos solo dos personagens! A impressão que se tem, é que o Jim Lee é um péssimo character designer, daqueles que pega algo pronto e sai rabiscando linhas a esmo só para pagar de detalhista! Deviam ter chamado o veterano mestre José Luis Garcia-López para essa função! Do jeito que ficou, está com cara de Image Comics da década de 1990!

Já no Aquaman, os uniformes do herói e da Mera dão gosto de ver, de tão elegantes que são! Dá para sentir o constrangimento do Ivan Reis em ter que seguir (mais ou menos) o visual estabelecido pelo “chefe”. Mas, assim como a elegância de seu traço, o Reis elegantemente dá um chega para lá no visual “Image” e mostra uma proposta anos-luz de distância em termos de qualidade! Sem falar que o seu traço é muito mais consistente do que o do Jim Lee. No segundo encadernado da Liga de Justiça, o Lee sai de cena e o Ivan Reis assume o título da superequipe, sendo substituído em Aquaman pelo Paul Pelletier, que não tem o mesmo nível do Reis, mas consegue segurar a peteca e entregar um feijão com arroz bem competente. No último volume de Aquaman (A morte de um rei), Pelletier chega a impressionar com algumas cenas de panorâmicas!

Sobre os enredos, é o que eu já falei: no título da Liga da Justiça, Johns parece não saber o que fazer ao contar as origens da equipe. O ponto positivo é a inclusão do Ciborgue! Para quem é fã dos Novos Titãs (como é o meu caso), pode ficar com um pé atrás! Mas como o Victor Stone é o único personagem bem trabalhado, acaba ganhando uma relevância bem interessante de se ver. Se não fosse por essa armadura genérica… Pelo menos ficou melhor desenhada pelo Ivan Reis! No título do Aquaman, o enredo está melhor estruturado e acompanhamos a trajetória de Arthur Curry pós-recusa do reinado da Atlântida. Quem está no trono é o seu irmão Orm! Quem dá as caras também são “Os Outros”, antiga equipe de Aquaman, e o vilão Arraia Negra! Além dos impressionantes habitantes do Fosso!

Quando os títulos se encontram em “O Trono da Atlântida”, as histórias da Liga da Justiça dão uma leve melhorada. Como eu disse, parecem ser dois Geoff Johns, e ambos têm uma certa dificuldade em realizar o crossover, dadas as inconsistências nas linhas cronológicas dos enredos! Até o uniforme do Aquaman fica inconsistente, já que no gibi da Liga era de um jeito e no do Rei dos Setes Mares, de outro! Mas o Ivan Reis consegue segurar o tranco, seguido fielmente pelo Paul Pelletier! Quando entra o Tony Daniel… xiiii!

São mais de 800 páginas de quadrinhos que li voando! Apesar de ser uma leitura mais truncada na Liga da Justiça, o gibi do Aquaman foi devorado em um piscar de olhos, tamanha a diversão dos enredos! O Rei dos Sete Mares entra no hall das boas coisas dos Novos 52, ao lado da Mulher-Maravilha, Action Comics, Batman e Flash! Já Liga da Justiça…

Imagens extraídas do site da Panini.