50 GIBIS QUE MARCARAM A MINHA VIDA – PARTE 2

Continuando com a lista de gibis que “marcaram a minha vida”, vamos para mais dez edições. Procurei puxar pela memória, evitando ao máximo recorrer à internet. Por isso, não repare caso os dados estejam errados ou imprecisos. Os gibis não aparecem em ordem cronológica de publicação, apenas seguem uma ordem (mais ou menos) cronológica em que chegaram às minhas mãos. Dito isso, vamos mergulhar na nostalgia mais uma vez!

11 – SUPERAMIGOS 13

Esta provavelmente foi a primeira Superamigos que peguei! Marcou pela capa icônica e pela Liga da Justiça do George Pérez. Não lembro se já conhecia o traço do Pérez, mas lembro que fiquei muito impactado com a riqueza de detalhes. Outra hq que me marcou, foi a do Batman, que trazia o Cara de Barro II (acho!) com uma armadura que achei sensacional!

12 – HOMEM-ARANHA 44

O primeiro gibi “Homem-Aranha” que li foi este! Na lista passada, citei a primeira “A Teia do Aranha”! Lembro com carinho dessa edição, porque foi aqui que conheci a Gata Negra e, de cara, já adorei! Que me perdoem os fãs da Gwen Stacy e da Mary Jane, mas, pra mim, o melhor casal é Peter Parker e Felícia Hardy! Outro fato que marcou, foi a estreia do Quarteto Fantástico do John Byrne! Eu já conhecia o quarteto do mestre que saiu no Grandes Heróis Marvel 12! Mas aqui, o traço não tinha o peso da arte-final do Joe Sinnott e o desenho do Byrne estava no auge! Fora que a história é sensacional, com o quarteto enfrentando criaturas elementais criadas pelo Diablo!

13 – HOMEM-ARANHA 114

E mais cabeça de teia na lista! Este gibi foi um presente de Natal! O primeiro gibi de super-herói (e do aranha) que comprei em uma banca! Como não acompanhava nada mensal por falta de grana, eu não fazia ideia do que estava acontecendo com os personagens! Assim, foi um choque quando vi essa capa e o traço do Todd McFarlane! Adorei tudo! Como tudo o que eu pegava, de uma maneira ou de outra, acabava influenciando nos meus desenhos, passei a emular o McFarlane no meu personagem “principal” (que antes sofria influência do Jaspion!).

14 – SUPERAVENTURAS MARVEL 02

Não sei exatamente se essa foi a primeira SAM que tive, mas com certeza foi a primeira vez que li o Demolidor do Frank Miller, mesmo que aqui ele só estivesse desenhando! E quer melhor primeira vez, do que em uma história em que o homem sem medo enfrenta logo de cara o meu personagem preferido, o Incrível Hulk? Nem preciso dizer que reli diversas vezes! Foi aqui também que li pela primeira vez a sensacional “A filha do gigante de gelo” protagonizada pelo Conan! Infelizmente não tenho mais esse exemplar! Mas um dia eu recupero!

15 – GRANDES HERÓIS MARVEL 07

Também não sei precisar se este foi o meu primeiro GHM e nem se foi o meu primeiro contato com os “Xis-men”, mas a minha mente tratou de catalogar esse momento como o início de tudo! E como gostei dessa história! Não fazia ideia de que havia um porrilhão de capítulos que antecediam esse momento. E, pra ser franco, nem me preocupava com isso! Só devorei os três capítulos derradeiros da Fênix e pronto!

16 – O INCRÍVEL HULK 61

Por falar em personagem preferido, olha aí o Hulk mais uma vez na lista! Como já mencionei, “naquele tempo” a molecada não acompanhava mensalmente os gibis. Ia lendo o que pegava. Era raro estar atualizado com os acontecimentos! Então era comum pegar o “bonde andando”! E não foi diferente com essa edição! Imagine um pivete acostumado ao Hulk verde “esmaga homenzinhos” que se transforma quando o Bruce Banner fica com raiva! Agora imagine esse pivete pegar um gibi em que o Hulk está bestial, animalesco, mudo, sem falar, apenas rosnar, vivendo aventuras em mundos fantásticos ao lado de criaturas mágicas e, ainda por cima, com uma capa sensacional do Mike Mignola! Ah, e com uma arte do Sal Buscema (de quem sempre fui fã) diferente, cheia de hachuras, com arte-final do Gerry Talaoc! Adorei tudo isso! Foi o meu primeiro contato com a Saga da Encruzilhada! Para você ver que mudanças no status quo dos personagens sempre existiram e a gente adorava. Mas hoje em dia a galera chia por qualquer mudancinha como se o mundo fosse acabar!

17 – CRISE NAS INFINITAS TERRAS 02

Por falar em “pegar o bonde andando”, este foi o meu primeiro contato com a grande saga da DC! Claro que eu não conhecia nem 10% dos personagens “pintados de roxo” que apareciam nas páginas desse gibi! E, claro, que eu não me importava nem um pouco com isso! Lembro que eu lia em voz alta junto com um amigo como se estivéssemos assistindo a um filme! E a cena derradeira da Supergirl? Que momento! Ah, depois desse gibi, passei a emular os layouts do Pérez em meus gibis de folha de caderno! Tudo influenciava os meus desenhos!

18 – RAÇA DAS TREVAS 01

Por falar em “influência”, já mencionei que eu era fã de filmes de terror quando adolescente! Cheguei até a fazer vários gibis de folha de caderno para o filme Sexta-Feira 13! Aliás, era difícil achar um moleque que não gostasse de filmes de terror. O mesmo amigo que lia comigo a “Crise 02”, foi quem arrumou emprestada a minissérie Raça das Trevas! E, claro, lemos em voz alta como se fosse um filme! E que filme! Depois disso, claro que passei a fazer gibis baseados em Raça das Trevas!

19 – O INCRÍVEL HULK 113

Chegando ao final dessa lista, não poderia faltar mais… Hulk! Este foi o meu primeiro contato com o Hulk Cinza! Como assim… o Hulk está cinza? Detestei? Claro que não! E como assim o Hulk está falando direito? Adorei! E como assim o Hulk está de… terno? E procurando encrenca com motoqueiros em Las Vegas? Cadê a Encruzilhada? Não sei dizer o que acontecia naquela época, mas eu me empolgava com tudo! Então, nem preciso dizer que gostei bastante do Senhor Tira-Teima! Esta passou a ser a minha edição favorita dessa fase do gigante ver… ops… cinza como leão de chácara! Depois eu viria a conhecer o Hulk Cinza do McFarlane, mas isso é assunto para outra lista!

20 – GRAPHIC MARVEL 01

Para finalizar, vamos de mais Hulk! Naquela época (isso já está ficando repetitivo, eu sei!), praticamente só existiam os formatinhos de papel jornal e cores chapadas! Mesmo as edições de “luxo” eram difíceis de cair nas mãos da molecada pelo alto preço (e você achando que tudo era comprado com troco de pão, né?). Só víamos essas revistas mais elaboradas nos anúncios de quarta-capa dos formatinhos! Foi nesse contexto que tive contato com a série Graphic Marvel! E logo com a primeira edição! Preciso dizer que pirei no encontro do meu personagem favorito com o Coisa? E com esse desenho fabuloso do Berni Wrightson e cores de explodir o cérebro! Morri de rir em todas as vezes que li essa história criada pelo Jim Starlin! Tenho falas decoradas até hoje! Muito bom mesmo!

E, assim, chegamos ao fim da segunda parte.

Leia também a PARTE UM!

Imagens extraídas do Guia dos Quadrinhos!

O QUE ANDEI LENDO: ESCREVENDO PARA QUADRINHOS de Brian Michael Bendis

O livro do Brian Michael Bendis, publicado por estas paragens pela Editora Martins Fontes, não tem a pretensão de reinventar a roda e muito menos de redescobrir a pólvora no quesito produção de roteiros para quadrinhos. À priori, o aspecto básico e “mais do mesmo” do conteúdo pode ser um pouco frustrante para o roteirista já inserido no mercado que comprou o livro esperando descobrir os “segredos sobre como escrever igual ao Bendis”! Por outro lado, o livro é ideal para quem está iniciando, justamente por focar nos quesitos mais básicos!

Bendis prefere seguir uma narrativa de bate-papo franco sobre a sua experiência e o seu processo criativo, ao invés de produzir um manual técnico. A meu ver, ele acertou em cheio nessa abordagem!

Um roteiro é formado por, pelo menos, dois pilares: a forma e o conteúdo! A forma abrange a maneira como o roteiro será escrito! No caso dos quadrinhos, pode ser através de um argumento prévio (também conhecido como “método Marvel”) ou em formato de script (chamado no livro de “roteiro completo”). Bendis dá ótimos exemplos sobre os dois formatos. Inclusive, deixa claro que, no caso dos quadrinhos, não existe uma forma “certa”, como no cinema e na TV. Cada roteirista tem a sua forma de escrever ou irá desenvolver a partir de uma base. Bendis também deixa claro que o propósito do seu livro não é ensinar a como escrever como ele! A ideia é que cada um desenvolva a sua voz própria, já que, se uma editora quiser contratar alguém que escreva igual ao Bendis, terá o próprio autor à disposição, ao invés de uma cópia! É nesse ponto que o conteúdo faz a diferença!

Manuais técnicos sobre como escrever roteiros, você encontra aos montes pelo mercado! Mas é no conteúdo que essa parte técnica se destacará… ou não! Não adianta nada o roteirista devorar inúmeros livros técnicos, se não souber como preencher os seus roteiros! Bendis deixa isso bem claro! É preciso ter uma bagagem para escrever! O Bendis só escreve como Bendis por conta da bagagem que tem! É a sua experiência de vida, leitura, vivência e pesquisa que constrói o conteúdo dos roteiros! O roteirista precisa ler muito para poder escrever muito! De preferência todos os dias, mesmo que ainda não tenha tanta bagagem! Não é à toa que existe aquele ditado “a prática leva à perfeição”! Com roteiro – e desenho – não é diferente!

Outro ponto positivo do livro são as entrevistas com vários profissionais do mercado. Desenhistas, outros roteiristas e editores que falam sobre as suas experiências, dão os seus pontos de vista sobre como lidar com os roteiros, quais as dificuldades, quais as virtudes, o que se espera de um roteirista (iniciante ou veterano) e por aí vai! Esse conteúdo é riquíssimo e abre os olhos para questões que provavelmente muita gente nunca havia parado para pensar, como o fato de que os roteiros são escritos para os desenhistas, não para o público! Como bônus, tem uma entrevista com a esposa e administradora do Bendis que revela muito da parte chata do negócio, que é tratar a sua produção como uma empresa!

Escrevendo para Quadrinhos pode não ser um livro técnico sobre roteiros e nem se destacar em meio a tantos outros livros sobre o tema! Mas a imensa galeria de profissionais de quadrinhos que o livro traz, revelando pontos importantes sobre o mercado, já compensa tê-lo na prateleira da estante para consulta constante. E como o próprio Bendis fala, foi preciso convidar um monte de gente para que o livro pudesse sequer estar ao lado do Will Eisner e Scott McCloud na estante! Ele está certo!

O QUE ANDEI LENDO: BOX AQUAMAN

A Panini aproveitou para “surfar na onda” do lançamento do filme do Aquaman e colocou à venda no final de 2018 um box contendo toda a trajetória do Rei da Atlântida sob a batuta de Geoff Johns nos famigerados “Novos 52”! A caixa contém, em ordem de leitura, os encadernados “Liga da Justiça: Origem”; “Aquaman: As profundezas”; “Aquaman: Os Outros”; “Liga da Justiça: O trono da Atlântida” e “Aquaman: A morte de um Rei”! Todos em capa cartonada. Os desenhos ficaram por conta de Jim Lee, Ivan Reis e Paul Pelletier, além de outros convidados.

O que posso dizer, logo de cara, é que o Geoff Johns passa a impressão de ter dupla personalidade! Na Liga da Justiça, seu texto é truncado, fragmentado, enfadonho e cheio de clichês absurdos, como na parte em que o Batman e o Lanterna Verde decidem ir até Metropólis para confrontar o Superman apenas por ele ser um alienígena (como os parademônios)! E, claro, chegando lá, o Superman também acabou de enfrentar (coincidentemente) os asseclas do Darkseid e vai pra cima do homem morcego e do Hal Jordan! Já no Aquaman, seu texto é redondinho, cheio de boas sacadas, aventuresco e agradável de se ler! Dá vontade de devorar as páginas e ver até onde o Arthur Curry vai parar!

A diferença entre os dois títulos também é sentida na arte. Na Liga da Justiça, o traço do Jim Lee é até bonito, mas parece corrido e desproporcional. Não ajuda muito os novos designs dos uniformes, cheios de firulas que não servem para nada, apenas para dar dor de cabeça aos desenhistas dos títulos solo dos personagens! A impressão que se tem, é que o Jim Lee é um péssimo character designer, daqueles que pega algo pronto e sai rabiscando linhas a esmo só para pagar de detalhista! Deviam ter chamado o veterano mestre José Luis Garcia-López para essa função! Do jeito que ficou, está com cara de Image Comics da década de 1990!

Já no Aquaman, os uniformes do herói e da Mera dão gosto de ver, de tão elegantes que são! Dá para sentir o constrangimento do Ivan Reis em ter que seguir (mais ou menos) o visual estabelecido pelo “chefe”. Mas, assim como a elegância de seu traço, o Reis elegantemente dá um chega para lá no visual “Image” e mostra uma proposta anos-luz de distância em termos de qualidade! Sem falar que o seu traço é muito mais consistente do que o do Jim Lee. No segundo encadernado da Liga de Justiça, o Lee sai de cena e o Ivan Reis assume o título da superequipe, sendo substituído em Aquaman pelo Paul Pelletier, que não tem o mesmo nível do Reis, mas consegue segurar a peteca e entregar um feijão com arroz bem competente. No último volume de Aquaman (A morte de um rei), Pelletier chega a impressionar com algumas cenas de panorâmicas!

Sobre os enredos, é o que eu já falei: no título da Liga da Justiça, Johns parece não saber o que fazer ao contar as origens da equipe. O ponto positivo é a inclusão do Ciborgue! Para quem é fã dos Novos Titãs (como é o meu caso), pode ficar com um pé atrás! Mas como o Victor Stone é o único personagem bem trabalhado, acaba ganhando uma relevância bem interessante de se ver. Se não fosse por essa armadura genérica… Pelo menos ficou melhor desenhada pelo Ivan Reis! No título do Aquaman, o enredo está melhor estruturado e acompanhamos a trajetória de Arthur Curry pós-recusa do reinado da Atlântida. Quem está no trono é o seu irmão Orm! Quem dá as caras também são “Os Outros”, antiga equipe de Aquaman, e o vilão Arraia Negra! Além dos impressionantes habitantes do Fosso!

Quando os títulos se encontram em “O Trono da Atlântida”, as histórias da Liga da Justiça dão uma leve melhorada. Como eu disse, parecem ser dois Geoff Johns, e ambos têm uma certa dificuldade em realizar o crossover, dadas as inconsistências nas linhas cronológicas dos enredos! Até o uniforme do Aquaman fica inconsistente, já que no gibi da Liga era de um jeito e no do Rei dos Setes Mares, de outro! Mas o Ivan Reis consegue segurar o tranco, seguido fielmente pelo Paul Pelletier! Quando entra o Tony Daniel… xiiii!

São mais de 800 páginas de quadrinhos que li voando! Apesar de ser uma leitura mais truncada na Liga da Justiça, o gibi do Aquaman foi devorado em um piscar de olhos, tamanha a diversão dos enredos! O Rei dos Sete Mares entra no hall das boas coisas dos Novos 52, ao lado da Mulher-Maravilha, Action Comics, Batman e Flash! Já Liga da Justiça…

Imagens extraídas do site da Panini.

50 GIBIS QUE MARCARAM A MINHA VIDA – PARTE 1

Resolvi surfar na onda da tag “50 coisas que…” e fazer uma lista dos gibis que, de uma forma ou de outra, tiveram algum tipo de importância na minha formação como leitor e como produtor de quadrinhos. Como estou escrevendo de “memória”, perdoe qualquer incoerência nos dados fornecidos. Dito isso, vamos lá…

01 – ALMANAQUE DISNEY 214

Até onde consigo lembrar, este foi o primeiro gibi que tive em mãos! Eu devia ter entre 7-8 anos! Na época, uma prima me deu de presente, mas eu não fazia ideia de qual revista se tratava, já que estava sem capa e faltando páginas no começo e no fim do gibi! Só sei que adorei a história do Donald Caça-Fantasmas! E, sem saber, já tinha ficado fã do mestre Giorgio Cavazzano, mesmo sem entender ainda sobre quem fazia o quê em cada gibi! Só depois de adulto, por volta dos 38 anos, é que consegui comprar esse gibi, agora todo completinho! Se tivesse que fazer um paralelo com o universo Disney, eu diria que este almanaque é a minha moedinha número 01!

02 – TIO PATINHAS 294

Este gibi eu já peguei completo com amiguinhos da escola! Já deu para reparar que o meu início de leitura dos gibis foi com a Disney, não é mesmo? Esta edição do Tio Patinhas marcou por conta da última história! Nela, o nosso querido muquirana faz uma aposta com o Patacôncio para ver quem recupera um tesouro numa ilha deserta! Lembro que gostei tanto do barco do Tio Patinhas, que fiz uma réplica para brincar com a minha irmã, utilizando embalagens de papelão de café!

03 – TIO PATINHAS 237

Esta lista segue uma certa linha do tempo! Mas como eu não comprava gibi em banca por falta de grana (eu nem sabia que existia banca!), o que caía na mão, era peixe! Geralmente eu trocava gibis com os colegas da vizinhança ou da escola. Então era muito comum pegar números mais avançados, depois outros mais antigos! Na verdade, eu nem me importava com isso! Só queria ler! E como gostei dessa parodia de “…E o vento levou!” Eu não fazia ideia de que era uma paródia! Gostei mesmo foi de ver os patos em outro contexto!

04 – TIO PATINHAS 256

E mais Tio Patinhas! E mais Giorgio Cavazzano nos desenhos! Nem preciso dizer que adorei essa história! Ainda mais com um tema tão chamativo para a pivetada: corrida de “carrinhos”! Com o passar do tempo, fui perdendo esses gibis da lista. Mas já recuperei todos e guardo com todo carinho!

05 – DISNEY ESPECIAL 114: LENDAS E MISTÉRIOS

E mais Disney na lista! Tem uma explicação bem plausível para a minha predileção pela Disney no início da minha leitura: os desenhos animados clássicos passavam na TV todos os dias! Este foi o meu primeiro Disney Especial! Li e reli inúmeras vezes! Adorei o clima de mistério das histórias, principalmente a primeira história “O tesouro dos Nibelungos”, de onde já fiquei fã do Romano Scarpa, cujo traço é bem parecido com o do Cavazzano (novamente sem saber quem era “Romano”)! Outras duas histórias que adoro, são “A Lenda das Amazonas” e “A Sereia do Lago Dourado”, ambas produzidas pelos mestres brasileiros. Claro que eu não sabia nada sobre autorias na época, mas eu já tinha os meus preferidos!

06 – O INCRÍVEL HULK 10

Como mencionei, a forma que eu tinha de ler gibis, era trocando com outros colegas! Lembro que eu detestava gibis de heróis por achar os desenhos muito “sérios”! Mas depois de descobrir que cada gibi de herói valia dois gibis infantis nas trocas, se tornaram um ótimo negócio! Assim, nessas idas e vindas do “mercado” de trocas, resolvi dar uma chance para o Hulk! E não é que adorei? Mas também, olha o apelo para o moleque: um gigante verde enfurecido trocando sopapos com bichos humanóides! Sem contar a história do robô no final (o Rom)! Qualquer moleque ficaria doido com isso! E foi o que aconteceu comigo! Assim, o Hulk foi (e ainda é) o meu personagem favorito de super-heróis!

07 – CEBOLINHA 36

O primeiro contato que tive com a Turma da Mônica foi com a animação “A Estrelinha Mágica” que passava na época de Natal! Nos quadrinhos, lembro de pegar alguns suplementos coloridos que saía nos jornais! Não lembro exatamente dos gibis, mas é claro que também os tive! Mas um que marcou a minha infância, certamente foi este do Cebolinha! A minha família havia acabado de mudar para outra cidade e o meu pai me levou pela primeira vez para uma banca de gibis! Foi o paraíso! Nunca tinha visto nada daquilo! Na ocasião, ele me comprou dois gibis, esse do Cebolinha e um da Liga da Justiça (falo já sobre este)! Até hoje lembro da historinha de abertura “O Natal do JJ Junior”, que contava a história de um menino rico que tinha tudo, menos a alegria de passar o Natal com os seus pais. Daí, ele foge de casa e acaba encontrando a turminha! Muito emocionante! Infelizmente não o tenho mais e até hoje não consegui encontrar esse gibi para vender… Uma pena!

08 – LIGA DA JUSTIÇA INTERNACIONAL 20

Hoje em dia vejo muito o pessoal se perguntando por onde começar a ler gibis! Na minha época, não tinha isso! Como já mencionei, o que caía na rede, era peixe! A única noção de “Liga da Justiça” que eu tinha, era a do desenho animado “Superamigos”! Mesmo assim, eu não fazia ideia de que aquele grupo das animações era a Liga! Então, peguei o bonde andando ao comprar esse gibi! Junto de Cebolinha 36, foram os primeiros gibis que comprei em banca! Acho que pedi esse ao meu pai pela capa curiosa! Lembra que eu não gostava dos desenhos “sérios” dos heróis? Nesse caso, pirei com a arte expressiva do Kevin Maguire! Tem coisa mais “séria” do que os desenhos do Maguire? Li e reli um monte! Adorei também o Esquadrão Suicida e o Cão Raivoso, que usava uma máscara parecida com a do Jason. Na época eu era fã de filmes de terror, especificamente de Sexta-Feira 13… então já viu, né?

09 – A TEIA DO ARANHA 26

Não lembro se esse foi o primeiro gibi que li do Cabeça de Teia, mas com certeza foi a primeira “A Teia do Aranha”! Peguei emprestada de um colega da vizinhança! E o que ela tem de tão especial? Pirei no visual do Tarântula no traço charmoso do Ross Andru! Ah, também pirei no Magma do John Romita (o pai) e as cores diferentonas do gibi (não eram tão chapadas quanto as outras, tinham algumas nuances).

10 – BATMAN 05

Essa com certeza foi a primeira vez que li um gibi do homem morcego. Era comum na época os jornaleiros arrancarem as capas e devolverem para as distribuidoras (descobri isso anos depois!). Isso explica por que eu tive tantos gibis apenas no miolo no início da minha leitura! Essa não foi exceção! Além de pirar com traço do Neal Adams na história do Batman, também foi a primeira vez que tive contato com a Liga da Justiça clássica!

E essa foi a primeira lista! Nas próximas semanas, teremos mais! Até a próxima!

Imagens extraídas do site Guia dos Quadrinhos!

O QUE ANDEI LENDO: X-MEN de Jonatham Hickman

A Editora Panini Comics compilou nas quatro primeiras edições da nova revista de “linha” X-men as minisséries “Dinastia X” e “Potências de X”. A rigor, essas duas minisséries estabelecem o novo status quo dos heróis e vilões mutantes, e demais Homo Superiors, dentro do Universo Marvel, agora vivendo na Ilha Nação de Krakoa sob a liderança do Professor Xavier e do Magneto. Dinastia X aborda os desdobramentos no presente, enquanto Potências de X procura mostrar como os mutantes chegaram até aquele momento em duas linhas temporais, uma dez anos no passado e outra no presente, e as consequências da nova nação para o mundo em duas linhas temporais futuras, cem anos à frente e mil anos adiante!

Como roteirista, gosto sempre de pensar que os gibis precisam ser voltados primeiramente para atrair novos leitores e, depois, para os colecionadores. Afinal, são de novos leitores que precisamos para garantir a longevidade das revistas. Assim, esta nova fase é ideal para quem caiu de paraquedas no universo mutante. No entanto, é notório que Jonatham Hickman fez a lição de casa, quando percebemos em seu enredo conceitos criados por Stan Lee e Jack Kirby, Roy Thomas e Neal Adams e, principalmente, Chris Claremont e John Byrne, Dave Cockrum e John Romita Jr, e até Scott Lobdell e Fabian Nicieza, vejam só!

Com uma narrativa não-linear, Hickman “esquece” tudo o que foi mostrado anteriormente em termos cronológicos e joga o leitor logo de cara no novo status quo. Isso é ótimo! Porque demonstra uma certa preocupação com o novo leitor ao estabelecer uma forma de escrever similar à que encontramos nos desenhos animados, por exemplo. Quando uma série animada é encerrada e outra iniciada, os produtores não ficam se preocupando em “explicar” o que veio antes. Simplesmente criam algo novo para uma nova audiência!

Por outro lado, essa narrativa não-linear pode causar certa confusão para leitores mais apressados, já que as explicações são dadas em doses homeopáticas, principalmente nos inúmeros infográficos espalhados pelas páginas, recurso encontrado por Hickman para não perder tempo com tramas expositivas demais! Por isso, tenha paciência e leia também os infográficos na sequência em que são apresentados. Isso é importante para a compreensão do enredo como um todo!

Falando agora da trama geral, ela não apresenta nada de novo e nem tampouco é genial como muitas pessoas têm alardeado aos quatro ventos. O ponto é que as histórias dos X-men estão tão ruins há tanto tempo, com uma “qualidade” nivelada tão por baixo, que qualquer roteiro mais consistente já é motivo para ser taxado de “genial”. Claro que isso não tira o mérito do Hickman! Como eu disse, o roteirista fez a lição de casa e bebeu direto da fonte clássica dos X-men. Ele se apropriou de conceitos já estabelecidos e está apresentando aos novos leitores de uma forma moderna e repaginada. A meu ver, essa é a maneira certa de atrair novos leitores, já que os personagens têm décadas de conceitos interessantes para serem reapresentados.

Assim, vemos na obra do Hickman uma inspiração principalmente em “Dias de um Futuro Esquecido”, com a diferença de que, nesse contexto, quem “volta” para o passado para tentar evitar um futuro trágico para os mutantes não é a Kitty Pryde, mas a geneticista Moira MacTaggert, com uma sacada bacana que lembra muito os filmes “Feitiço do Tempo” e “No Limite do Amanhã”. Porém, os leitores veteranos podem tender a perder o seu tempo tentando “encaixar” as várias vidas de Moira dentro da “cronologia canônica”. Quer um conselho? Esqueça isso e curta a jornada! Simples assim!

Pra finalizar, reitero que esse arco inicial é uma introdução ao novo status quo, de modo que a trama é bastante focada no trio Professor Xavier, Magneto e Moira, deixando um pouco de lado explicações mais aprofundadas para os demais personagens, o que deve ser desenvolvido nas próximas edições, quando a Panini começará a publicar as revistas de linha. Fica a torcida de que os enredos continuem nessa pegada de construir um universo próprio, sem se preocupar em encaixar os seus eventos na cronologia passada. Vai por mim, é isso que está estragando os gibis de heróis há tempos. Toda vez que algo foi feito um pouco deslocado dessa cronologia rígida – vide Surpreendentes X-men do Joss Whedom – resultou em histórias mais divertidas e consistentes. Como exemplo do contrário, basta lembrar da fase do Brian Michael Bendis que, apesar de diálogos relativamente bem escritos, é bastante confusa e picotada por estar inteiramente intricada na cronologia.

O QUE ANDEI LENDO: O Imortal Hulk

O que acontece quando um roteirista conhece toda a trajetória de um personagem? Surgem desse conhecimento histórias herméticas cheias de referências descartáveis atreladas a uma confusa cronologia e que ninguém entende, apenas o próprio roteirista! Certo?

Errado!

Quando o roteirista conhece a fundo o seu personagem e tem a habilidade suficiente para escrever boas histórias a partir daí, as referências passam a trabalhar a favor da narrativa e não contra! Este é o caso do Al Ewing, que entrega ao leitor um Hulk “raiz” acessível tanto para quem só viu o verdão no cinema e um deleite para quem lê desde tempos imemoriais (é o meu caso!)!

O Hulk sempre foi o meu personagem preferido e me doía a alma (exagero!) querer ler algo atual bom do personagem e só encontrar pataquadas sem tamanho (Hulk Vermelho… oi?). Quando peguei O Imortal Hulk para ler, a expectativa estava nas alturas. Não que eu esperasse algo fora do comum (assim como você também não deve esperar), mas por saber que finalmente o bom e velho Gigante Verde estava voltando às origens!

E que origens! A começar pela bela arte de Alex Ross que faz uma releitura da clássica capa desenhada pela grande Marie Severin! Já na primeira história, dá pra sacar logo de cara que Stan Lee e Jack Kirby estão naquelas páginas, com o Bruce Banner foragido procurando esconder o seu alter ego, ao mesmo tempo em que acaba se metendo em pequenos casos de “heroísmo”! Outra “presença” no gibi é a homenagem ao seriado estrelado pelo Bill Bixby e Lou Ferrigno, tanto no enredo do Bruce/Hulk andarilho, quanto na inserção de uma repórter investigativa que segue o rastro do verdão! Repare no nome da moça! Uma referência mais recente, é da fase escrita pelo Bruce Jones e desenhada pelo John Romita Jr., que também usava como mote das histórias o Banner “andarilho” (ou fugitivo)! Tem até referência ao filme dirigido pelo Ang Lee (repare no último quadro da primeira história).

E as bizarrices gama? Também estão aqui! Lembrando muito a fase inicial do Peter David com o personagem, o Hulk enfrenta um adversário irradiado gama que faz referência ao Meia-Vida!

O mais bacana, além de tudo isso, é a introdução do fator psicológico nas duas últimas páginas, puxando o gancho do que já haviam feito o Bill Mantlo e o já citado Peter David e já dando um gostinho do que ainda vem por aí! Para dar mais um gostinho do que se trata, basta ver a expressão de terror que o Hulk faz ao se deparar com um importante ente do passado!

Por falar em expressão, que traço é esse do Joe Bennett?! O nosso grande Bené Nascimento está arrebentando nos desenhos! Se as cores fossem menos saturadas e luminosas, ficaria ainda melhor! Mas vamos assim mesmo, que vale a pena! Se as influências do passado do Verdão aparecem no texto, a arte não deixa por menos! Temos aqui um Hulk com cabeça mais alongada a la Jack “The King” Kirby (bem Frankenstein!), bem como um corpanzil bem próximo do desenhado pelo Todd McFarlane na fase “Hulk Cinza”. E, claro, não podia faltar o bom e velho Sal Buscema, no jeito de caminhar, na linguagem corporal e na hora da briga! Os músculos também lembram muito as versões desenhadas pelo Dale Keown e Gary Frank!

Ou seja… ao juntar um roteirista que conhece a fundo o personagem, com um desenhista que não deixa por menos, temos aqui uma fase que vale muito a pena ser acompanhada, com um enredo acessível para qualquer leitor! E pela primeira vez em anos, fiquei com vontade de ler a edição seguinte!

Artes à lápis extraídas do Facebook de Joe Bennett!

O QUE ANDEI LENDO: Monstros à Solta!

Eis um belo caso de hq divertida com potencial um pouco desperdiçado!

01

Imagens extraídas do site Guia dos Quadrinhos

Os caras tiveram uma daquelas ideias que nos faz dizer “por que não pensaram nisso antes?”: simplesmente mostrar a chegada na Terra de meteoros que se transformam em monstros e colocar os super-heróis e os monstros clássicos da Marvel para enfrentar essa nova ameaça! Pareceu divertido? Também achei!

No entanto, os roteiristas meteram os pés pelas mãos e se perderam nas próprias ideias! O enredo não desenvolve direito os novos monstros, você não sabe quem são, pois aparecem tantas figuras diferentes ao mesmo tempo, que não dá nem pra saber quem está chegando! É uma confusão visual tremenda, com design de monstros um pouco mais trabalhados no início da peleja e outros – muitos outros – genéricos ao longo das edições! Não sei se a intenção era realmente essa, a de trabalhar os monstros como meros buchas de canhão sem personalidade, mas desenvolver bem umas quatro ou seis criaturas, com visual e poderes bem estabelecidos, já resolveria o problema e provocaria uma imersão bem maior na trama!

02

Na parte dos super-heróis… bem… outro problema contemporâneo! Os heróis estão tão sisudos (vide Capitão “Sam Wilson” América, Thor “Jane Foster”, Visão, Vespa, todos os Inumanos, X-men, e por aí vai…), que se tornaram todos muito parecidos! E o que é pior, nivelando por baixo! O heróis estão tão sérios, que ficaram chatos! O único que ainda é mostrado com um pouco de sua essência é o Homem-Aranha, mas suas piadinhas parecem deslocadas, forçadas (não que antes o velho escalador de paredes já não forçasse suas piadas!). Nesse contexto, os grupos que acabam sendo mais divertidos são os Guardiões da Galáxia e, pasmem (pelo menos pra mim, que achei que não iria gostar), os Campeões!

Com relação aos monstros clássicos da Marvel… bem… outro problema! Os roteiristas esqueceram que a maioria dos leitores (e talvez nem os mais jovens) não conhecem os monstros clássicos da Marvel! A única exceção é, talvez, o Fin Fang Foom! E olhe, olhe! Assim, a série carece de uma apresentação mais aprofundada sobre quem são os monstros e quais suas habilidades! A meu ver, tentaram dar protagonismo pra tanta gente, que não deram protagonismo pra ninguém! Se tivessem focado apenas na peleja de monstros contra monstros, deixando os super-heróis em segundo plano (mais ou menos como acontece em Godzilla), teria sido bem mais interessante!

03

Pra finalizar, vamos falar da ação! Tenho estudado muito roteirismo e a primeira lição que aprendi é: “MOSTRE, NÃO FALE”! Os roteiros atuais de super-heróis (com algumas poucas exceções) estão fazendo justamente o contrário! Estão falando demais e mostrando de menos! Não adianta o Capitão América morrer de dizer que a ameaça dos monstros é algo urgente, se isso não é mostrado pro leitor! E quando é mostrado, é em um emaranhado de traços confusos que ninguém entende o que está acontecendo, quem está batendo em quem ou não temos nenhuma noção geográfica e espacial de onde a ação transcorre! Fica o tempo todo a sensação de que os confrontos estão acontecendo em outro lugar e não naquele que foi desenhado para o público ver! Sendo que não queríamos “estar” ali, mas no local divertido onde a pêia está comendo… só que não mostram! Com isso, perde-se a noção de escala, não dá pra ter a sensação da destruição e nem do nível de ameaça das criaturas. Novamente, quem melhor trabalha essa parte são os caras que cuidaram dos tie ins dos Guardiões da Galáxia (o confronto no oceano é divertido demais) e dos Campeões!

Mesmo com todos esses problemas apontados, essa minissérie (?) em três edições até que é bem divertida e vale a pena dar uma conferida, desde que seja comprada em alguma promoção, claro! A julgar pelo gancho final, teremos novas histórias explorando essa premissa com o jovem inumano que desenha monstros. Não falei dele? Ah, essa faz parte das boas ideias da obra! Vamos ver como será daqui pra frente! Ou não!

O QUE ANDEI LENDO: Batman – O príncipe encantado das trevas

01

Imagens extraídas do site Guia dos Quadrinhos

 

São dois os aspectos que impressionam nessa minissérie em duas edições: o formatão e a arte! Ah, e o precinho camarada também! O enredo, apesar de bem desenvolvido, é bem básico! O Coringa sequestra uma suposta filha bastarda de Bruce Wayne e obriga o alter ego do playboy milionário a uma corrida contra o tempo para descobrir onde está a garota, enquanto tem que lidar com a chantagem do palhaço do crime e a notícia de uma filha que vazou para a imprensa!

O italiano Enrico Marini tem total liberdade para desenvolver o próprio roteiro e a arte, então espere por versões muito bem elaboradas do uniforme do Batman, do Coringa e do design do Batmóvel que, aliás, é um deslumbre para os olhos nas cenas de perseguição! A Mulher-Gato também aparece repaginada, mas nada que salte aos olhos. E a Arlequina é a que menos chama a atenção, com um visual mega sexualizado que acaba indo na contramão da intenção do autor. Ao invés de deixá-la sensual e provocante, só a torna vulgar mesmo!

02

Essa minissérie resgata uma tradição de HQs “pintadas” do Cavaleiro das Trevas com páginas duplas e páginas inteiras com panorâmicas inspiradas de Gotham City belamente pintadas com Aquarela! O nível de detalhes impressiona, ainda mais por conta do formato grande das revistas, bem maior que o magazine! O melhor é que a arte pintada não perde a sensação de movimento, como alguns autores costumam deixar sua arte incomodamente “posadas”. E como tem movimento!!!! Principalmente nas cenas de perseguição – que são muitas – e pancadaria!

Aproveitando a ocasião, vale a pena também correr atrás de outras duas HQs “pintadas” do Batman. A primeira é “Asilo Arkham”, escrita por Grant Morrison e com arte de Dave Mckean, que mistura de tudo, desde pintura à colagem, para mostrar o Batman sendo obrigado a invadir o asilo, que foi tomado pelos vilões!

03

A segunda HQ é a minissérie em duas edições “Gritos na Noite”, escrita por Archie Goodwin e belamente pintada por Scott Hampton, que mostra um Batman em início de carreira investigando uma série de assassinatos, contando com a ajuda de um também recém empossado comissário Gordon!

04

05

Asilo Arkham tem uma versão mais recente da Panini, mas Gritos na Noite foi publicada somente uma vez pela Abril Jovem e nunca mais deu as caras por aqui!

MAD 90: Animanés da Mad e onde se escondem!

Demorei, mas voltei!

Em dois sentidos, aliás!

Primeiro, fazia tempo que não atualizava o blog devido à correria do cotidiano e pela facilidade e rapidez de postar as novidades através das redes sociais! Mas a partir de agora tudo será diferente (assim espero)! Vou me dedicar mais a esse espaço tão querido, voltando com todo o gás com as seções que tanto gosto de escrever (e espero que você também goste de ler). A saber:

  • Vi no cinema – pitacos sobre os filmes lançados e dicas acerca das referências.
  • Vi no streaming – também pitacos de séries, animações ou filmes vistos no streaming e dicas de referências puxadas por essas obras.
  • O que andei lendo (ou relendo) – achismos sobre gibis, livros, bulas de remédio e afins!
  • Dicas ilustradas – referências para turbinar a criatividade da galera que ilustra ou curte ilustrações!
  • Passo-a-passo – análise de algum trampo meu que valha a pena compartilhar com vocês!
  • Contos em gibi – essa é uma novidade que tenho vontade de fazer há tempos! Tenho aqui na minha caixola alguns contos que transformarei em quadrinhos de 08 à 12 páginas e postarei no blog semanalmente!

Segundo, fazia tempo que eu estava devendo a minha última incursão na já saudosa revista MAD, que foi cancelada pela Panini Comics na edição de Nº 90 em maio de 2016. Como você já percebeu pelo título da postagem, trata-se de uma paródia do primeiro filme da nova franquia do Harry Potter sem o Harry Potter (ops!), “Animais Fantásticos e Onde Habitam”, que sob a ótica da MAD, ficou como “Animanés da MAD e onde se escondem”! Boa leitura e até breve!

MAD 90_Animanes Fanaticos_pag 01_final

MAD 90_Animanes Fanaticos_pag 02_final

STEVE DITKO – Mais um amigo de infância que parte

Existem na cultura pop pessoas que nos são tão importantes quanto nossos próprios parentes, sejam elas da música, do cinema, das artes ou, no caso do Steve Ditko, dos quadrinhos. São pessoas que, no meu caso, crescemos lendo e guardamos nos nossos corações e mentes como verdadeiros amigos de infância. Por isso mesmo, é que dá uma sensação muito grande de tristeza quando um desses amigos partem. O mais recente foi o grande Steve Ditko.

Só conheci o Ditko do Homem-Aranha e outros trabalhos espaçados da Marvel, como o final da Guerra dos Espectros com o Rom e alguns gatos pingados dos Vingadores. Apesar de ao longo do tempo descobrir que alguns dos meus personagens favoritos da DC são criações do Ditko (Besouro Azul, Questão, Rapina e Columba…), nunca cheguei a ler as HQs produzidas por seu criador, já que só lia o que era publicado por estas bandas! Só recentemente, por exemplo, foi que pude ler uma sequência do Doutor Estranho, publicada aqui graças à visibilidade alcançada com o filme.

01

Já mencionei diversas vezes que na época em que eu era moleque lia tudo o que literalmente caía nas minhas mãos! Era uma época em que não existia internet e eu era muito pobre! Então eu não tinha muita frescura como existe hoje em dia (ouvi lombada quadrada?)! Foi assim que descobri o Steve Ditko. Na época, a Abril estava publicando a fase do uniforme negro, se não me falhe a memória. Eu não acompanhava das bancas, apenas pegava emprestada ou trocava com a gurizada do bairro. Então éramos acostumados ao formatinho. Assim, não lembro exatamente como, mas eis que cai em minhas mãos uma revista do Homem-Aranha toda “diferentona” em formato americano intitulada “O Fabuloso Homem-Aranha”. Era a edição nº 06 de uma editora portuguesa, que trazia um confronto do Cabeça de Teia com o Doutor Octopus. Eu não saiba na época, mas tratava-se do segundo encontro entre os dois! Agora imagine a alegria de um moleque ao pegar aquela revista “grandona”, com papel branquinho e desenhos dinâmicos! Li e reli diversas vezes! Fiquei fascinado com aquela versão do Homem-Aranha mais esguia e ágil! E o Doutor Octopus, então? Que amedrontador! Depois dessa, só voltei a ter contato com a arte do Ditko na saudosa Heróis da TV #100 e, depois, no Superalmanaque Marvel #01.

02

O tempo passou e a Editora Abril lançou a série Spider-man Collection, que trazia um gibi com republicação em p&b da fase do Steve Ditko e John Romita, mais uma fita cassete com episódios do desenho animado do Homem-Aranha. Obviamente custava os olhos da cara e eu não comprei na época do lançamento! Só adquiri tempos depois em um sebo a coleção completa (eram 16 edições, mas sem os vídeos!).

03

Nessa altura do campeonato, eu já havia lido muita coisa do passado do Amigão da Vizinhança graças à revista A Teia do Aranha, mas muito pouco ainda das histórias produzidas pelo Ditko. A minha surpresa, nesse caso, não foi apenas com a qualidade e dinamismo do traço! Mas com o fato de que tudo o que eu havia lido dali em diante, tinha suas bases naquelas histórias criadas pelo Stan Lee e pelo Steve Ditko. Até as poses “contorcionistas” exageradas anos depois pelo Todd McFarlane já estavam lá (Todd, seu danadinho…)! Fiquei de queixo caído porque os dois criaram as tramas do zero, vilões do zero, personagens coadjuvantes do zero e aquilo tudo já era muito bom na época! Foi um choque ver que os autores que vieram depois apenas requentaram o que essa dupla havia desenvolvido do… zero! E requentam até hoje, diga-se de passagem! Devorei com uma voracidade incrível todas aquelas HQs do passado! E agora que mais um amigo de infância partiu, fica aqui uma pontinha de tristeza, mas com uma alegria por ter crescido ao lado de tão boa companhia. Descanse em paz, meu querido Steve Ditko!

04

Imagens extraídas do site Guia dos Quadrinhos.