VI NO CINEMA: The Batman

O Batman dos gibis ficou muito chato de se ler! Culpa do Grant Morrison, que inventou o tal do “Batman com preparo” em sua Liga da Justiça! Isso até era divertido na época, mas o problema é que os demais roteiristas se apegaram a essa característica e a elevaram à enésima potência, fazendo com que as ameaças ao redor do homem morcego ficassem cada vez mais megalomaníacas, justamente para compensar esse “superpoder do preparo”. Mais ou mesmo o que aconteceu com o Superman da década de 1960, que era capaz de empurrar planetas com as mãos! O Batman “com preparo” sempre sabe mais do que todo mundo e sempre tem alguma bugiganga tecnológica para derrotar todo mundo! Às vezes dá a impressão de que todo o universo DC é burro! Somente o Batman é que é o fodão! E também dá a impressão do contrário! De que, na verdade, todo o universo DC finge ser burro para poder aturar um menino mimado que fica se escondendo nas sombras fingindo ser fodão! Ora, se o Superman quisesse mesmo derrotar o Batman, bastava lançar um raio de fogo em sua cabeça à distância! Não precisa sair no braço! O próprio Flash deixou isso bem claro no gibi “O Bóton”, que é tão rápido, que preparo algum daria conta, caso ele quisesse de fato derrotar o Batman!

Dito isso, como é bom assistir a um filme em que o Batman é falível! Lembrei imediatamente do Batman detetivesco do Danny O’Neil e Neal Adams, nem tanto por ser um personagem mais esguio que seus antecessores nas telonas, mas principalmente por termos um homem morcego investigador, inteligente, mas que também é capaz de levar bordoadas de bandido de rua! O Batman, em início de carreira em seu ano dois, até tem o seu “preparo”, mas não é exagerado! Exatamente como o personagem era mostrado na década de 1970!

Outro ponto de inspiração interessante do filme, é o clima noir tirado de “Ano Um”. Até a narração em “off” mostrada por Frank Miller está lá, justificada por um diário mantido por Bruce Wayne para registrar e analisar as abordagens de suas atuações! Sem contar, claro, a clara referência ao “Longo Dia das Bruxas”, não apenas pela história do filme começar em pleno feriado do Halloween, mas pela óbvia inspiração no serial killer “Feriado”, aqui incorporado ao personagem do Charada! Dessa minissérie, vemos também o ecossistema mafioso de Gotham City e uma certa relação entre a Selina Kyle e um dos chefões do crime!

Por falar em Selina Kyle, que espetáculo ver a Mulher-Gato adaptada a partir da versão do Miller! Em determinado momento, chegamos até a vê-la trajando aquele top “tomara que caia” com calça “legging” mostrados no início de Ano Um! E descendo o sarrafo em bandido! Uma lindeza só!

Quanto ao vilão, o Charada é mostrado como alguém em pé de igualdade à inteligência do morcego. Chegando, inclusive, a ser mais inteligente até que o próprio Batman. O que é ótimo para a trama, pois coloca o herói em xeque! O Charada descobriu um fato sobre Gotham City e não tinha outra forma de chamar a atenção para si, já que era apenas um zé ninguém! Então, inspirado pela figura do Batman, engendrou todo o esquema das charadas para, assim, conseguir a ajuda do homem morcego para desbaratar toda a podridão da cidade. Mas o tiro saiu pela culatra, à medida em que o Batman vê no Charada um reflexo distorcido de si mesmo, e começa a se questionar se a vingança é o melhor caminho para seguir! Nesse ponto, vemos elementos do gibi “Batman Ano Dois”, no paralelo entre o homem morcego e o Ceifador e, também, elementos das histórias do Jim Starlin, em que o roteirista retratava um Batman um pouco mais raivoso e perturbado!

No desenrolar das investigações, vemos uma parceria intocável entre o Batman e o Tenente Gordon, que lembrou muito o filme “Seven”. Arrisco a dizer, que esse filme é o “Seven” do Batman! Saí do cinema querendo ver mais Batman e Gordon trabalhando juntos! “Shipei” demais essas dois!

Entretanto, como nem tudo são flores, temos no filme um elemento tirado de “Batman Ano Zero” que me fez torcer o nariz! Se no gibi dos famigerados “Novos 52”, o tal elemento megalomaníaco já era exagerado e nem um pouco interessante, aqui no filme nos tira um pouco da imersão e faz pensar momentaneamente “estava indo tão bem…”. Mas, o diretor Matt Reeves soube tirar leite de pedra e usar isso para sacramentar de vez uma nova postura psicológica do Batman, que deverá ser explorada numa vindoura continuação!

O importante é que foi muito bom ver um filme do “Batman Detetive”, que não tem tanto preparo, que leva porrada de bandido de rua, que se fere, que reflete, e que está disposto a aprender com os próprios erros. Vamos esperar que essa abordagem se mantenha e que o personagem não se perca na megalomania em que se perdeu nos gibis!       

O QUE ANDEI LENDO: X de Espadas!

Antes de começar a falar sobre esta saga, acho importante frisar que li anteriormente somente as edições de 01 à 06 da revista dos “Xis-men” dessa “nova” fase encabeçada pelo roteirista Jonatham Hickman (Quer saber a minha opinião? Clica aqui!), para só então retornar à edição 22 para o início de X de Espadas!

Como ponto positivo, posso afirmar que dá para acompanhar a saga numa boa! A sensação é de não ter perdido nada de importante nas edições anteriores! Se bem que, ao escrever isto agora, talvez nem seja tão positivo assim! Se fiquei com essa sensação, é porque talvez não tenha acontecimento realmente nada de importante de lá até aqui! E isso é preocupante! Pelo menos para quem vem gastando o seu rico dinheirinho desde o começo com os gibis quinzenais!

Outro ponto positivo é quanto ao visual dos personagens! Apesar de ter uma penca de mutantes pululando de todos os lados – o que nos traz uma péssima memória dos Anos 1990 – aqui pelo menos resolveram simplificar os uniformes de todos e até retomar trajes clássicos! Assim, fica fácil identificar quem é quem no rolê! Mesmo assim, todos carecem de um desenvolvimento mais aprofundado, parecendo bem superficiais na grande maioria das vezes! Lemos a “voz” saindo da boca dos personagens, mas não parecem que são eles que falam, já que praticamente todos têm o mesmo jeito de falar (exceção para Wolverine, Senhor Sinistro, Apocalipse e Magia).

Esta fase dos heróis mutantes é superestimada, como já falei antes! É um velho arroz com feijão oriundo dos Anos 1990, mas requentado com um tempero novo para fazer parecer revolucionário aos olhos dos novos leitores! Jonatham Hickman tem essa habilidade! Mas não se engane, leitor das antigas! É tudo mais do mesmo, só que mais bonito e mais bem desenhado! Como exemplo, basta pegar as edições do Wolverine que, logo de cara, cai na mesmíssima ladainha de recorrer a flashbacks do passado do baixinho como ferramenta narrativa! Até parece que só tem essa forma de escrever Wolverine! Mais anos 90 do que isso, impossível! Sobre o design dos gibis que apresentam a todo momento aquelas páginas informativas, posso afirmar que em vários momentos elas só servem para travar o ritmo de leitura! Se eram relevantes nas primeiras quatro edições, aqui apenas atravancam a virada de página! Lá pela edição 4 da saga, já desisti de lê-las e continuei como se nada tivesse acontecido! Não fizeram falta!

Sobre a saga em si, até começa instigante com a invasão dos guerreiros de Arakko aos reinos do Extramundo para poder chegar até Krakoa! Dá vontade de saber como os mutantes lidarão com forças tão destrutivas! E pelo menos no visual, os novos personagens são bem bacanas, já que no desenvolvimento, nada é muito aprofundado! É até intrigante as “profecias” literalmente tiradas de cartas na manga pela regente do Extramundo, Opal Luna Saturnyne, sobre os dez portadores de espadas enigmáticas que deverão duelar pelo destino das realidades! E é somente isso que nos mantêm interessados em prosseguir na leitura! Como eu disse, é apenas uma saga com os vícios dos Anos 1990! Não vá esperando o último biscoito do pacote! A partir daqui, a saga até dá uma tropeçada, com a “inesperada” trégua dos invasores diante da Saturnyne, que os convence a participar do tal duelo de espadas! Com o poderio que eles detêm, não precisariam se sujeitar a isso! Mas tudo bem! Vamos ver até onde isso vai dar!

Nas partes dois e três, vemos os personagens na busca por suas espadas! Achei bem divertido (exceto as histórias do Wolverine, bem enfadonhas)! Pelo menos aqui as páginas informativas foram bem utilizadas, ao mostrar detalhes consistentes das espadas, à medida em que iam aparecendo no decorrer da trama!

Mas é nas partes quatro e cinco que a saga desanda de vez! O fio de credibilidade, que já não era lá tão forte, se parte de vez com um jantar entre todos os duelistas antes do famigerado duelo! Entendo que isso foi necessário para tentar aprofundar um pouco os (muitos) novos personagens, mas foi osso duro de roer chegar até o final dessa pendenga! E quando finalmente começa o duelo com as espadas… falta justamente UM DUELO COM ESPADAS! Se a intenção era mostrar uma pataquada entre os antagonistas, pra que perder tanto tempo mostrando vários personagens procurando por espadas que não usariam? Todas as regras narrativas estabelecidas no começo da saga são jogadas no lixo, com soluções estapafúrdias tiradas do nada pela Saturnyne… ou pelos roteiristas, já que a personagem não tem culpa! E nem vou citar um casamento absurdo que acontece do nada! Assim, temos um duelo pífio que não dá em nada e, no final, a saga se encerra com uma guerra, exatamente como começou, com os vilões voltando a demonstrar todo o poderio sanguinolento do início!

Entre mortos e feridos, foi até divertido retornar à personagens tão queridos (sou muito fã dos Xis-men), mas é latente como todos os vícios dos anos 90 ainda estão lá! Muitos títulos, muitos personagens, zero identidade! Tudo parece muito igual! Nenhum grupo tem identidade própria! Muda o nome da revista (Excalibur, X-Force, Novos Mutantes, X-men…) e parece que estamos lendo a mesma coisa! Tem uma certa coesão nisso tudo, mas uma coesão pro lado ruim! Tudo é mais do mesmo!

WHAT IF…? Exercício de criatividade ou nada se cria, tudo se copia!

A série de gibis intitulada “What If…?” ou “O que aconteceria se…”, como ficou conhecida no Brasil, sempre foi um exercício de criatividade dos autores da Casa das Ideias. No entanto, nostalgias à parte, quase sempre esse “exercício” gerou histórias de medianas para fracas, com argumentistas e desenhistas novatos sendo “testados”! Quando moleque, eu costumava até brincar dizendo que sempre resultava em uma catástrofe no final, coisa que não se via no Universo Marvel “regular”. As melhores edições, são aquelas produzidas pelos autores dos títulos “normais”, como John Byrne (E se o Quarteto Fantástico não tivesse poderes?) e Frank Miller (E se a Elektra não tivesse morrido?), por exemplo!

Mesmo assim, é inegável que algumas das ideias testadas nesse título foram incorporadas posteriormente nos gibis regulares. Abaixo, listo alguns exemplos bem curiosos!

“E se o Hulk tivesse o cérebro de Bruce Banner?” Publicada na edição 02, a ideia foi incorporada por Bill Mantlo e Sal Buscema na fase pré-Guerras Secretas e pré-Saga da Encruzilhada!

“E se outras pessoas também tivessem sido mordidas pela aranha radioativa?” Os candidatos foram o Coronel John Jameson, Flash Tompson e Betty Brant. Anos depois, veríamos o Miles Morales e a Gwen Stacy como novos aracnídeos!

“E se o mundo descobrisse que o Demolidor é cego?” Tá, essa ideia é até meio óbvia e quicou no universo regular durante anos! Mas foi somente na longa fase escrita pelo Brian Michael Bendis que esse perrengue pegou de vez o Matt Murdock. Aliás, repercutiu até depois da saída do Bendis, nas fases do Brubaker e do Mark Waid!

“E se a Jane Foster tivesse erguido o martelo do Thor?” Acabou com a sua infância ver a Jane Foster, uma mulher, como a nova Thor, nerd careca de mais de quarenta anos? Pois saiba que, além de bem-vinda, essa ideia incorporada por Jason Aaron não foi nada nova!

“E se o Rick Jones tivesse se tornado o Hulk?” Logo após a saída do John Byrne do título do gigante ver… quer dizer… cinza, isso realmente aconteceu! O Hulk havia sido separado do corpo do Bruce Banner, mas o dois estavam morrendo e precisavam ser “juntados” o quanto antes! Acontece que o Rick Jones acidentalmente caiu no tanque de reintegração e, dali, saiu um Hulk Banner Cinza e um Hulk Jones Verde!

“E se o Conan viesse para os dias atuais?” Mais um da série “ain, acabou com a minha infância” para alguns nerds bocós! Assim que o Conan voltou para a Marvel, após um período na Dark Horse, a Casa das Ideias lançou o título “Vingadores Selvagens” com o Conan fazendo parte da equipe nos dias atuais, como uma espécie de despedida do Mike Deodato, que queria desenhar os “porradeiros” em seu último trabalho! Ah, como curiosidade, tivemos também um “E se” do “E se”, quando saiu o famigerado “E se o Conan tivesse ficado preso no século vinte?”.

“E se a Fênix não tivesse morrido?” Hoje em dia é arroz de festa a Jean Grey ressuscitar! Mas a sua primeira volta, digamos assim, se deu na estreia do grupo X-Factor, que contava com todos os X-men originais e não podia ficar sem a sua “Garota Marvel”!

“E se o Clone do Aranha não tivesse morrido?” Preciso dizer mais alguma coisa? Saga do… cof! cof!… Clone!!

Por fim, fica aquela dica marota: se você for contratado para trabalhar como roteirista da Marvel e não tiver ideia nenhuma do que fazer, sempre vale a pena dar aquela vasculhada no “lixo” de “What If…?”! Vai que cola?

50 GIBIS QUE MARCARAM A MINHA VIDA – PARTE 1

Resolvi surfar na onda da tag “50 coisas que…” e fazer uma lista dos gibis que, de uma forma ou de outra, tiveram algum tipo de importância na minha formação como leitor e como produtor de quadrinhos. Como estou escrevendo de “memória”, perdoe qualquer incoerência nos dados fornecidos. Dito isso, vamos lá…

01 – ALMANAQUE DISNEY 214

Até onde consigo lembrar, este foi o primeiro gibi que tive em mãos! Eu devia ter entre 7-8 anos! Na época, uma prima me deu de presente, mas eu não fazia ideia de qual revista se tratava, já que estava sem capa e faltando páginas no começo e no fim do gibi! Só sei que adorei a história do Donald Caça-Fantasmas! E, sem saber, já tinha ficado fã do mestre Giorgio Cavazzano, mesmo sem entender ainda sobre quem fazia o quê em cada gibi! Só depois de adulto, por volta dos 38 anos, é que consegui comprar esse gibi, agora todo completinho! Se tivesse que fazer um paralelo com o universo Disney, eu diria que este almanaque é a minha moedinha número 01!

02 – TIO PATINHAS 294

Este gibi eu já peguei completo com amiguinhos da escola! Já deu para reparar que o meu início de leitura dos gibis foi com a Disney, não é mesmo? Esta edição do Tio Patinhas marcou por conta da última história! Nela, o nosso querido muquirana faz uma aposta com o Patacôncio para ver quem recupera um tesouro numa ilha deserta! Lembro que gostei tanto do barco do Tio Patinhas, que fiz uma réplica para brincar com a minha irmã, utilizando embalagens de papelão de café!

03 – TIO PATINHAS 237

Esta lista segue uma certa linha do tempo! Mas como eu não comprava gibi em banca por falta de grana (eu nem sabia que existia banca!), o que caía na mão, era peixe! Geralmente eu trocava gibis com os colegas da vizinhança ou da escola. Então era muito comum pegar números mais avançados, depois outros mais antigos! Na verdade, eu nem me importava com isso! Só queria ler! E como gostei dessa parodia de “…E o vento levou!” Eu não fazia ideia de que era uma paródia! Gostei mesmo foi de ver os patos em outro contexto!

04 – TIO PATINHAS 256

E mais Tio Patinhas! E mais Giorgio Cavazzano nos desenhos! Nem preciso dizer que adorei essa história! Ainda mais com um tema tão chamativo para a pivetada: corrida de “carrinhos”! Com o passar do tempo, fui perdendo esses gibis da lista. Mas já recuperei todos e guardo com todo carinho!

05 – DISNEY ESPECIAL 114: LENDAS E MISTÉRIOS

E mais Disney na lista! Tem uma explicação bem plausível para a minha predileção pela Disney no início da minha leitura: os desenhos animados clássicos passavam na TV todos os dias! Este foi o meu primeiro Disney Especial! Li e reli inúmeras vezes! Adorei o clima de mistério das histórias, principalmente a primeira história “O tesouro dos Nibelungos”, de onde já fiquei fã do Romano Scarpa, cujo traço é bem parecido com o do Cavazzano (novamente sem saber quem era “Romano”)! Outras duas histórias que adoro, são “A Lenda das Amazonas” e “A Sereia do Lago Dourado”, ambas produzidas pelos mestres brasileiros. Claro que eu não sabia nada sobre autorias na época, mas eu já tinha os meus preferidos!

06 – O INCRÍVEL HULK 10

Como mencionei, a forma que eu tinha de ler gibis, era trocando com outros colegas! Lembro que eu detestava gibis de heróis por achar os desenhos muito “sérios”! Mas depois de descobrir que cada gibi de herói valia dois gibis infantis nas trocas, se tornaram um ótimo negócio! Assim, nessas idas e vindas do “mercado” de trocas, resolvi dar uma chance para o Hulk! E não é que adorei? Mas também, olha o apelo para o moleque: um gigante verde enfurecido trocando sopapos com bichos humanóides! Sem contar a história do robô no final (o Rom)! Qualquer moleque ficaria doido com isso! E foi o que aconteceu comigo! Assim, o Hulk foi (e ainda é) o meu personagem favorito de super-heróis!

07 – CEBOLINHA 36

O primeiro contato que tive com a Turma da Mônica foi com a animação “A Estrelinha Mágica” que passava na época de Natal! Nos quadrinhos, lembro de pegar alguns suplementos coloridos que saía nos jornais! Não lembro exatamente dos gibis, mas é claro que também os tive! Mas um que marcou a minha infância, certamente foi este do Cebolinha! A minha família havia acabado de mudar para outra cidade e o meu pai me levou pela primeira vez para uma banca de gibis! Foi o paraíso! Nunca tinha visto nada daquilo! Na ocasião, ele me comprou dois gibis, esse do Cebolinha e um da Liga da Justiça (falo já sobre este)! Até hoje lembro da historinha de abertura “O Natal do JJ Junior”, que contava a história de um menino rico que tinha tudo, menos a alegria de passar o Natal com os seus pais. Daí, ele foge de casa e acaba encontrando a turminha! Muito emocionante! Infelizmente não o tenho mais e até hoje não consegui encontrar esse gibi para vender… Uma pena!

08 – LIGA DA JUSTIÇA INTERNACIONAL 20

Hoje em dia vejo muito o pessoal se perguntando por onde começar a ler gibis! Na minha época, não tinha isso! Como já mencionei, o que caía na rede, era peixe! A única noção de “Liga da Justiça” que eu tinha, era a do desenho animado “Superamigos”! Mesmo assim, eu não fazia ideia de que aquele grupo das animações era a Liga! Então, peguei o bonde andando ao comprar esse gibi! Junto de Cebolinha 36, foram os primeiros gibis que comprei em banca! Acho que pedi esse ao meu pai pela capa curiosa! Lembra que eu não gostava dos desenhos “sérios” dos heróis? Nesse caso, pirei com a arte expressiva do Kevin Maguire! Tem coisa mais “séria” do que os desenhos do Maguire? Li e reli um monte! Adorei também o Esquadrão Suicida e o Cão Raivoso, que usava uma máscara parecida com a do Jason. Na época eu era fã de filmes de terror, especificamente de Sexta-Feira 13… então já viu, né?

09 – A TEIA DO ARANHA 26

Não lembro se esse foi o primeiro gibi que li do Cabeça de Teia, mas com certeza foi a primeira “A Teia do Aranha”! Peguei emprestada de um colega da vizinhança! E o que ela tem de tão especial? Pirei no visual do Tarântula no traço charmoso do Ross Andru! Ah, também pirei no Magma do John Romita (o pai) e as cores diferentonas do gibi (não eram tão chapadas quanto as outras, tinham algumas nuances).

10 – BATMAN 05

Essa com certeza foi a primeira vez que li um gibi do homem morcego. Era comum na época os jornaleiros arrancarem as capas e devolverem para as distribuidoras (descobri isso anos depois!). Isso explica por que eu tive tantos gibis apenas no miolo no início da minha leitura! Essa não foi exceção! Além de pirar com traço do Neal Adams na história do Batman, também foi a primeira vez que tive contato com a Liga da Justiça clássica!

E essa foi a primeira lista! Nas próximas semanas, teremos mais! Até a próxima!

Imagens extraídas do site Guia dos Quadrinhos!

MAD 90: Animanés da Mad e onde se escondem!

Demorei, mas voltei!

Em dois sentidos, aliás!

Primeiro, fazia tempo que não atualizava o blog devido à correria do cotidiano e pela facilidade e rapidez de postar as novidades através das redes sociais! Mas a partir de agora tudo será diferente (assim espero)! Vou me dedicar mais a esse espaço tão querido, voltando com todo o gás com as seções que tanto gosto de escrever (e espero que você também goste de ler). A saber:

  • Vi no cinema – pitacos sobre os filmes lançados e dicas acerca das referências.
  • Vi no streaming – também pitacos de séries, animações ou filmes vistos no streaming e dicas de referências puxadas por essas obras.
  • O que andei lendo (ou relendo) – achismos sobre gibis, livros, bulas de remédio e afins!
  • Dicas ilustradas – referências para turbinar a criatividade da galera que ilustra ou curte ilustrações!
  • Passo-a-passo – análise de algum trampo meu que valha a pena compartilhar com vocês!
  • Contos em gibi – essa é uma novidade que tenho vontade de fazer há tempos! Tenho aqui na minha caixola alguns contos que transformarei em quadrinhos de 08 à 12 páginas e postarei no blog semanalmente!

Segundo, fazia tempo que eu estava devendo a minha última incursão na já saudosa revista MAD, que foi cancelada pela Panini Comics na edição de Nº 90 em maio de 2016. Como você já percebeu pelo título da postagem, trata-se de uma paródia do primeiro filme da nova franquia do Harry Potter sem o Harry Potter (ops!), “Animais Fantásticos e Onde Habitam”, que sob a ótica da MAD, ficou como “Animanés da MAD e onde se escondem”! Boa leitura e até breve!

MAD 90_Animanes Fanaticos_pag 01_final

MAD 90_Animanes Fanaticos_pag 02_final

STEVE DITKO – Mais um amigo de infância que parte

Existem na cultura pop pessoas que nos são tão importantes quanto nossos próprios parentes, sejam elas da música, do cinema, das artes ou, no caso do Steve Ditko, dos quadrinhos. São pessoas que, no meu caso, crescemos lendo e guardamos nos nossos corações e mentes como verdadeiros amigos de infância. Por isso mesmo, é que dá uma sensação muito grande de tristeza quando um desses amigos partem. O mais recente foi o grande Steve Ditko.

Só conheci o Ditko do Homem-Aranha e outros trabalhos espaçados da Marvel, como o final da Guerra dos Espectros com o Rom e alguns gatos pingados dos Vingadores. Apesar de ao longo do tempo descobrir que alguns dos meus personagens favoritos da DC são criações do Ditko (Besouro Azul, Questão, Rapina e Columba…), nunca cheguei a ler as HQs produzidas por seu criador, já que só lia o que era publicado por estas bandas! Só recentemente, por exemplo, foi que pude ler uma sequência do Doutor Estranho, publicada aqui graças à visibilidade alcançada com o filme.

01

Já mencionei diversas vezes que na época em que eu era moleque lia tudo o que literalmente caía nas minhas mãos! Era uma época em que não existia internet e eu era muito pobre! Então eu não tinha muita frescura como existe hoje em dia (ouvi lombada quadrada?)! Foi assim que descobri o Steve Ditko. Na época, a Abril estava publicando a fase do uniforme negro, se não me falhe a memória. Eu não acompanhava das bancas, apenas pegava emprestada ou trocava com a gurizada do bairro. Então éramos acostumados ao formatinho. Assim, não lembro exatamente como, mas eis que cai em minhas mãos uma revista do Homem-Aranha toda “diferentona” em formato americano intitulada “O Fabuloso Homem-Aranha”. Era a edição nº 06 de uma editora portuguesa, que trazia um confronto do Cabeça de Teia com o Doutor Octopus. Eu não saiba na época, mas tratava-se do segundo encontro entre os dois! Agora imagine a alegria de um moleque ao pegar aquela revista “grandona”, com papel branquinho e desenhos dinâmicos! Li e reli diversas vezes! Fiquei fascinado com aquela versão do Homem-Aranha mais esguia e ágil! E o Doutor Octopus, então? Que amedrontador! Depois dessa, só voltei a ter contato com a arte do Ditko na saudosa Heróis da TV #100 e, depois, no Superalmanaque Marvel #01.

02

O tempo passou e a Editora Abril lançou a série Spider-man Collection, que trazia um gibi com republicação em p&b da fase do Steve Ditko e John Romita, mais uma fita cassete com episódios do desenho animado do Homem-Aranha. Obviamente custava os olhos da cara e eu não comprei na época do lançamento! Só adquiri tempos depois em um sebo a coleção completa (eram 16 edições, mas sem os vídeos!).

03

Nessa altura do campeonato, eu já havia lido muita coisa do passado do Amigão da Vizinhança graças à revista A Teia do Aranha, mas muito pouco ainda das histórias produzidas pelo Ditko. A minha surpresa, nesse caso, não foi apenas com a qualidade e dinamismo do traço! Mas com o fato de que tudo o que eu havia lido dali em diante, tinha suas bases naquelas histórias criadas pelo Stan Lee e pelo Steve Ditko. Até as poses “contorcionistas” exageradas anos depois pelo Todd McFarlane já estavam lá (Todd, seu danadinho…)! Fiquei de queixo caído porque os dois criaram as tramas do zero, vilões do zero, personagens coadjuvantes do zero e aquilo tudo já era muito bom na época! Foi um choque ver que os autores que vieram depois apenas requentaram o que essa dupla havia desenvolvido do… zero! E requentam até hoje, diga-se de passagem! Devorei com uma voracidade incrível todas aquelas HQs do passado! E agora que mais um amigo de infância partiu, fica aqui uma pontinha de tristeza, mas com uma alegria por ter crescido ao lado de tão boa companhia. Descanse em paz, meu querido Steve Ditko!

04

Imagens extraídas do site Guia dos Quadrinhos.

Todo mundo quer ser Alan Moore, ninguém quer ser Maurício de Sousa

Esta semana tive a satisfação de gravar uma áudio-aula, a convite do meu querido amigo Raymundo Netto, para o Curso de Histórias em Quadrinhos em Sala de Aula da Fundação Demócrito Rocha. Dentre os diversos temas abordados no bate-papo, dois em especial me provocaram uma reflexão pós-gravação, que vou procurar explanar neste texto.

O primeiro, foi o velho e já batido tema de “as pessoas veem os quadrinhos como sendo coisa para crianças”. Na ocasião, parafraseei o grande Sidney Gusman ao falar “que bom que quadrinhos TAMBÉM são coisa para crianças” e acrescentei que os produtores de HQs precisam, de uma vez por todas, superar esse “complexo de vira-lata” e seguir a vida produzindo os seus gibis para o público que lhes convier. Daí, inevitavelmente desembocamos no também batido tema “mercado de quadrinhos”, no qual afirmei que não tinha opinião formada sobre isso!

Refletindo agora, continuo sem opinião formada sobre isso e cada vez mais longe de alguma solução! Mas é notório que não temos um mercado! O Brasil é enorme, a distribuição é péssima e o – pouco – público leitor está muito espaçado. Mas vejo outro problema também. Não há a renovação de leitores. E por quê? Simples! Porque todo mundo quer ser Alan Moore, mas ninguém quer ser Maurício de Sousa!

Polêmica? Vou explicar! No “meu tempo”, quando quadrinhos eram “coisa de criança”, nós tínhamos títulos para todos os gostos e bolsos, dos mais diversificados, dos melhores aos piores! Aquelas crianças que liam gibis, assim como eu, foram crescendo e se transformando em adultos. Coincidiu de também começarem a aparecer os gibis “adultos” para atender a demanda. Porém, mais do que simplesmente atender à demanda “adulta”, esses quadrinhos “sombrios e realistas” tinham como meta “provar” que HQs não eram “coisa de criança”. E o que aconteceu? Gibi deixou de ser coisa de criança! E isso foi péssimo. É péssimo até hoje!

Assim, quem consumia quadrinhos quando criança e cresceu, agora só quer produzir quadrinhos voltados para o público adulto, com tramas mais complexas, arte experimental e tudo o que tiver direito! Nada contra! Mas isso faz com que os quadrinhos produzidos atendam um público cada vez menor, até chegar ao ponto onde estamos, quando os quadrinhistas estão praticamente produzindo uns para os outros. E a renovação do público aonde fica? E as crianças que estão entrando na fase de leitura? Que vão crescer e poderiam aumentar o mercado? Quem está produzindo para elas? Quer uma resposta? Apenas o Maurício de Sousa! E sabe por quê? Porque ninguém quer produzir quadrinhos que sejam “coisa de criança”. Só querem produzir quadrinhos “adultos”. No final, todo mundo só quer ser Alan Moore, mas esquecem que, se não houver uma renovação de público, o mercado vai ficar cada vez menor!

Não adianta ficar apenas reclamando que as grandes editoras não investem em novos talentos, que o governo não incentiva ou que isso e aquilo outro! Não sei qual é a solução para melhorar o mercado. Mas sei que, se ninguém quiser produzir quadrinhos que sejam “coisa de criança”, é quase certo que a tendência é piorar. E não me venha falar sobre os “grandes eventos” com milhares de lançamentos! Enquanto o cara estiver vendendo o almoço para comprar a janta (que é o que acontece com essa onda de financiamento coletivo), e não conseguindo se sustentar apenas com a sua produção, com um salário mensal razoável, para mim, isso não é mercado. É apenas oba-oba. E me desculpe… sou artista, mas não vivo de amor à arte! A conta de luz não se paga com amor de arte!

O QUE ANDEI (RE)LENDO: GRAPHIC NOVEL

Sou da época do gibi em formatinho de papel jornal e preço de banana que tinha em qualquer banca da esquina. Aliás, sou do tempo em que existiam bancas em qualquer esquina! Mesmo com o gibi sendo baratinho, o meu poder aquisitivo não era essas maravilhas todas, então eu me virava como podia para ler. E lia de tudo! O que caía na rede, era peixe! Foi nesse cenário que, lá pelos meus 11-12 anos de idade, tive contato pela primeira vez com a série Graphic Novel da Editora Abril.

Não lembro exatamente como tomei conhecimento dessa coleção (alguém deve ter me emprestado), mas sei com certeza que foi com a primeira edição, a dos X-men! Até então, eu só havia lido o Grandes Heróis Marvel #07 com a Morte da Fênix (comecei bem!) e fiquei abismado quando toquei naquele “gibizão” dos heróis mutantes! Intitulada “O Conflito de uma raça”, a HQ inaugurava uma nova era de publicação de álbuns de luxo da Abril, em formato tipo “Veja”, papel “liso” e cores especiais. Pra quem era acostumado apenas com os formatinhos de cores chapadas, aquela revista representou um salto inimaginável de qualidade visual! Mas… isso tinha um preço! O preço de capa custava os olhos da cara, muito além do que o meu pobre bolso pudesse dar conta! Devorei cada centímetro dos quadrinhos da Graphic Novel #01 e depois, provavelmente, tive que devolver ao cara que me emprestou. Só depois é que consegui a minha própria edição, muito provavelmente através de troca!

01

No início dessa coleção, a Editora Abril publicou apenas personagens da Marvel (em sua maioria) e da DC. Só depois é que diversificou para quadrinhos europeus e afins! A série fez tanto sucesso que, mais tarde, a editora resolveu criar uma coleção apenas com os heróis da Marvel, intitulada, claro, de Graphic Marvel! Mas isso é assunto para outro momento…

Como eu disse, na minha fase de moleque, eu lia de tudo e lia o que caísse na minha mão (ainda faço isso hoje em dia…)! Não tinha uma preocupação em colecionar os números em sequência das revistas. Ia guardando o que aparecia. E foi assim com a Graphic Novel. Até pouco tempo atrás, eu tinha somente as edições com HQs de super-heróis. Daí, comecei a pegar outros números para ver se as histórias prestavam e resolvi de vez fechar a coleção! Agora, deve faltar apenas uns sete números pra fechar tudo! Mas como nasci de sete meses, tive a ideia de (re)ler pela primeira vez em ordem numérica, mesmo com a coleção ainda incompleta (e o que é que tem, né?)!

02

A primeira edição, como já mencionei, é dedicada aos X-men e me surpreendeu quando moleque, não apenas pelo “luxo” da revista, mas pela história pé no chão dos mutantes.

O segundo número só consegui um pouco depois. Eu já conhecia a arte do Bill Sienkiewicz do encadernado da Elektra Assassina. Aliás, ganhei esse encadernado de um amigo adulto, casado e pai de família, porque ele comprou a revista e não gostou dos desenhos “feios”! Aliás, ele me deu os encadernados do Skreemer e do Cavaleiro das Trevas pelo mesmo motivo! Mas depois eu conto essa história em detalhes! Obviamente, gostei bem mais da arte do Sienkiewicz do que esse meu amigo e fiquei muito feliz de poder ler mais coisas desse grande artista na Graphic Novel!

03

O terceiro número é uma declaração de amor do Jim Starlin ao Capitão Marvel e às HQs cósmicas. Confesso que, ao reler essa edição nessa semana, novamente escorreu uma lágrima! Que bela história! E o Capitão Marvel continua sendo o único personagem de gibi que “ainda” não voltou da morte. Não que eu saiba! Mas já deve ter voltado em alguma fase “Nova Totalmente Fabulosa Novamente Excelsiorsamente Marvel” que saiu por aí e eu não li (e nem vou ler…).

04

Falei em declaração de amor? Pois é essa a sensação que o Bernie Wrightson também passa na edição quatro da série, ao retratar magnificamente uma aventura de fantasia com o bom e velho cabeça de teia. Fazia tempo que eu não tirava essa edição do “saco”, acho que uns bons 15 anos! Já tinha na minha memória afetiva a bela arte do Wrightson, mas quando comecei a reler, passei uns bons momentos parado só babando em algumas páginas duplas da revista. Só vendo pra entender! Um espetáculo de arte!

05

Por fim, a primeira Graphic Novel dedicada a um personagem da DC. E já vem arrebentando tudo com “Batman: A Piada Mortal”! A última vez que reli essa HQ foi com o encadernado da Panini que trazia as cores refeitas pelo Brian Bolland numa paleta mais fria. Foi interessante rever a arte do Bolland com a paleta mais quente originalmente impressa! Apesar da história sensacional, esse número destoa do restante da coleção por ser em formato americano. Para um colecionador mais chato (já fui!), fica esquisito quando colocada junto às demais. Outra que destoou foi a do Surfista Prateado do Moebius, também em formato americano.

Pois é isso, amiguinho! Um pequeno texto de impressões (não guia de leitura e nem review) e lembranças nostálgicas e afetivas. Depois escrevo sobre as edições 06 à 10. Espero que tenha curtido!

As capas aqui presentes foram retiradas do site Guia dos Quadrinhos. Dá um pulo lá!

O que andei lendo: INVENCÍVEL!

InvencivelVol01

Finalmente coloquei as minhas mãos na série do Invencível, já que esperei (e como esperei!) para comprar baratinho em um sebo! Só para você ter uma ideia, o primeiro volume saiu por aqui em março de 2006 e o quarto (e último e sem continuação!), em outubro de 2012, ambos publicados pela HQM Editora, que chegou a anunciar o quinto encadernado, mas até hoje… Nada!

A espera valeu a pena, tanto na leitura quanto no bolso!

InvencivelVol02

Eu já tinha ouvido falar do quanto essa série era boa e já conhecia a competência do Robert Kirkman nos roteiros. O cara conhece muito das características, idiossincrasias e clichês dos gibis de super-heróis e usa esse conhecimento a seu favor para escrever uma HQ muito divertida! E o que é melhor: sem tentar reinventar a roda ou redescobrir a pólvora! Em diversos momentos me senti lendo um bom gibi do Homem-Aranha como antigamente, no qual um super-herói adolescente precisa salvar o dia lutando contra vilões ameaçadores, enquanto descobre a extensão dos próprios poderes e tem que chegar cedo em casa, lidar com os pais, com dever de casa, com a escola, com o trabalho, com os amigos e com as garotas! A relação do Invencível com o seu cotidiano de “civil” entremeado com superpoderes é o foco da atenção do enredo. Tanto é que na maioria dos combates contra os vilões, são mostrados apenas o início e o fim da briga. O enredo não se estende demais do quebra-pau, a não ser que seja de extrema importância para, mais na frente, mostrar como isso impacta na vida cotidiana do herói!

InvencivelVol03

E o que falar da arte? Que coisa “marlinda”! O Cory Walker tem um traço de linha clara tão limpo, que chega a dar gosto! Suas cenas desenhadas em um estilo mais cartunesco têm movimento, ao contrário de muitos desenhos “realistas” em outros gibis que mais parecem poses pra foto! E acredite: é mais fácil você treinar e desenhar “realistinha”, do que conseguir abstrair toda a gordura desnecessária e criar um traço estilizado e conciso! Por isso que esse cara, e tantos outros com essa pegada, têm a minha admiração! A todo momento fica a sensação de estar lendo um “desenho animado” graças, também, às cores de paletas suaves do Bill Crabtree. Entretanto, o Cory Walker ficou com dificuldade de cumprir os prazos e trocou de lugar no volume dois com o desenhista Ryan Ottley, que se perde um pouco no início tentando emular o traço do seu antecessor, mas que acerta o prumo no volume seguinte e deslancha de vez no quarto encadernado!

InvencivelVol04

Antes, durante e depois da leitura, várias referências a outros quadrinhos me vieram à mente, seja pela temática semelhante de roteiro ou pela arte. Uma delas foi a minissérie em duas edições “Ultra: Sete Dias”, também publicada originalmente pela Image Comics (à exemplo do Invencível), mas lançada aqui no Brasil pela Pixel Media. Produzida pelos Irmãos Luna (Joshua e Jonathan), a série conta a história das três amigas Liv, Jen e Pearl, também conhecidas como as super-heroínas Afrodite, Vaqueira e Ultra. Assim como em Invencível, o mais importante aqui não são os embates superpoderosos, mas a relação cotidiana das três amigas em um mundo onde os super-heróis são tratados como celebridades. O mais bacana da série é ver como a natureza feminina é abordada em personagens tão humanas, apesar de superpoderosas, com suas alegrias, frustrações, tristezas, incertezas… com uma arte de cair o queixo de tão boa! Uma sacada bacana, é que as capas simulam pôster de filme e capas de revistas de celebridades! Vale muito a pena! Tanto Invencível, quanto Ultra!

ultra-destaque

 

Vi na Netflix: Legion

Ok, vi apenas o primeiro episódio! Ainda não tenho uma opinião formada sobre a série Legion que acabou de entrar no catálogo da Netflix e nem pretendo formá-la ou expor-la aqui neste texto! O que posso dizer, apenas como um bom bate-papo de beira de calçada entre amigos, é que o episódio começa muito bem, com umas pirações que te deixam grudado na tela com medo de piscar, perder algum detalhe e, depois, não entender o contexto daquela trama aparentemente complexa! Eu falei “aparentemente”? Pois é! Do meio pro fim, quando as peças do quebra cabeça vão se encaixando, você percebe que a trama é rasa e aquela loucura toda do começo foi apenas pirotecnia narrativa para esconder a falta de complexidade do enredo! Em suma, o episódio tenta parecer uma ferrari quando, na verdade, não passa de um chevette! Depois que se constata que a história é tão rasa quanto piscina pra criança, coisas que não incomodavam tanto, passam a incomodar demais, como o “cabelinho descolado” e milimetricamente assanhado com laquê do protagonista. Nada mais adequado para alguém que está em um hospício, correto? Coisas típicas de séries juvenis americanas… Mas enfim! Deu preguiça de prosseguir para o segundo episódio, mas vou tentar mais tarde!

legion 01

Mas vamos falar de coisa boa agora? As referências? Para quem não sabe, David Haller – o Legião – é o filho do Professor Charles Xavier com a embaixadora de Israel Gabrielle Haller. Os dois se conheceram quando jovens, na mesma ocasião em que o Xavier conheceu um tal de Erik Magnus Lehnsherr (aquele que viria a se tornar o Magneto). Na época, Gabrielle era apenas uma enfermeira e estava envolvida numa trama com o nefasto líder da Hidra, o Barão Wolfgang von Strucker, e acaba sendo sequestrada pelo vilão. Xavier e Magnus partem para o resgaste e o futuro líder dos X-men acaba se apaixonando pela bela enfermeira, o que resulta (sem que ele saiba) no David Haller! Parece óbvio que essa trama toda não será abordada na série, mas vale a pena conferir! A HQ escrita pelo Chris Claremont e desenhada por Dave Cockrum foi publicada em Uncanny X-men #161, bem no meio da Saga da Ninhada, e saiu no Brasil na saudosa Superaventuras Marvel #66, da Editora Abril.

legion 03

legion 02

Só ficamos sabendo que o Xavier tinha um filho, inclusive ele próprio, anos mais tarde na edição de número 26 de The New Mutants, também escrita por Chris Claremont e soberbamente ilustrada, com diversas experimentações visuais e narrativas, por Bill Sienkiewicz! Aqui, saiu em O Incrível Hulk #79. Por se tratar do filho do maior telepata do mundo, era de se imaginar que David Haller seria um mutante de igual potencial. E, de fato, é o que acontece. David sofre de múltiplas personalidades e cada uma apresenta um poder diferente, que vai desde à telepatia e telecinese, até manipulação da realidade! E, pior, todas elas brigam para ver quem domina o corpo do jovem rapaz! Podia piorar? Sim! Nem todas as personalidades são boazinhas! Agora imagine o estrago! Aliás, não precisa imaginar! Corra atrás dos sebos para ver se encontra as edições antigas do Hulk da Editora Abril ou compre o encadernado em capa dura da Panini “Os Novos Mutantes: Entre a Luz e a Escuridão”. Esse encadernado traz o início da fase desenhada pelo Sienkiewicz, que vale muito a pena, mas não tem a história do Legião! Fica para um volume dois… talvez!

legion 05

legion 04

legion 06

legion 07

legion 08

legion 09

As capas aqui apresentadas foram colhidas no sensacional site Guia dos Quadrinhos. Se você ainda não conhece, dá uma conferida!