O QUE ANDEI (RE)LENDO: GRAPHIC NOVEL

Sou da época do gibi em formatinho de papel jornal e preço de banana que tinha em qualquer banca da esquina. Aliás, sou do tempo em que existiam bancas em qualquer esquina! Mesmo com o gibi sendo baratinho, o meu poder aquisitivo não era essas maravilhas todas, então eu me virava como podia para ler. E lia de tudo! O que caía na rede, era peixe! Foi nesse cenário que, lá pelos meus 11-12 anos de idade, tive contato pela primeira vez com a série Graphic Novel da Editora Abril.

Não lembro exatamente como tomei conhecimento dessa coleção (alguém deve ter me emprestado), mas sei com certeza que foi com a primeira edição, a dos X-men! Até então, eu só havia lido o Grandes Heróis Marvel #07 com a Morte da Fênix (comecei bem!) e fiquei abismado quando toquei naquele “gibizão” dos heróis mutantes! Intitulada “O Conflito de uma raça”, a HQ inaugurava uma nova era de publicação de álbuns de luxo da Abril, em formato tipo “Veja”, papel “liso” e cores especiais. Pra quem era acostumado apenas com os formatinhos de cores chapadas, aquela revista representou um salto inimaginável de qualidade visual! Mas… isso tinha um preço! O preço de capa custava os olhos da cara, muito além do que o meu pobre bolso pudesse dar conta! Devorei cada centímetro dos quadrinhos da Graphic Novel #01 e depois, provavelmente, tive que devolver ao cara que me emprestou. Só depois é que consegui a minha própria edição, muito provavelmente através de troca!

01

No início dessa coleção, a Editora Abril publicou apenas personagens da Marvel (em sua maioria) e da DC. Só depois é que diversificou para quadrinhos europeus e afins! A série fez tanto sucesso que, mais tarde, a editora resolveu criar uma coleção apenas com os heróis da Marvel, intitulada, claro, de Graphic Marvel! Mas isso é assunto para outro momento…

Como eu disse, na minha fase de moleque, eu lia de tudo e lia o que caísse na minha mão (ainda faço isso hoje em dia…)! Não tinha uma preocupação em colecionar os números em sequência das revistas. Ia guardando o que aparecia. E foi assim com a Graphic Novel. Até pouco tempo atrás, eu tinha somente as edições com HQs de super-heróis. Daí, comecei a pegar outros números para ver se as histórias prestavam e resolvi de vez fechar a coleção! Agora, deve faltar apenas uns sete números pra fechar tudo! Mas como nasci de sete meses, tive a ideia de (re)ler pela primeira vez em ordem numérica, mesmo com a coleção ainda incompleta (e o que é que tem, né?)!

02

A primeira edição, como já mencionei, é dedicada aos X-men e me surpreendeu quando moleque, não apenas pelo “luxo” da revista, mas pela história pé no chão dos mutantes.

O segundo número só consegui um pouco depois. Eu já conhecia a arte do Bill Sienkiewicz do encadernado da Elektra Assassina. Aliás, ganhei esse encadernado de um amigo adulto, casado e pai de família, porque ele comprou a revista e não gostou dos desenhos “feios”! Aliás, ele me deu os encadernados do Skreemer e do Cavaleiro das Trevas pelo mesmo motivo! Mas depois eu conto essa história em detalhes! Obviamente, gostei bem mais da arte do Sienkiewicz do que esse meu amigo e fiquei muito feliz de poder ler mais coisas desse grande artista na Graphic Novel!

03

O terceiro número é uma declaração de amor do Jim Starlin ao Capitão Marvel e às HQs cósmicas. Confesso que, ao reler essa edição nessa semana, novamente escorreu uma lágrima! Que bela história! E o Capitão Marvel continua sendo o único personagem de gibi que “ainda” não voltou da morte. Não que eu saiba! Mas já deve ter voltado em alguma fase “Nova Totalmente Fabulosa Novamente Excelsiorsamente Marvel” que saiu por aí e eu não li (e nem vou ler…).

04

Falei em declaração de amor? Pois é essa a sensação que o Bernie Wrightson também passa na edição quatro da série, ao retratar magnificamente uma aventura de fantasia com o bom e velho cabeça de teia. Fazia tempo que eu não tirava essa edição do “saco”, acho que uns bons 15 anos! Já tinha na minha memória afetiva a bela arte do Wrightson, mas quando comecei a reler, passei uns bons momentos parado só babando em algumas páginas duplas da revista. Só vendo pra entender! Um espetáculo de arte!

05

Por fim, a primeira Graphic Novel dedicada a um personagem da DC. E já vem arrebentando tudo com “Batman: A Piada Mortal”! A última vez que reli essa HQ foi com o encadernado da Panini que trazia as cores refeitas pelo Brian Bolland numa paleta mais fria. Foi interessante rever a arte do Bolland com a paleta mais quente originalmente impressa! Apesar da história sensacional, esse número destoa do restante da coleção por ser em formato americano. Para um colecionador mais chato (já fui!), fica esquisito quando colocada junto às demais. Outra que destoou foi a do Surfista Prateado do Moebius, também em formato americano.

Pois é isso, amiguinho! Um pequeno texto de impressões (não guia de leitura e nem review) e lembranças nostálgicas e afetivas. Depois escrevo sobre as edições 06 à 10. Espero que tenha curtido!

As capas aqui presentes foram retiradas do site Guia dos Quadrinhos. Dá um pulo lá!

Anúncios

Dicas Ilustradas: ANINA

Zapeando pela Netflix (como sempre!), descobri mais uma pequena pérola animada, o filme ANINA. Nunca tinha ouvido falar dessa produção espanhola antes de encontrá-lo no meio do catálogo do streaming. Aliás, nem tenho certeza se é da Espanha (deduzi isso pelo idioma principal da dublagem)! Mas pouco importa também! Parece-me, inclusive, que se trata de uma adaptação de um livro infantil. Depois vou atrás de buscar algo mais a respeito das origens dessa obra. Por enquanto, o que me interessou logo de cara foi o estilo da ilustração. E é sobre isso que vou falar nesse “Dicas Ilustradas”.

01

Falando um pouco do enredo, o filme conta a história da pequena Anina, que tem dificuldade em lidar com o seu próprio nome por se tratar de um palíndromo, que são palavras que podem ser lidas do mesmo jeito nos dois sentidos, de trás pra frente, de frente pra trás, vice-versa, simultaneamente e concomitantemente… Tá, você já entendeu, eu sei! O nome da menina é resultado de uma obsessão do seu pai por palíndromos. Se você, assim como eu, tem um nome um “pouco” diferente, deve imaginar o que a menina passa na escola de zoação entre os amiguinhos. E é justamente durante uma confusão com o seu nome, que Anina se mete em uma tremenda encrenca com a valentona da escola e vai parar na diretoria. O que se segue, é uma série de questionamentos sobre bullyng, sobre pontos de vista (colocar-se no lugar do outro antes julgá-lo) e, claro, sobre coisas da vida que vão e vêm, assim como o nome da protagonista. Uma bela história de aprendizado na infância!

02

Sobre o estilo da ilustração, o filme mostra uma animação gerada por computador, mas que emula uma estética cheia de texturas que lembram muito técnicas de pintura à seco como lápis de cor, giz ou pastel. O traço é bem estilizado, com construções de personagens baseadas em formas mais geometrizadas como círculos, retângulos, quadrados, e uma perspectiva mais distorcida para os cenários, com linhas esguias e sinuosas. E as cores? Que bela paleta de cores quebradas e dessaturadas! Os cenários são sempre representados com cores mais sóbrias (marrons quentes e frios, verdes “musgo”, sépias, ocres), ao passo que os personagens são mostrados com cores um pouco mais vibrantes e saturadas (laranjas, vermelhos, azuis), o que gera um contraste sensacional! Juntando todos esses elementos de linha visual, você tem a sensação de estar assistindo a um livro ilustrado em movimento!

03

05

Para assistir ao trailer, basta clicar aqui. E para ver o filme inteiro, é só acessar a sua Netflix!

Vi no cinema: Pantera Negra

Hoje em dia todo mundo é crítico de cinema! Todo mundo aponta o dedo para o enredo, para o roteiro, para a narrativa, para a direção, para a atuação, fotografia, figurino, cenografia, computação gráfica, trilha sonora… e esquece de simplesmente sentar na poltrona do cinema e curtir o momento! Hoje em dia todo mundo quer ter a sua opinião formada a todo custo sobre o filme e perde a magia que é imergir naquela tela por duas horas e meia (ou menos)! E não só isso… Como a concorrência está ferrenha, os estúdios “entregam” praticamente o filme inteiro em inúmeros trailers, o que faz com que a audiência já compre o ingresso com a tal da opinião formada! Tudo bem que um mísero ingresso não é mais a coisa mais barata do mundo, mas a galera parece ser tão insegura consigo mesma, que precisa saber de tudo antes de “investir” aquela grana milionária no tal ingresso, com a certeza de que terá o seu retorno financeiro garantido na figura de um filme perfeito da sua vida! E pior: esperam saber a opinião de terceiros para saber se é “seguro” ir ao cinema! Se quer um conselho, evite isso! Tente ao menos uma vez ir ao cinema às cegas! É tão bom! E se está lendo isso aqui pra saber se deve ou não assistir ao Pantera Negra, não perca seu tempo! Primeiro, porque não sou crítico de cinema e, segundo, porque esse texto é apenas um bate-papo!

01 pantera negra_15fev

Antigamente, no “meu tempo”, costumávamos ir aos cinemas de rua, daqueles enormes que também serviam de teatro de vez em quando. Como o acesso à informação era muito difícil (um mundo sem internet), o que a gente conseguia saber era através da saudosa revista SET e do “trailer” de 30 segundos que passava na TV no período de estreia dos filmes. Só isso! E vou te dizer… Era maravilhoso! A imersão no filme era completa! Saíamos empolgados do cinema e sentávamos na calçada de casa para comentar, mesmo se o filme não fosse lá essas coisas!

Hoje em dia, o que dá pra fazer é isso que você está lendo agora: escrever algumas linhas no blog. Principalmente para uma pessoa como eu, que já não tenho mais amigos para sentar na beira da calçada e conversar a valer!

Uma coisa que venho fazendo já há algum tempo, é saber o mínimo possível sobre os filmes que pretendo assistir. Não leio mais nada antes do lançamento e, trailer… só vejo o primeiro, quando muito! E isso tem me ajudado a imergir melhor na experiência! Se ponha no meu lugar… um cara de 39 anos, viciado em filmes, que já assiste há pelo menos… 32 anos (vamos colocar o marco zero como sendo aos 7 anos, que é uma idade que acredito já ter começado a ter um pouco de entendimento das coisas!), que também é quadrinhista (uma linguagem irmã do cinema) e que estuda há anos o bê-á-bá dessa linguagem… É muito fácil eu perder o interesse no que está rolando em cena e começar a analisar os quesitos técnicos! Agora imagine se eu visse todos os trailers e lesse tudo a respeito! Seria o inferno! Não conseguiria o mínimo de imersão e o cinema estaria morto pra mim!

Agora, o que isso tudo tem a ver com o Pantera Negra? Como só assisti ao primeiro trailer e não vi mais nada (nem posteres), o filme teve um sabor diferente pra mim. E olha que fui ao cinema com praticamente zero de referência. Diferente da maioria dos outros super-heróis em que já li quase tudo, do Pantera Negra nunca li as HQs clássicas. Aliás, detestava as histórias dele na Superaventuras Marvel e as pulava para ler as mais legais (Demolidor, X-men, Justiceiro…). Nem sabia que o Garra Sônica era originalmente um inimigo dele! Pra mim, Ulisses Klau era apenas o ajudante apalermado do Beyonder em Guerras Secretas (a primeira!) e que fora utilizado soberbamente em histórias mais recentes do Demolidor escritas pelo Mark Waid. As únicas vezes em que li histórias com o T’Challa, era como integrante dos Vingadores, e não entendia como um rei deixava o seu país para ser “besta” em uma equipe de super-heróis americana! Mas isso tudo serviu para tornar a experiência do filme ainda melhor! E vou dizer só mais uma coisa… que bela equipe de guarda-costas femininas, viu? Deu gosto de ver! Roubou a cena!

É isso!

Passo-a-passo: Chapeuzinho Vermelho entra na floresta

Uma das dúvidas que mais me deparo em sala de aula a respeito de ilustração digital é em relação aos pincéis (ou brushes), mais especificamente, quais os pincéis “certos” para fazer as ilustras e onde baixar outras opções. Ora, qualquer que seja o software utilizado, certamente este já apresentará uma infinidade de possibilidades. E você ainda precisa de mais? A meu ver, mais do que querer descobrir quais os pincéis “certos”, o que ainda existe é uma visão errônea de que ilustrar por meios digitais será mais rápido e “fácil”, beirando ao toque mágico e automático de um botão e… puf!… lá está a ilustração pronta! Não é bem assim, pequeno padawan! Assim como na vida real (de papel e lápis na mão!), no digital, você também precisa treinar bastante para poder dominar as ferramentas do software e estudar técnicas tradicionais. Entender qual exatamente é o seu propósito, já vai ajudar a estabelecer um norte na sua prática. No mais, entenda que na tela do computador o processo é muito parecido como na vida real, você também vai lidar com papel e lápis, e caneta, e pincél, e bico de pena… só que virtual!

Dito isso, vamos ao nosso passo-a-passo da vez! A cena que ilustrei é o exato momento em que a Chapeuzinho Vermelho adentrou a floresta toda serelepe, feliz e saltitante, desconhecendo o perigo pelo qual estava correndo! Naturalmente que antes desse esboço, eu já havia planejado a cena em um rafe (ou thumbnail) e já sabia o que queria fazer antes de criar a primeira camada.

chapeuzinho vermelho 01

PASSO 01: O ESBOÇO – Se você quiser bancar o ninja e fazer todas as etapas da ilustra numa única camada, vai em frente! Também é válido para o aprendizado! Aliás, tudo é válido! Só ficar parado é que não é! Afinal, no papel não existem camadas, não é mesmo? Porém, aqui eu dividi tudo em camadas. A primeira, claro, é reservada ao esboço. Procure pela aba dos “pincéis de mídia à seco”. Você encontrará os pincéis que simulam o traçado do lápis. Particularmente, prefiro utilizar as opções de “lápis de carvão”, cujos traços parecem mais de grafite do que os próprios lápis! Mas vá testando até encontrar o seu preferido!

chapeuzinho vermelho 02

PASSO 02: A ARTE-FINAL – Aqui, não tem mistério! É nanquim no papel! Ou na tela! Como eu queria um traçado forte e, por vezes, interrompido, utilizei os “pincéis redondos com tamanhos variados”. Fui mudando o pincél de acordo com a área que estava finalizando, pontas maiores para o primeiro plano e pontas menores para os planos mais afastados. E a mudança de pressão da mão sobre a caneta óptica também influencia na variação dos traçados.

chapeuzinho vermelho 03

PASSO 03: CORES-BASE – Pra variar, assim como na “vida real”, no virtual também procure começar a pintura do geral para o específico, separando em camadas cada uma dessas etapas. Aqui utilizei os “pincéis naturais” que, como o próprio nome denota, deixam transparecer uma naturalidade nas pinceladas (você “enxerga” a trajetória das cerdas). Ajuda também se você…

chapeuzinho vermelho 04

…modificar a textura do papel! Sim, isso é possível! Basta procurar na aba “configurações do pincel” e, em seguida, marcar a opção “textura”. Depois, clique no “quadradinho” com a textura e escolha a sua opção. Tem vários tipos de “papeis” e o que você escolher, aparecerão as “fibras” na pintura!

chapeuzinho vermelho 05

PASSO 04: A PINTURA – Agora é diversão a valer! O que vai contar na hora da pintura não e tanto o seu conhecimento do software ou dos pincéis, mas o conhecimento de… pintura! O propósito é criar a ilusão de peso e volume, luz e sombras, através das cores! A ideia para essa ilustra foi criar um clima assustador para a floresta, em contraste com a felicidade da menina desavisada! Daí as cores mais densas!

chapeuzinho vermelho 06

Em alguns momentos, fui adicionando fachos de luz pra poder “enxergar” melhor o cenário e separar um pouco os planos de visão. Em seguida…

chapeuzinho vermelho 08

…Preenchi com toda a carga de sombra que a ilustra pedia!

chapeuzinho vermelho 10

PASSO 05 – A ILUMINAÇÃO – Geralmente a iluminação é a última etapa de uma pintura. É ela que vai criar o contraponto às sombras e gerar a ilusão de profundidade (nesse caso!). Depois da iluminação, criei uma camada nova apenas para a pintura da Chapeuzinho Vermelho. Aqui dei uma de ninja e pintei toda a menina nessa única camada! Podia não ter dado certo, mas como eu já havia estabelecido toda a paleta do cenário, ficou mais fácil na hora de pintar a Chapeuzinho.

chapeuzinho vermelho 11

PASSO 06 – TRATAMENTO DE IMAGEM – Fala-se muito do termo “tratamento da fotografia da imagem” quando nos referimos, geralmente, ao cinema. Mas na ilustra isso também existe! Basicamente, é um tratamento final nas cores com o propósito de criar uma homogeneidade na paleta a fim de provocar uma determinada sensação psicológica na imagem. Nessa ilustra, utilizei um “filtro de foto” (encontrado na base da aba de “camadas”, clicando no círculo com meia-lua “preta e branca”) na cor azul para tirar o brilho da paleta verde-musgo-amarronzado e deixar a composição mais fria e dessaturada, o que provavelmente contribuiu para aumentar o clima soturno e amedrontador da floresta em contraste à carinha de felicidade inocente da Chapeuzinho!

01 chapeuzinho vermelho 2

PASSO 07 – FINISH! – Resolvi eliminar os contornos do cenário e… voilá! Tal qual os acidentes felizes da vida real (como quando a gente derruba tinta no papel sem querer e cria uma mancha espetacular!), o efeito ficou bem melhor do que quando haviam os contornos! Então… mesmo com o Ctrl+Z à sua disposição, permita-se experimentar e não tenha medo de errar! Fuce bastante, modifique bastante os pincéis e se divirta!

 

 

Dicas Ilustradas: Máscara da Ilusão

O britânico Dave Mckean é popularmente conhecido como “o cara que fez as capas do Sandman”. Mas ele é mais do que isso. Muito mais! Embora não seja pouca coisa ser capista do Sandman, Mckean também é artista plástico, desenhista, quadrinhista, diretor de arte, designer gráfico, escritor, fotógrafo, músico e ilustrador (dentre outras coisas!). E o mais impressionante é que o cara faz tudo isso bem!

Como quadrinhista, já produziu obras sensacionais, como “Batman: Asilo Arkham”, a graphic novel que mais tarde daria título à franquia de jogos do homem morcego. Sempre ao lado de grandes feras dos roteiros como Grant Morrinson (que escreveu o “Asilo Arkham”), e o seu parceiro de longa data Neil Gaiman.

Foi justamente com Neil Gaiman que Dave Mckean mais colaborou. Nos quadrinhos, a dupla produziu preciosidades como “Orquídea Negra”, “Violent Cases”, “Mr. Punch”, “Sinal e Ruído”… apenas para citar alguns! Essa parceria também foi levada para os livros ilustrados, de onde saiu “Os Lobos dentro das paredes”, “Cabelo doido” e a primeira versão de “Coraline”, em que Mckean fez belíssimas ilustrações com bico de pena, pincel e nanquim.

Diante de tantos trabalhos, o que mais faltava? Dave Mckean em “movimento”, claro! Foi daí que surgiu o filme “Máscara da Ilusão”, com história por Mckean e Gaiman, roteiro de Gaiman e direção de Mckean. Além de um terceiro parceiro na produção, a “Jim Henson Company”, conhecida por criar os Muppets e dar vida às Tartarugas Ninja nos filmes das décadas de 80 e 90.

Máscara da Ilusão é uma espécie de “O que aconteceria se Dave Mckean fizesse a sua versão de Alice no País das Maravilhas?”. O filme conta a história de Helena, uma menina que trabalha no circo, mas que gostaria de ter uma vida comum. Tal qual Alice, ela embarca em uma jornada para uma terra fantástica e precisa encontrar a tal máscara da ilusão para poder voltar pra casa.

Tudo o que caracteriza o trabalho de Dave Mckean está no filme. Seus personagens exóticos e com visual estilizado; os cenários fantásticos (mesmo os do “mundo real”); as cores ora saturadas, ora dessaturadas; as colagens de elementos estranhos; e até a ilustração! A experimentação imagética que é a sua marca nos quadrinhos, livros ilustrados e capas de CD de bandas de rock e heavy metal, estão em cada frame desse filme. Em determinado momento, é até difícil prestar atenção no enredo sem ficar observando cada detalhe do visual.

Para quem ainda não conhece o trabalho do Dave Mckean, o filme Máscara da Ilusão é uma ótima porta de entrada. Depois de subirem os créditos finais, vai ser impossível não querer correr pra livraria!

Para assistir ao trailer, clique aqui.

Sátira de “Divertida Mente” na MAD #86

Quando o filme da Pixar “Divertida Mente” estreou, fiquei impressionado com a riqueza de detalhes e sutileza com que o estúdio conseguiu transportar para a tela aspectos psicológicos tão complexos. E nem preciso falar da qualidade da animação, sempre soberba. O que me chamou a atenção também foram os personagens na mente da menininha. Na época eu estava trabalhando em outra pauta para a MAD, mas a ideia de uma sátira veio com tanta força na minha mente (não podia perder a piada. hehe), que não tive dúvidas e apresentei ao meu editor. Assim surgiu “DiverDilma Mente”, com roteiro e arte por minha conta e risco, publicada na MAD #86! Divirta-se!

mad-86_diverdilmamente_pag-01

mad-86_diverdilmamente_pag-02

mad-86_diverdilmamente_pag-03

Chegou “Rabiscos Imaginários”

Acabou de sair da gráfica a minha revista poster “Rabiscos Imaginários”. A revista mede 14,5x21cm (fechada) e mostra uma retrospectiva dos meus anos de profissão nas áreas de quadrinhos, ilustração publicitária e editorial, ricamente ilustrada (sem trocadilho) com amostras dos principais trabalhos que fiz nos últimos quatro anos. E sabe o que é melhor? A revista se transforma em um sensacional poster tamanho 42x59cm com uma ilustra em homenagem ao clássico filme “Os Goonies”. Legal, né?

“Rabiscos Imaginários” tem valor de lançamento por apenas R$ 5,00 e pode ser adquirida através de reserva por e-mail lederly@gmail.com ou facebook.com.br/lederlycomics. A entrega em mãos ocorre na Estácio Via Corpvs (terça à quinta | noite) ou Estácio Centro (segunda e sexta | noite). Por enquanto, apenas para Fortaleza.

Confira algumas imagens:

WP_20151117_09_00_35_Pro

WP_20151117_09_00_47_Pro

WP_20151117_09_01_03_Pro

WP_20151117_09_01_33_Pro

Carnaval da ilustração

Aproveitei o feriadão do Carnaval para descansar bastante e relaxar fazendo ilustrações que normalmente a correria do dia-a-dia não deixaria. O resultado foram cinco ilustrações, todas criadas diretamente no Photoshop. Confira:

10 sexta feira 13 4

11 a hora do pesadelo 6

12 supergirl vs antimonitor 04

13 hulk 08

14 batman e robin 05

Catalogando personagens em cards

Depois de um período em que passei apenas ministrando aulas (mais precisamente 2014 inteiro!), este ano estou retomando alguns projetos que estavam parados. Um deles é voltar a produzir histórias em quadrinhos dos mais variados tipos e gêneros (falei sobre isso aqui)! E, claro, não podia faltar uma das minhas grandes paixões, os quadrinhos de super-heróis. No entanto, antes de sair rabiscando as páginas, preciso urgentemente organizar algumas coisas nos meus arquivos como, por exemplo, catalogar todos (eu disse TODOS) os personagens que criei desde moleque até os dias de hoje e montar, literalmente, um mapa de todo o meu universo (isso soou grandiloquente! rs). Para essa empreitada, inventei de fazer uma coleção de cards com os personagens, com traços bem simples e diretos, mas que registre a caracterização e cores de cada um. Em apenas três dias de trabalho (lápis e arte-final), desenhei nada mais, nada menos, que 28 personagens, entre heróis, vilões e coadjuvantes! Só parei porque acabou o papel! A empreitada está apenas no início, já que estimo ter pelo menos uns 300 personagens! Mas os primeiros resultados você confere logo abaixo!

kitson 2

energia solar 2

raio 2

cris 2

fobia 2