VI NO CINEMA: Shang-Chi e a Lenda dos Dez Anéis

Não sei dizer se sou eu que estou cansando ou se os filmes estão ficando cansativos, mas “Shang-Chi e a Lenda dos Dez Anéis” é a prova cabal de que a Marvel precisa urgentemente começar a se mexer para apresentar ideias novas! Desde “Vingadores: Ultimato”, a única produção que realmente apresentou algo de novidade, foi a série “WandaVision”! De lá pra cá, foi tudo mais do mesmo, embora tenha sido empolgante ver o Capitão “Sam Wilson” América e um pouco divertido de assistir as peripécias de Loki. Mas os vícios que a própria Marvel criou nos cinemas estão todos lá!

A impressão que tenho, é que a Marvel está vivendo um círculo vicioso de “fanservices” e “cenas pós-créditos”. Algumas vezes, tudo ao mesmo tempo, como na fatídica luta livre do Abominável contra o Wong! É um fanservice que não contribui em nada para a trama e, pior, tira o expectador da história principal ao ficar imaginando o próximo filme em que se dará a continuidade explicação por trás daquela luta! Percebeu o que eu quis dizer? Esse é um mal que acomete todas as produções! Você não assiste ao filme vigente! Está sempre pensando no próximo!

Pra piorar, Shang-Chi tem uns furos de roteiros de dar dó no início do filme, como os tais pingentes que, se o pai dele tivesse usado um pouquinho de inteligência, perceberia que não precisava deles, já que tinha a solução no seu próprio calabouço; e o tal cartão postal, que serviu para juntar os irmão Shang-Chi e Xialing para… Para que mesmo? Já que o pai não precisava dos dois…

Fora que é difícil de imaginar um herói fazer frente a um artista marcial de mil anos, tendo treinado apenas dos 07 aos 14 anos! Não quero ser o chato do “no gibi não é assim”, mas sendo o chato, no gibi o Shang-Chi treinou a vida inteira! E só se rebela contra o pai quando adulto. Ou seja, é completamente plausível aceitar as suas habilidades impressionantes. Não é o caso do filme! Esse seria um detalhe que passaria batido, não fossem os problemas que relatei acima! E não vou nem falar da garota que treina arco e flecha por cinco minutos… No final, fica a impressão de que a Marvel mirou em “Kung Fu Panda” e em “Como Treinar o Seu Dragão”, mas não acertou nem em metade do carisma desses filmes, dando a sensação de algo requentado, ao invés de um filme feito em homenagem ao estilo Chinês! Se tivesse chamado a garota do arco e flecha dos cinco minutos pra atirar, talvez tivesse acertado o coração! Ah, e de “Lenda dos Dez Anéis” também não tem nada! Mas não se preocupe… tem uma cena pós-créditos que promete responder de onde vieram os anéis em um próximo filme!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s