RETROSPECTIVA 2021… E PARA O INFINITO E ALÉM EM 2022!

Chegou a tão aguardada (pelo menos pra mim!) retrospectiva do estúdio Lederly Comics! Como de praxe, faço um balanço do que foi produzido ao longo do ano para, em seguida, estabelecer metas para o ano vigente (Quer ver como foi o anterior? Clica aqui!).

Apesar da pandemia, 2021 foi um ano repleto de alegrias! Já comecei com o pé direito ao ser promovido em janeiro para a equipe de roteiristas da terceira série da revista Turma da Mônica Jovem! A minha estreia oficial se deu em agosto, em TMNJ 03, com a história “A Porta”, protagonizada por Nimbus, Maria Mello, Tikara, Keika e Toni!

Já no mês seguinte, em TMNJ 04, tive a alegria de ver publicada a “Hora do Ângelo”, protagonizada, claro, pelo anjo da guarda preferido da Turma da Mônica Jovem! Sou muito grato à Alice Takeda (minha querida diretora) e aos queridões Marina Cameron, Paulo Back, Emerson Agune e Wagner Bonilla (meus gurus!) pela confiança!

Ano que começa bem, termina bem também! Tive a honra de ser convidado para co-escrever, ao lado dos mestres Gerson Teixeira e Paulo Maffia, o especial que abriu oficialmente as comemorações de 80 anos de criação do papagaio mais brasileiro da Disney: “Zé Carioca em Aventuras Fantásticas – volume 01”. O álbum teve lançamento em dezembro, com toda pompa e circunstância, na Bienal do Livro do Rio de Janeiro, uma publicação da Editora Culturama! Grato ao meu querido editor Paulo Maffia pela confiança!

Depois dos destaques, vamos agora ao balanço e às metas:

MSP – Mauricio de Sousa Produções

Escrevi 494 páginas de roteiros em 2021! Foram 153 páginas a mais que em 2020, quando havia escrito 341 páginas! Um recorde! Foram 36 roteiros ao todo, divididos em Turma da Mônica Clássica (29 roteiros) e Turma da Mônica Jovem (7 roteiros).

A meta para 2022 é manter uma média de 50 páginas de roteiros mensais!

Disney/Editora Culturama

2021 foi o ano em que me consolidei como um dos roteiristas da equipe Disney/Culturama do Zé Carioca. Em 2020, havia escrito somente 01 roteiro e a meta para o ano seguinte era bem modesta, escrever 02 roteiros! Contrariando todas as minhas expectativas e contando com a confiança do meu editor Paulo Maffia, em 2021 cheguei a produzir 07 roteiros para o Zé Carioca, somando incríveis 78 páginas! Bom demais!

A meta para 2022, no entanto, é bem pé no chão: manter o bom trabalho e produzir, pelo menos, 60 páginas de roteiros!

Somando MSP e Disney, escrevi em 2021 impressionantes 572 páginas de roteiros ao todo! Outro recorde absoluto para mim! Uma alegria só!

Inktober 2021

Consegui cumprir a meta de fazer 01 desenho por dia ao longo de todo o mês de outubro! Aproveitei a brincadeira do “BodeTober”, idealizada pelo meu querido amigo desenhista Daniel HDR, e misturei o Zé Carioca com diversos personagens da cultura pop (Quer ver todos? Clica aqui).

A meta para 2022, claro, é brincar novamente! Esse evento virtual é um ótimo exercício de criatividade!

Lederly Comics

Em 2021 fiquei devendo um pouco para os projetos pessoais! Com os efeitos psicológicos da pandemia ainda em voga, preferi focar na MSP e Disney, trabalhar somente meio período e descansar um pouco a mente! Assim, não dei prosseguimento ao que estabeleci como metas: Livro teórico/prático de ilustração; Álbum “As Ruínas de Angoera”; Graphic novel infantil; e Contos em Quadrinhos.

Por isso, a meta para 2022 é bem modesta e mais pé no chão: dar prosseguimento ao livro de Ilustração no primeiro semestre (que já tem 02 capítulos prontos, de um total de 06) e começar a escrever o roteiro da graphic novel infantil no segundo semestre!

Então é isso! Bastante coisa bacana para produzir em 2022! Em fevereiro, voltarei com tudo com a estreia oficial da nova identidade visual do blog e das redes sociais! E vamos que vamos!

VI NO CINEMA: Ghostbusters Mais Além

Primeiro de tudo, quero elogiar a tradução do título que diz duas coisas em uma só! Ao mesmo tempo em que mostra que um legado está sendo deixado para seguir em frente, indo mais longe, “mais além”, também diz que teremos mais elementos do “além vida”, mais fantasmas, mais assombrações, mais ectoplasmas…

Maaaas… enquanto no primeiro quesito, o do legado, o filme se mostra excelente, no segundo, o “núcleo” dos fantasmas, já não é tão interessante! Inclusive é o ponto fraco do filme, principalmente no terceiro ato!

Dois terços do filme são pautados pela apresentação dos novos personagens, da cidade e dos mistérios que cercam o tal avô recluso “planta-lama”, mesmo que todos já saibamos de quais mistérios estamos falando! Aqui, o filme é impecável! Somos fisgados pelo carisma de todos os personagens, com destaque para a dupla Phoebe e Podcast! Dá vontade de ficar eternamente vendo a vida de todos, até o relacionamento atrapalhado entre o professor e a mãe!

No entanto, como é um filme de “caça fantasmas”, em algum momento precisa aparecer fantasmas para serem caçados! E até que demora muito! Mas quando aparece, dá aquela nostalgia pura e adrenalina divertida ver as crianças caçando pela cidade em um Ecto 01 todo enferrujado, mas mandando ver nas manobras! Pena que não tocou a musiquinha!

Já se aproximando do fim, é que vem o problema! A ameaça principal, tão alardeadamente colocada como arauto do fim do mundo, não passa a sensação de ser essa cocada toda! E o problema é justamente porque não há interação com a cidade! Se o filme tivesse mostrado um pouco desse tal apocalipse, com os moradores da cidade reagindo aos fantasmas, já seria suficiente! O que tem, é apenas uma piadinha na lanchonete! E só! Dessa forma, coisas que não incomodavam antes, como o Podcast de repente se tornar um expert em caça fantasmas e explicar tudo a todo momento, passa a incomodar!

Mesmo assim, todos os realizadores conseguiram entregar um filme muito divertido, com a cara da Sessão da Tarde, no sentido mais positivo da palavra, fazendo com que a gente saia do cinema já com saudade e querendo ver novamente aquela molecada caçando fantasmas mundo afora! E a homenagem no final faz qualquer um descer uma lágrima! Muito emocionante!

VI NO CINEMA: Shang-Chi e a Lenda dos Dez Anéis

Não sei dizer se sou eu que estou cansando ou se os filmes estão ficando cansativos, mas “Shang-Chi e a Lenda dos Dez Anéis” é a prova cabal de que a Marvel precisa urgentemente começar a se mexer para apresentar ideias novas! Desde “Vingadores: Ultimato”, a única produção que realmente apresentou algo de novidade, foi a série “WandaVision”! De lá pra cá, foi tudo mais do mesmo, embora tenha sido empolgante ver o Capitão “Sam Wilson” América e um pouco divertido de assistir as peripécias de Loki. Mas os vícios que a própria Marvel criou nos cinemas estão todos lá!

A impressão que tenho, é que a Marvel está vivendo um círculo vicioso de “fanservices” e “cenas pós-créditos”. Algumas vezes, tudo ao mesmo tempo, como na fatídica luta livre do Abominável contra o Wong! É um fanservice que não contribui em nada para a trama e, pior, tira o expectador da história principal ao ficar imaginando o próximo filme em que se dará a continuidade explicação por trás daquela luta! Percebeu o que eu quis dizer? Esse é um mal que acomete todas as produções! Você não assiste ao filme vigente! Está sempre pensando no próximo!

Pra piorar, Shang-Chi tem uns furos de roteiros de dar dó no início do filme, como os tais pingentes que, se o pai dele tivesse usado um pouquinho de inteligência, perceberia que não precisava deles, já que tinha a solução no seu próprio calabouço; e o tal cartão postal, que serviu para juntar os irmão Shang-Chi e Xialing para… Para que mesmo? Já que o pai não precisava dos dois…

Fora que é difícil de imaginar um herói fazer frente a um artista marcial de mil anos, tendo treinado apenas dos 07 aos 14 anos! Não quero ser o chato do “no gibi não é assim”, mas sendo o chato, no gibi o Shang-Chi treinou a vida inteira! E só se rebela contra o pai quando adulto. Ou seja, é completamente plausível aceitar as suas habilidades impressionantes. Não é o caso do filme! Esse seria um detalhe que passaria batido, não fossem os problemas que relatei acima! E não vou nem falar da garota que treina arco e flecha por cinco minutos… No final, fica a impressão de que a Marvel mirou em “Kung Fu Panda” e em “Como Treinar o Seu Dragão”, mas não acertou nem em metade do carisma desses filmes, dando a sensação de algo requentado, ao invés de um filme feito em homenagem ao estilo Chinês! Se tivesse chamado a garota do arco e flecha dos cinco minutos pra atirar, talvez tivesse acertado o coração! Ah, e de “Lenda dos Dez Anéis” também não tem nada! Mas não se preocupe… tem uma cena pós-créditos que promete responder de onde vieram os anéis em um próximo filme!

VI NO CINEMA: O Esquadrão Suicida

O Esquadrão Suicida não tem nada de mais! Mas tem James Gunn no comando, o que já é a melhor coisa que o filme poderia ter! O diretor pega um punhado de vilões de décima quinta categoria do universo DC, se inspira na melhor fase da equipe nos quadrinhos (aquela produzida por John Ostrander e Luke Mcdonnell) e entrega o filme mais divertido e porradeiro da DC dos últimos tempos!

Assim como nas HQs de Ostrander/Mcdonnell, aqui o enredo acertadamente não perde tempo com os “comos” e “por quês”, e muito menos em entrelaçar com outros filmes (passados ou futuros), e já parte pra ação da missão do dia em um país chamado Corto Maltese, como em uma segunda-feira normal para os comandados da (ótima) Amanda Waller! A meu ver, este é o principal ponto positivo da trama! Como é bom voltar a assistir a um filme de super-heróis fechadinho, sem ter que se preocupar com o que veio antes ou virá depois! O expectador pode, enfim, voltar a se concentrar apenas na história vigente!

Outro ponto positivo é a forma como James Gunn trabalha os personagens e faz nos importar com cada um deles, mesmo os mais insignificantes! E olha que tem bastante, viu? A Arlequina nunca esteve tão bem, linda, maravilhosa, poderosa e sexy, sem apelar em momento algum para a hipersexualização ou a sensualização gratuita (em momento algum tem enquadramentos constrangedores sobre a moça)! Outro personagem que se destaca, é o Pacificador, unanimemente transformado naquele escroto que adoramos odiar! Ao final do filme, fiquei com uma pontinha de esperança de ver uma “Liguinha” nos cinemas, com um embate entre Pacificador e Guy Gardner (com direção de James Gunn, claro!). Outros que chamam a atenção, são a Caça-Ratos II e o Tubarão Rei, o “coração” da equipe! Por fim, o Sanguinário e o Homem das Bolinhas também dão o seu show! E que show!

O aparentemente simples roteiro do filme ainda consegue nos pregar algumas peças! Por isso, espere o inesperado em relação à sobrevivência dos personagens! Afinal, este é verdadeiramente o Esquadrão Suicida! Ah, destaco também a criatividade de algumas idas e vindas temporais nos acontecimentos e os “subtítulos” no decorrer da história, como se fosse uma minissérie em quadrinhos dividida em capítulos!

Por falar em quadrinhos, quer vilão mais “gibi” do que o Starro? Apesar da superexposição nos diversos trailers, a aparição de Starro ainda consegue causar espanto! Eu mesmo preferi assistir a somente um trailer, para manter as surpresas e potencializar as surpresas. E funcionou! James Gunn consegue até mesmo dar “humanidade” a uma estrela-do-mar alienígena, vejam só!

No frigir dos ovos, em meio ao mais do mesmo nos filmes de “supers”, O Esquadrão Suicida traz um certo frescor, mesmo tendo um enredo deveras clichê! Mas como é bem trabalhado por uma mente muito criativa, diverte e nos faz pedir por mais! E fica aqui a minha torcida para um novo filme da Liga da Justiça (Internacional), mas dessa vez com Besouro Azul, Gladiador Dourado, Gui Gardner, Shazam, Fogo, Gelo, Canário Negro, Senhor Milagre, Oberon e… Ajax e Batman! Pena que estragaram o Max Lord em Mulher-Maravilha 1984! Mas como os filmes da DC agora não se “amarram”, fica a torcida!

O QUE ANDEI LENDO: BOX AQUAMAN

A Panini aproveitou para “surfar na onda” do lançamento do filme do Aquaman e colocou à venda no final de 2018 um box contendo toda a trajetória do Rei da Atlântida sob a batuta de Geoff Johns nos famigerados “Novos 52”! A caixa contém, em ordem de leitura, os encadernados “Liga da Justiça: Origem”; “Aquaman: As profundezas”; “Aquaman: Os Outros”; “Liga da Justiça: O trono da Atlântida” e “Aquaman: A morte de um Rei”! Todos em capa cartonada. Os desenhos ficaram por conta de Jim Lee, Ivan Reis e Paul Pelletier, além de outros convidados.

O que posso dizer, logo de cara, é que o Geoff Johns passa a impressão de ter dupla personalidade! Na Liga da Justiça, seu texto é truncado, fragmentado, enfadonho e cheio de clichês absurdos, como na parte em que o Batman e o Lanterna Verde decidem ir até Metropólis para confrontar o Superman apenas por ele ser um alienígena (como os parademônios)! E, claro, chegando lá, o Superman também acabou de enfrentar (coincidentemente) os asseclas do Darkseid e vai pra cima do homem morcego e do Hal Jordan! Já no Aquaman, seu texto é redondinho, cheio de boas sacadas, aventuresco e agradável de se ler! Dá vontade de devorar as páginas e ver até onde o Arthur Curry vai parar!

A diferença entre os dois títulos também é sentida na arte. Na Liga da Justiça, o traço do Jim Lee é até bonito, mas parece corrido e desproporcional. Não ajuda muito os novos designs dos uniformes, cheios de firulas que não servem para nada, apenas para dar dor de cabeça aos desenhistas dos títulos solo dos personagens! A impressão que se tem, é que o Jim Lee é um péssimo character designer, daqueles que pega algo pronto e sai rabiscando linhas a esmo só para pagar de detalhista! Deviam ter chamado o veterano mestre José Luis Garcia-López para essa função! Do jeito que ficou, está com cara de Image Comics da década de 1990!

Já no Aquaman, os uniformes do herói e da Mera dão gosto de ver, de tão elegantes que são! Dá para sentir o constrangimento do Ivan Reis em ter que seguir (mais ou menos) o visual estabelecido pelo “chefe”. Mas, assim como a elegância de seu traço, o Reis elegantemente dá um chega para lá no visual “Image” e mostra uma proposta anos-luz de distância em termos de qualidade! Sem falar que o seu traço é muito mais consistente do que o do Jim Lee. No segundo encadernado da Liga de Justiça, o Lee sai de cena e o Ivan Reis assume o título da superequipe, sendo substituído em Aquaman pelo Paul Pelletier, que não tem o mesmo nível do Reis, mas consegue segurar a peteca e entregar um feijão com arroz bem competente. No último volume de Aquaman (A morte de um rei), Pelletier chega a impressionar com algumas cenas de panorâmicas!

Sobre os enredos, é o que eu já falei: no título da Liga da Justiça, Johns parece não saber o que fazer ao contar as origens da equipe. O ponto positivo é a inclusão do Ciborgue! Para quem é fã dos Novos Titãs (como é o meu caso), pode ficar com um pé atrás! Mas como o Victor Stone é o único personagem bem trabalhado, acaba ganhando uma relevância bem interessante de se ver. Se não fosse por essa armadura genérica… Pelo menos ficou melhor desenhada pelo Ivan Reis! No título do Aquaman, o enredo está melhor estruturado e acompanhamos a trajetória de Arthur Curry pós-recusa do reinado da Atlântida. Quem está no trono é o seu irmão Orm! Quem dá as caras também são “Os Outros”, antiga equipe de Aquaman, e o vilão Arraia Negra! Além dos impressionantes habitantes do Fosso!

Quando os títulos se encontram em “O Trono da Atlântida”, as histórias da Liga da Justiça dão uma leve melhorada. Como eu disse, parecem ser dois Geoff Johns, e ambos têm uma certa dificuldade em realizar o crossover, dadas as inconsistências nas linhas cronológicas dos enredos! Até o uniforme do Aquaman fica inconsistente, já que no gibi da Liga era de um jeito e no do Rei dos Setes Mares, de outro! Mas o Ivan Reis consegue segurar o tranco, seguido fielmente pelo Paul Pelletier! Quando entra o Tony Daniel… xiiii!

São mais de 800 páginas de quadrinhos que li voando! Apesar de ser uma leitura mais truncada na Liga da Justiça, o gibi do Aquaman foi devorado em um piscar de olhos, tamanha a diversão dos enredos! O Rei dos Sete Mares entra no hall das boas coisas dos Novos 52, ao lado da Mulher-Maravilha, Action Comics, Batman e Flash! Já Liga da Justiça…

Imagens extraídas do site da Panini.

NOVOS TEMPOS. NOVOS RUMOS.

Faz bastante tempo que “Lederly Mendonça” deixou de ser apenas um nome para se tornar uma marca. E como toda marca, precisa ser trabalhada com clareza para se posicionar de forma eficaz diante do público, do mercado e da sua área de atuação.

O primeiro passo nesse sentido, foi a exclusão definitiva de todas as redes sociais relacionadas, que continham postagens aleatórias e acessos desencontrados (no Facebook era “Lederlycomics”, já no Instagram, “ChicoLederly”). Em seguida, padronizar o conteúdo e unificar todos os acessos através de uma única marca: “Lederly Mendonça”.

À priori, a divulgação dos meus trabalhos será através deste espaço (lederly.com.br) e do novo perfil no Instagram (@lederlymendonca). Mais para frente, abrirei novas contas no Facebook e Twitter.

O importante é que, a partir de agora, toda vez que você pesquisar “Lederly Mendonça” nos sites de busca, com certeza encontrará o mesmo conteúdo de qualidade, com divulgação do portfólio, experimentos artísticos e projetos em andamento.

Portanto, seja bem-vindo! Novos tempos, sempre pedem novos rumos!

VI NO CINEMA: Alita – Anjo de Combate

O primeiro contato que tive com a Alita (nome pelo qual a personagem é chamada nos EUA) foi através de uma versão não-autorizada de volume único que encontrei por acaso em uma banquinha de esquina no centro da cidade! Logo de cara, o mangá passou a figurar entre os meus favoritos, ao lado de Evangelion, Lobo Solitário, Mai e Blade!

02

Tempos depois, foi lançada um versão oficial da Gally (nome pelo qual a personagem é chamada no Japão) em dezoito volumes com o título “Hyper Future Vision Gunnm”. Eu, que já era fã, fiquei ainda mais fascinado pela personagem!

03

Imagem extraída do Guia dos Quadrinhos

 

Mais algum tempo, e Hollywood anuncia que estaria sendo preparada uma versão “live action” (o velho “com gente se mexendo”) sob a batuta de James Cameron. Não posso dizer que fiquei “preocupado” com isso! Aliás, acho um exagero quando vejo por aí o povo alardeando aos quatro ventos que está “muito preocupado, com muito medo” ou coisa do tipo ao se referir a algum filme, série, gibi… Gente, menos, né? Minha vida segue normalmente se uma adaptação for boa ou ruim!

Mesmo assim, já sabemos como é difícil o povo acertar a mão com adaptações de mangá e vídeo game! Por isso, a recepção à notícia de um filme da Alita (não me acostumo a vê-la como Gally de jeito nenhum!) não foi das mais calorosas. E piorou muito após a divulgação das primeiras imagens da atriz com os “zóios” arregalados por computador!

01

Mesmo assim (já falei isso?), eis um caso de uma adaptação quase perfeita de um mangá para o cinema. Falo “quase perfeita”, porque o filme tem um probleminha de ritmo no primeiro terço devido à velha necessidade de situar o espectador no mundo da história. E parece que os roteiristas só sabem fazer isso com o didatismo, em que um ou mais personagens “explicam” tudo para o protagonista, geralmente desmemoriado, confuso ou recém-chegado (ou os três!). Tenho aprendido que, em um enredo, você deve seguir a máxima de “mostrar, não falar”! Com isso, o começo do filme fica um pouco lento demais, chato demais, sem muita naturalidade. Dá pra perceber que os personagens só estão falando pra situar o espectador, quando o ideal é que a gente não perceba (mesmo sabendo qual a função daquelas cenas).

O visual da Alita incomoda um pouco no início, não vou mentir! Mas logo nos acostumamos com os olhos desproporcionais devido à doçura com que a atriz interpreta a personagem. E aí, sim, dá pra entender a escolha em deixar os olhos como no mangá, porque transmitem de forma potencializada todas as emoções vividas pela Alita. No entanto, o corpo da menina destoa um pouco dos demais “humanos” por causa de uma leveza exagerada! Não sei dizer se a Alita foi feita por captura de movimento, mas no início do filme ela parece não ter peso, nem volume! Mas passados uns vinte minutos (quando tem a primeira cena de ação), esse problema parece ter sido corrigido e seguimos sem sentir mais nenhum estranhamento até o final!

04 ALITA_18fev

A Alita realmente vai crescendo como “pessoa” ao longo da trama, mostrando que dá pra escrever uma personagem feminina forte (por dentro e por fora, literalmente), sem deixar de lado a meiguice e a doçura. Não é porque ela é forte, que não possa ser meiga e até se apaixonar, por exemplo! Aliás, é impossível não se apaixonar pela Alita por todos esses atributos! Quanto às bizarrices mais extremadas do mangá, foram todas amenizadas no filme para evitar uma censura alta! Mesmo assim (de novo?), a essência da brutalidade das cenas de ação estão todas lá! E são de encher os olhos!

Por fim, “Alita – Anjo de Combate” traz uma nova esperança por boas adaptações de mangá, onde o respeito pela essência da obra original prevaleça. Para quem tem a versão em dezoito volumes da Editora JBC, saiba que o filme adapta os cinco primeiros. Agora é torcer para a bilheteria ter um bom resultado que propicie a gravação da continuação. A Alita merece!

STEVE DITKO – Mais um amigo de infância que parte

Existem na cultura pop pessoas que nos são tão importantes quanto nossos próprios parentes, sejam elas da música, do cinema, das artes ou, no caso do Steve Ditko, dos quadrinhos. São pessoas que, no meu caso, crescemos lendo e guardamos nos nossos corações e mentes como verdadeiros amigos de infância. Por isso mesmo, é que dá uma sensação muito grande de tristeza quando um desses amigos partem. O mais recente foi o grande Steve Ditko.

Só conheci o Ditko do Homem-Aranha e outros trabalhos espaçados da Marvel, como o final da Guerra dos Espectros com o Rom e alguns gatos pingados dos Vingadores. Apesar de ao longo do tempo descobrir que alguns dos meus personagens favoritos da DC são criações do Ditko (Besouro Azul, Questão, Rapina e Columba…), nunca cheguei a ler as HQs produzidas por seu criador, já que só lia o que era publicado por estas bandas! Só recentemente, por exemplo, foi que pude ler uma sequência do Doutor Estranho, publicada aqui graças à visibilidade alcançada com o filme.

01

Já mencionei diversas vezes que na época em que eu era moleque lia tudo o que literalmente caía nas minhas mãos! Era uma época em que não existia internet e eu era muito pobre! Então eu não tinha muita frescura como existe hoje em dia (ouvi lombada quadrada?)! Foi assim que descobri o Steve Ditko. Na época, a Abril estava publicando a fase do uniforme negro, se não me falhe a memória. Eu não acompanhava das bancas, apenas pegava emprestada ou trocava com a gurizada do bairro. Então éramos acostumados ao formatinho. Assim, não lembro exatamente como, mas eis que cai em minhas mãos uma revista do Homem-Aranha toda “diferentona” em formato americano intitulada “O Fabuloso Homem-Aranha”. Era a edição nº 06 de uma editora portuguesa, que trazia um confronto do Cabeça de Teia com o Doutor Octopus. Eu não saiba na época, mas tratava-se do segundo encontro entre os dois! Agora imagine a alegria de um moleque ao pegar aquela revista “grandona”, com papel branquinho e desenhos dinâmicos! Li e reli diversas vezes! Fiquei fascinado com aquela versão do Homem-Aranha mais esguia e ágil! E o Doutor Octopus, então? Que amedrontador! Depois dessa, só voltei a ter contato com a arte do Ditko na saudosa Heróis da TV #100 e, depois, no Superalmanaque Marvel #01.

02

O tempo passou e a Editora Abril lançou a série Spider-man Collection, que trazia um gibi com republicação em p&b da fase do Steve Ditko e John Romita, mais uma fita cassete com episódios do desenho animado do Homem-Aranha. Obviamente custava os olhos da cara e eu não comprei na época do lançamento! Só adquiri tempos depois em um sebo a coleção completa (eram 16 edições, mas sem os vídeos!).

03

Nessa altura do campeonato, eu já havia lido muita coisa do passado do Amigão da Vizinhança graças à revista A Teia do Aranha, mas muito pouco ainda das histórias produzidas pelo Ditko. A minha surpresa, nesse caso, não foi apenas com a qualidade e dinamismo do traço! Mas com o fato de que tudo o que eu havia lido dali em diante, tinha suas bases naquelas histórias criadas pelo Stan Lee e pelo Steve Ditko. Até as poses “contorcionistas” exageradas anos depois pelo Todd McFarlane já estavam lá (Todd, seu danadinho…)! Fiquei de queixo caído porque os dois criaram as tramas do zero, vilões do zero, personagens coadjuvantes do zero e aquilo tudo já era muito bom na época! Foi um choque ver que os autores que vieram depois apenas requentaram o que essa dupla havia desenvolvido do… zero! E requentam até hoje, diga-se de passagem! Devorei com uma voracidade incrível todas aquelas HQs do passado! E agora que mais um amigo de infância partiu, fica aqui uma pontinha de tristeza, mas com uma alegria por ter crescido ao lado de tão boa companhia. Descanse em paz, meu querido Steve Ditko!

04

Imagens extraídas do site Guia dos Quadrinhos.

Todo mundo quer ser Alan Moore, ninguém quer ser Maurício de Sousa

Esta semana tive a satisfação de gravar uma áudio-aula, a convite do meu querido amigo Raymundo Netto, para o Curso de Histórias em Quadrinhos em Sala de Aula da Fundação Demócrito Rocha. Dentre os diversos temas abordados no bate-papo, dois em especial me provocaram uma reflexão pós-gravação, que vou procurar explanar neste texto.

O primeiro, foi o velho e já batido tema de “as pessoas veem os quadrinhos como sendo coisa para crianças”. Na ocasião, parafraseei o grande Sidney Gusman ao falar “que bom que quadrinhos TAMBÉM são coisa para crianças” e acrescentei que os produtores de HQs precisam, de uma vez por todas, superar esse “complexo de vira-lata” e seguir a vida produzindo os seus gibis para o público que lhes convier. Daí, inevitavelmente desembocamos no também batido tema “mercado de quadrinhos”, no qual afirmei que não tinha opinião formada sobre isso!

Refletindo agora, continuo sem opinião formada sobre isso e cada vez mais longe de alguma solução! Mas é notório que não temos um mercado! O Brasil é enorme, a distribuição é péssima e o – pouco – público leitor está muito espaçado. Mas vejo outro problema também. Não há a renovação de leitores. E por quê? Simples! Porque todo mundo quer ser Alan Moore, mas ninguém quer ser Maurício de Sousa!

Polêmica? Vou explicar! No “meu tempo”, quando quadrinhos eram “coisa de criança”, nós tínhamos títulos para todos os gostos e bolsos, dos mais diversificados, dos melhores aos piores! Aquelas crianças que liam gibis, assim como eu, foram crescendo e se transformando em adultos. Coincidiu de também começarem a aparecer os gibis “adultos” para atender a demanda. Porém, mais do que simplesmente atender à demanda “adulta”, esses quadrinhos “sombrios e realistas” tinham como meta “provar” que HQs não eram “coisa de criança”. E o que aconteceu? Gibi deixou de ser coisa de criança! E isso foi péssimo. É péssimo até hoje!

Assim, quem consumia quadrinhos quando criança e cresceu, agora só quer produzir quadrinhos voltados para o público adulto, com tramas mais complexas, arte experimental e tudo o que tiver direito! Nada contra! Mas isso faz com que os quadrinhos produzidos atendam um público cada vez menor, até chegar ao ponto onde estamos, quando os quadrinhistas estão praticamente produzindo uns para os outros. E a renovação do público aonde fica? E as crianças que estão entrando na fase de leitura? Que vão crescer e poderiam aumentar o mercado? Quem está produzindo para elas? Quer uma resposta? Apenas o Maurício de Sousa! E sabe por quê? Porque ninguém quer produzir quadrinhos que sejam “coisa de criança”. Só querem produzir quadrinhos “adultos”. No final, todo mundo só quer ser Alan Moore, mas esquecem que, se não houver uma renovação de público, o mercado vai ficar cada vez menor!

Não adianta ficar apenas reclamando que as grandes editoras não investem em novos talentos, que o governo não incentiva ou que isso e aquilo outro! Não sei qual é a solução para melhorar o mercado. Mas sei que, se ninguém quiser produzir quadrinhos que sejam “coisa de criança”, é quase certo que a tendência é piorar. E não me venha falar sobre os “grandes eventos” com milhares de lançamentos! Enquanto o cara estiver vendendo o almoço para comprar a janta (que é o que acontece com essa onda de financiamento coletivo), e não conseguindo se sustentar apenas com a sua produção, com um salário mensal razoável, para mim, isso não é mercado. É apenas oba-oba. E me desculpe… sou artista, mas não vivo de amor à arte! A conta de luz não se paga com amor de arte!

Vi na Netflix: Legion

Ok, vi apenas o primeiro episódio! Ainda não tenho uma opinião formada sobre a série Legion que acabou de entrar no catálogo da Netflix e nem pretendo formá-la ou expor-la aqui neste texto! O que posso dizer, apenas como um bom bate-papo de beira de calçada entre amigos, é que o episódio começa muito bem, com umas pirações que te deixam grudado na tela com medo de piscar, perder algum detalhe e, depois, não entender o contexto daquela trama aparentemente complexa! Eu falei “aparentemente”? Pois é! Do meio pro fim, quando as peças do quebra cabeça vão se encaixando, você percebe que a trama é rasa e aquela loucura toda do começo foi apenas pirotecnia narrativa para esconder a falta de complexidade do enredo! Em suma, o episódio tenta parecer uma ferrari quando, na verdade, não passa de um chevette! Depois que se constata que a história é tão rasa quanto piscina pra criança, coisas que não incomodavam tanto, passam a incomodar demais, como o “cabelinho descolado” e milimetricamente assanhado com laquê do protagonista. Nada mais adequado para alguém que está em um hospício, correto? Coisas típicas de séries juvenis americanas… Mas enfim! Deu preguiça de prosseguir para o segundo episódio, mas vou tentar mais tarde!

legion 01

Mas vamos falar de coisa boa agora? As referências? Para quem não sabe, David Haller – o Legião – é o filho do Professor Charles Xavier com a embaixadora de Israel Gabrielle Haller. Os dois se conheceram quando jovens, na mesma ocasião em que o Xavier conheceu um tal de Erik Magnus Lehnsherr (aquele que viria a se tornar o Magneto). Na época, Gabrielle era apenas uma enfermeira e estava envolvida numa trama com o nefasto líder da Hidra, o Barão Wolfgang von Strucker, e acaba sendo sequestrada pelo vilão. Xavier e Magnus partem para o resgaste e o futuro líder dos X-men acaba se apaixonando pela bela enfermeira, o que resulta (sem que ele saiba) no David Haller! Parece óbvio que essa trama toda não será abordada na série, mas vale a pena conferir! A HQ escrita pelo Chris Claremont e desenhada por Dave Cockrum foi publicada em Uncanny X-men #161, bem no meio da Saga da Ninhada, e saiu no Brasil na saudosa Superaventuras Marvel #66, da Editora Abril.

legion 03

legion 02

Só ficamos sabendo que o Xavier tinha um filho, inclusive ele próprio, anos mais tarde na edição de número 26 de The New Mutants, também escrita por Chris Claremont e soberbamente ilustrada, com diversas experimentações visuais e narrativas, por Bill Sienkiewicz! Aqui, saiu em O Incrível Hulk #79. Por se tratar do filho do maior telepata do mundo, era de se imaginar que David Haller seria um mutante de igual potencial. E, de fato, é o que acontece. David sofre de múltiplas personalidades e cada uma apresenta um poder diferente, que vai desde à telepatia e telecinese, até manipulação da realidade! E, pior, todas elas brigam para ver quem domina o corpo do jovem rapaz! Podia piorar? Sim! Nem todas as personalidades são boazinhas! Agora imagine o estrago! Aliás, não precisa imaginar! Corra atrás dos sebos para ver se encontra as edições antigas do Hulk da Editora Abril ou compre o encadernado em capa dura da Panini “Os Novos Mutantes: Entre a Luz e a Escuridão”. Esse encadernado traz o início da fase desenhada pelo Sienkiewicz, que vale muito a pena, mas não tem a história do Legião! Fica para um volume dois… talvez!

legion 05

legion 04

legion 06

legion 07

legion 08

legion 09

As capas aqui apresentadas foram colhidas no sensacional site Guia dos Quadrinhos. Se você ainda não conhece, dá uma conferida!