Dicas Ilustradas: ANINA

Zapeando pela Netflix (como sempre!), descobri mais uma pequena pérola animada, o filme ANINA. Nunca tinha ouvido falar dessa produção espanhola antes de encontrá-lo no meio do catálogo do streaming. Aliás, nem tenho certeza se é da Espanha (deduzi isso pelo idioma principal da dublagem)! Mas pouco importa também! Parece-me, inclusive, que se trata de uma adaptação de um livro infantil. Depois vou atrás de buscar algo mais a respeito das origens dessa obra. Por enquanto, o que me interessou logo de cara foi o estilo da ilustração. E é sobre isso que vou falar nesse “Dicas Ilustradas”.

01

Falando um pouco do enredo, o filme conta a história da pequena Anina, que tem dificuldade em lidar com o seu próprio nome por se tratar de um palíndromo, que são palavras que podem ser lidas do mesmo jeito nos dois sentidos, de trás pra frente, de frente pra trás, vice-versa, simultaneamente e concomitantemente… Tá, você já entendeu, eu sei! O nome da menina é resultado de uma obsessão do seu pai por palíndromos. Se você, assim como eu, tem um nome um “pouco” diferente, deve imaginar o que a menina passa na escola de zoação entre os amiguinhos. E é justamente durante uma confusão com o seu nome, que Anina se mete em uma tremenda encrenca com a valentona da escola e vai parar na diretoria. O que se segue, é uma série de questionamentos sobre bullyng, sobre pontos de vista (colocar-se no lugar do outro antes julgá-lo) e, claro, sobre coisas da vida que vão e vêm, assim como o nome da protagonista. Uma bela história de aprendizado na infância!

02

Sobre o estilo da ilustração, o filme mostra uma animação gerada por computador, mas que emula uma estética cheia de texturas que lembram muito técnicas de pintura à seco como lápis de cor, giz ou pastel. O traço é bem estilizado, com construções de personagens baseadas em formas mais geometrizadas como círculos, retângulos, quadrados, e uma perspectiva mais distorcida para os cenários, com linhas esguias e sinuosas. E as cores? Que bela paleta de cores quebradas e dessaturadas! Os cenários são sempre representados com cores mais sóbrias (marrons quentes e frios, verdes “musgo”, sépias, ocres), ao passo que os personagens são mostrados com cores um pouco mais vibrantes e saturadas (laranjas, vermelhos, azuis), o que gera um contraste sensacional! Juntando todos esses elementos de linha visual, você tem a sensação de estar assistindo a um livro ilustrado em movimento!

03

05

Para assistir ao trailer, basta clicar aqui. E para ver o filme inteiro, é só acessar a sua Netflix!

Anúncios

Passo-a-passo: Chapeuzinho Vermelho entra na floresta

Uma das dúvidas que mais me deparo em sala de aula a respeito de ilustração digital é em relação aos pincéis (ou brushes), mais especificamente, quais os pincéis “certos” para fazer as ilustras e onde baixar outras opções. Ora, qualquer que seja o software utilizado, certamente este já apresentará uma infinidade de possibilidades. E você ainda precisa de mais? A meu ver, mais do que querer descobrir quais os pincéis “certos”, o que ainda existe é uma visão errônea de que ilustrar por meios digitais será mais rápido e “fácil”, beirando ao toque mágico e automático de um botão e… puf!… lá está a ilustração pronta! Não é bem assim, pequeno padawan! Assim como na vida real (de papel e lápis na mão!), no digital, você também precisa treinar bastante para poder dominar as ferramentas do software e estudar técnicas tradicionais. Entender qual exatamente é o seu propósito, já vai ajudar a estabelecer um norte na sua prática. No mais, entenda que na tela do computador o processo é muito parecido como na vida real, você também vai lidar com papel e lápis, e caneta, e pincél, e bico de pena… só que virtual!

Dito isso, vamos ao nosso passo-a-passo da vez! A cena que ilustrei é o exato momento em que a Chapeuzinho Vermelho adentrou a floresta toda serelepe, feliz e saltitante, desconhecendo o perigo pelo qual estava correndo! Naturalmente que antes desse esboço, eu já havia planejado a cena em um rafe (ou thumbnail) e já sabia o que queria fazer antes de criar a primeira camada.

chapeuzinho vermelho 01

PASSO 01: O ESBOÇO – Se você quiser bancar o ninja e fazer todas as etapas da ilustra numa única camada, vai em frente! Também é válido para o aprendizado! Aliás, tudo é válido! Só ficar parado é que não é! Afinal, no papel não existem camadas, não é mesmo? Porém, aqui eu dividi tudo em camadas. A primeira, claro, é reservada ao esboço. Procure pela aba dos “pincéis de mídia à seco”. Você encontrará os pincéis que simulam o traçado do lápis. Particularmente, prefiro utilizar as opções de “lápis de carvão”, cujos traços parecem mais de grafite do que os próprios lápis! Mas vá testando até encontrar o seu preferido!

chapeuzinho vermelho 02

PASSO 02: A ARTE-FINAL – Aqui, não tem mistério! É nanquim no papel! Ou na tela! Como eu queria um traçado forte e, por vezes, interrompido, utilizei os “pincéis redondos com tamanhos variados”. Fui mudando o pincél de acordo com a área que estava finalizando, pontas maiores para o primeiro plano e pontas menores para os planos mais afastados. E a mudança de pressão da mão sobre a caneta óptica também influencia na variação dos traçados.

chapeuzinho vermelho 03

PASSO 03: CORES-BASE – Pra variar, assim como na “vida real”, no virtual também procure começar a pintura do geral para o específico, separando em camadas cada uma dessas etapas. Aqui utilizei os “pincéis naturais” que, como o próprio nome denota, deixam transparecer uma naturalidade nas pinceladas (você “enxerga” a trajetória das cerdas). Ajuda também se você…

chapeuzinho vermelho 04

…modificar a textura do papel! Sim, isso é possível! Basta procurar na aba “configurações do pincel” e, em seguida, marcar a opção “textura”. Depois, clique no “quadradinho” com a textura e escolha a sua opção. Tem vários tipos de “papeis” e o que você escolher, aparecerão as “fibras” na pintura!

chapeuzinho vermelho 05

PASSO 04: A PINTURA – Agora é diversão a valer! O que vai contar na hora da pintura não e tanto o seu conhecimento do software ou dos pincéis, mas o conhecimento de… pintura! O propósito é criar a ilusão de peso e volume, luz e sombras, através das cores! A ideia para essa ilustra foi criar um clima assustador para a floresta, em contraste com a felicidade da menina desavisada! Daí as cores mais densas!

chapeuzinho vermelho 06

Em alguns momentos, fui adicionando fachos de luz pra poder “enxergar” melhor o cenário e separar um pouco os planos de visão. Em seguida…

chapeuzinho vermelho 08

…Preenchi com toda a carga de sombra que a ilustra pedia!

chapeuzinho vermelho 10

PASSO 05 – A ILUMINAÇÃO – Geralmente a iluminação é a última etapa de uma pintura. É ela que vai criar o contraponto às sombras e gerar a ilusão de profundidade (nesse caso!). Depois da iluminação, criei uma camada nova apenas para a pintura da Chapeuzinho Vermelho. Aqui dei uma de ninja e pintei toda a menina nessa única camada! Podia não ter dado certo, mas como eu já havia estabelecido toda a paleta do cenário, ficou mais fácil na hora de pintar a Chapeuzinho.

chapeuzinho vermelho 11

PASSO 06 – TRATAMENTO DE IMAGEM – Fala-se muito do termo “tratamento da fotografia da imagem” quando nos referimos, geralmente, ao cinema. Mas na ilustra isso também existe! Basicamente, é um tratamento final nas cores com o propósito de criar uma homogeneidade na paleta a fim de provocar uma determinada sensação psicológica na imagem. Nessa ilustra, utilizei um “filtro de foto” (encontrado na base da aba de “camadas”, clicando no círculo com meia-lua “preta e branca”) na cor azul para tirar o brilho da paleta verde-musgo-amarronzado e deixar a composição mais fria e dessaturada, o que provavelmente contribuiu para aumentar o clima soturno e amedrontador da floresta em contraste à carinha de felicidade inocente da Chapeuzinho!

01 chapeuzinho vermelho 2

PASSO 07 – FINISH! – Resolvi eliminar os contornos do cenário e… voilá! Tal qual os acidentes felizes da vida real (como quando a gente derruba tinta no papel sem querer e cria uma mancha espetacular!), o efeito ficou bem melhor do que quando haviam os contornos! Então… mesmo com o Ctrl+Z à sua disposição, permita-se experimentar e não tenha medo de errar! Fuce bastante, modifique bastante os pincéis e se divirta!

 

 

Dicas Ilustradas: Máscara da Ilusão

O britânico Dave Mckean é popularmente conhecido como “o cara que fez as capas do Sandman”. Mas ele é mais do que isso. Muito mais! Embora não seja pouca coisa ser capista do Sandman, Mckean também é artista plástico, desenhista, quadrinhista, diretor de arte, designer gráfico, escritor, fotógrafo, músico e ilustrador (dentre outras coisas!). E o mais impressionante é que o cara faz tudo isso bem!

Como quadrinhista, já produziu obras sensacionais, como “Batman: Asilo Arkham”, a graphic novel que mais tarde daria título à franquia de jogos do homem morcego. Sempre ao lado de grandes feras dos roteiros como Grant Morrinson (que escreveu o “Asilo Arkham”), e o seu parceiro de longa data Neil Gaiman.

Foi justamente com Neil Gaiman que Dave Mckean mais colaborou. Nos quadrinhos, a dupla produziu preciosidades como “Orquídea Negra”, “Violent Cases”, “Mr. Punch”, “Sinal e Ruído”… apenas para citar alguns! Essa parceria também foi levada para os livros ilustrados, de onde saiu “Os Lobos dentro das paredes”, “Cabelo doido” e a primeira versão de “Coraline”, em que Mckean fez belíssimas ilustrações com bico de pena, pincel e nanquim.

Diante de tantos trabalhos, o que mais faltava? Dave Mckean em “movimento”, claro! Foi daí que surgiu o filme “Máscara da Ilusão”, com história por Mckean e Gaiman, roteiro de Gaiman e direção de Mckean. Além de um terceiro parceiro na produção, a “Jim Henson Company”, conhecida por criar os Muppets e dar vida às Tartarugas Ninja nos filmes das décadas de 80 e 90.

Máscara da Ilusão é uma espécie de “O que aconteceria se Dave Mckean fizesse a sua versão de Alice no País das Maravilhas?”. O filme conta a história de Helena, uma menina que trabalha no circo, mas que gostaria de ter uma vida comum. Tal qual Alice, ela embarca em uma jornada para uma terra fantástica e precisa encontrar a tal máscara da ilusão para poder voltar pra casa.

Tudo o que caracteriza o trabalho de Dave Mckean está no filme. Seus personagens exóticos e com visual estilizado; os cenários fantásticos (mesmo os do “mundo real”); as cores ora saturadas, ora dessaturadas; as colagens de elementos estranhos; e até a ilustração! A experimentação imagética que é a sua marca nos quadrinhos, livros ilustrados e capas de CD de bandas de rock e heavy metal, estão em cada frame desse filme. Em determinado momento, é até difícil prestar atenção no enredo sem ficar observando cada detalhe do visual.

Para quem ainda não conhece o trabalho do Dave Mckean, o filme Máscara da Ilusão é uma ótima porta de entrada. Depois de subirem os créditos finais, vai ser impossível não querer correr pra livraria!

Para assistir ao trailer, clique aqui.

Batman Vs. Superman Vs. Deadpool na MAD 89

A primeira “matéria” de capa a gente nunca esquece! Depois de tanto insistir, pelejar, implorar, rastejar, o editor finalmente permitiu que eu fizesse a principal história em quadrinhos da edição do mês! Que alegria, que honra, que felicidade! Que trabalheira! É, deu uma trabalheira danada produzir a HQ de 06 páginas que acompanha o tema desta edição. Foi muita pesquisa e rascunhos de personagens e cenários até que tudo ficasse redondinho. Algum dia eu mostro o processo criativo pra vocês! Até o último número em que participei, havia produzido todos os quadrinhos 100% por meio digital. Mas dessa vez, dada a importância da ocasião, fiz questão de fazer à moda antiga (pelo menos lápis e arte-final): na mão, no papel e na raça! “Deadpool contra Batman e Superman” foi publicado na MAD 89, tem roteiro do Antonio Tadeu e todo o resto por minha conta e risco! Divirta-se!

Dicas Ilustradas: A Casa dos Contos de Fadas

Descobri o filme “A Casa dos Contos de Fadas” por acaso, quando zapeava a Netflix à procura de algo interessante para assistir (quase não tem opções, né?). Bem, não foi assim tão por acaso, já que o algoritmo o colocou entre as opções que poderiam me interessar, baseado no que eu já havia assistido antes.

O filme conta a história de uma família que herda a casa à beira-mar de uma tia. Cada ente recebe um presente. O pai e a mãe recebem a casa, claro, enquanto a filha mais velha fica com uma boneca (que a recebe um pouco a contragosto!) e o filho mais novo, fica com a chave para a biblioteca. O menino tem a missão de ser o novo guardião dos personagens dos contos de fadas, mas um pequeno detalhe (que não vou dizer qual é pra não estragar a história!) quase põe tudo a perder.

Logo de cara fiquei fascinado pelo filme, não apenas por sua história, mas pelo estilo das ilustrações. O traço estilizado de linhas sinuosas (nada é rigorosamente “reto” aqui) sai do lugar comum do que estamos acostumados a ver nas animações e mostra versões dos personagens dos contos de fadas diferentes do que já vimos nos filmes da Disney, por exemplo. A paleta de cores usada em cada ambiente, as padronagens de papel de parede, toalha de mesa, piso e as texturas da areia da praia, dos troncos das árvores e objetos, dão a impressão de que estamos vendo um livro ilustrado em movimento. O visual dos personagens “reais” e os detalhes dos cenários mostrados em ângulos e enquadramentos requintados, são outros pontos que tornam esse filme uma ótima referência de como criar ilustrações com estilo.

Como já falei, “A Casa dos Contos de Fadas” está disponível na Netflix. Corre lá! Se preferir, dá uma olhadinha antes no trailer clicando aqui. Bom filme e boas referências!

O Exterminador na MAD #86

“O Exterminador Com Muitos Furos” foi publicado na MAD 86 com roteiro de João Luis Jr. e arte por este que vos escreve (mais conhecido como “eu mesmo”!).

mad-86_problemas-do-exterminador_pag-01-e-02

Chegou “Rabiscos Imaginários”

Acabou de sair da gráfica a minha revista poster “Rabiscos Imaginários”. A revista mede 14,5x21cm (fechada) e mostra uma retrospectiva dos meus anos de profissão nas áreas de quadrinhos, ilustração publicitária e editorial, ricamente ilustrada (sem trocadilho) com amostras dos principais trabalhos que fiz nos últimos quatro anos. E sabe o que é melhor? A revista se transforma em um sensacional poster tamanho 42x59cm com uma ilustra em homenagem ao clássico filme “Os Goonies”. Legal, né?

“Rabiscos Imaginários” tem valor de lançamento por apenas R$ 5,00 e pode ser adquirida através de reserva por e-mail lederly@gmail.com ou facebook.com.br/lederlycomics. A entrega em mãos ocorre na Estácio Via Corpvs (terça à quinta | noite) ou Estácio Centro (segunda e sexta | noite). Por enquanto, apenas para Fortaleza.

Confira algumas imagens:

WP_20151117_09_00_35_Pro

WP_20151117_09_00_47_Pro

WP_20151117_09_01_03_Pro

WP_20151117_09_01_33_Pro

Ilustração Infantil

Fazer ilustrações infantis é sempre muito divertido, principalmente quando tenho a possibilidade de agregar um algo a mais ao trabalho. Este foi o caso de um job que realizei para a Compassion do Brasil, ONG que cuida de crianças carentes. Estas ilustras fazem parte dos papeis de cartas (cuja editoração também ficou por minha conta) utilizados como via de diálogo entre a criança e o seu padrinho (a pessoa que assume alguns custos para que o projeto possa seguir adiante). Confira:

ilustras compassion-01

ilustras compassion-03

ilustras compassion-02

ilustras compassion-04

carta 12_minhas ferias escolares

Carnaval da ilustração

Aproveitei o feriadão do Carnaval para descansar bastante e relaxar fazendo ilustrações que normalmente a correria do dia-a-dia não deixaria. O resultado foram cinco ilustrações, todas criadas diretamente no Photoshop. Confira:

10 sexta feira 13 4

11 a hora do pesadelo 6

12 supergirl vs antimonitor 04

13 hulk 08

14 batman e robin 05

Campanha de boas-vindas Estácio

As aulas estão prestes a começar no Centro Universitário Estácio do Ceará! Como já está virando tradição na unidade Via Corpvs, preparamos um material especial para dar as boas-vindas aos nossos alunos (que chamo carinhosamente de “meus padawans”). Geralmente fazemos essa ação para os cursos de Design Gráfico, Design de Interiores e Design de Moda. Dessa vez, fomos um pouco mais longe e estendemos esse material também para as unidades Moreira Campos, Parangaba e a novíssima unidade Centro. Trata-se de 27 totens de 1,70m de altura com personagens representando cada um dos cursos das quatro unidades com o tema “Eu Amo Estácio”. No caso dos totens, “Eu Amo Arquitetura”, “Eu Amo Nutrição” e por aí vai. Criamos também dois totens extras com a frase “Eu Amo Estácio” e com espaços no lugar dos rostos para que os padawans possam tirar fotos. Além disso, ainda teremos na Via Corpvs painéis de 9,0m e 4,0m. Ah, e ainda tem um poster com os 27 personagens! As ilustras e diagramação ficaram por minha conta.

cartaz eu amo estacio-01-01

painel eu amo estacio_9.2x1.4m_final-01